Pathos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Pathos (do grego πάθος, 'sofrimento' ou 'experiência') é uma palavra grega que significa paixão, excesso, catástrofe, passagem, passividade, sofrimento, assujeitamento, sentimento ou doença. O conceito filosófico foi criado por Descartes para designar tudo o que se faz ou acontece de novo. O conceito está ligado a padecer, pois o que é passivo de um acontecimento, padece desse mesmo acontecimento. Portanto, não existe pathos senão na mobilidade, na imperfeição. Tal termo grego pode transliterado como patia, pata e pato para as línguas neolatinas e anglo-saxãs, sendo eles utilizados como prefixos ou sufixos na composição muitas terminologias.

É uma palavra muito utilizada por Nietzsche em suas obras: "O Pathos da nobreza e da distância, como já disse, o duradouro, dominante sentimento global de uma elevada estirpe senhorial, em sua relação com uma estirpe baixa, com um 'sob' - eis a origem da oposição 'bom' e 'ruim' ".[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. (Nietzsche, GM I,2) Nietzsche - Genealogia da moral - Cia das letras (1998)


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.