Pato no tucupi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Pato no tucupi é um prato brasileiro típico da culinária da região Norte do Brasil, porém em especial do estado do Pará [1]. É elaborado com tucupi, líquido de cor amarela extraído da raiz da mandioca brava, e com jambu, erva típica da região norte. Pode ser acompanhado por arroz branco ou farinha-d'água de mandioca.[2]

O pato no tucupi é um dos pratos principais servidos no tradicional almoço do Círio de Nazaré[3], juntamente com a maniçoba. O tucupi e o jambu, ingredientes principais do prato, também estão presentes em outra iguaria amazônica à base de camarão, chamada tacacá.

Origem e Preparo do Prato[editar | editar código-fonte]

Como boa parte da culinária do Pará e do Amazonas o pato no tucupi é de origem indígena[4]. O tucupi é utilizado historicamente pelas populações indígenas para conservação da carne moqueada[5]. O jambu foi um acréscimo posterior à receita.

O prato é preparado com o tempero do pato, deixado para marinar e após refogado e cozido de panela, para amaciar. Após isso o pato é destrinchado e assado no forno apenas para dourar. Na etapa final do preparo o pato é fervido com o tucupi, jambu e algumas folhas de chicória. É servido tradicionalmente com arroz branco e farinha de mandioca, além do molho de pimenta de cheiro.

Referências