Paul Banks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Paul Banks
Paul Banks em 2015
Informação geral
Nome completo Paul Julian Banks
Nascimento 5 de julho de 1978 (37 anos)
Origem Essex, Inglaterra
País  Reino Unido
Gênero(s) Rock alternativo
Indie Rock
Instrumento(s) Vocal
Guitarra
Piano
Baixo
Gravadora(s) Matador, Capitol, Parlophone
Página oficial interpolnyc.com
Paul em Sacavém 5 de Julho de 2007, concerto Super Bock Super Rock

Paul Julian Banks (Clacton-on-Sea, Essex, Inglaterra, 3 de maio de 1978)[1] é o cantor, letrista e guitarrista da banda Interpol. Além da banda, Paul Banks atua como artista solo sob o pseudônimo de Julian Plenti.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido na Inglaterra, sua família mudou-se para Michigan (EUA) quando ele tinha apenas 3 anos de idade. Depois, mudaram-se para Madrid e então para o México, onde Paul terminou a escola secundária na American School Foundation. Depois, ele estudou Ingles e Literatura na NYU, nos Estados Unidos. Suas influências vieram de bandas como: Nirvana, Pixies, Neil Young, Janes Addiction. Paul Banks também já declarou algumas vezes ser um grande fã de hip-hop, além de gostar de The Strokes

Apos o término dos estudos, Paul trabalhou como assistente na revista “Interview” e logo depois em um café, com a ideia de ter mais tempo livre para dedicar-se a música. Foi durante uma viagem de intercâmbio a Paris que ele conheceu Daniel Kessler, que o convidou para tocar na banda Interpol. Hoje, Banks compõe as letras do Interpol e se mostra fascinado por suas criações, mantendo o mistério e não discutindo seus significados, deixando que os fãs façam suas próprias interpretações.

Aclamado por sua criatividade e inteligencia, Paul Banks é considerado um dos melhores vocalistas da década de 2000, e possui uma das vozes mais marcantes da cena indie-rock.

Interpol[editar | editar código-fonte]

Banks se juntou à banda no verão de 1997, quando ele se deparou com Daniel Kessler, com quem se encontrou em um programa de estudo no exterior, em Paris. Quando lhe pediram para se juntar a Interpol, Banks inicialmente recusou, mas depois de ouvir o tipo de música que eles estavam escrevendo, ele se juntou.[2]

A voz de Banks, estilo de cantar, e as letras têm sido fortemente em comparação com, principalmente, Ian Curtis dos Joy Division. Banks disse que ele não tenta imitar suas maiores influências, porque ele acha que não pode viver de acordo com eles, dizendo: "Eu nunca iria tentar cantar como Frank Black ou Kurt Cobain,[3] porque você simplesmente não pode fazer isso".

Desde a gravação do novo álbum do Interpol, El Pintor, ele assumiu funções de baixo, e no novo videoclipe para a canção "All The Rage Back Home"[4] Banks pode ser visto tocando um Fender Precision Bass.

Projeto Solo[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2009 Paul Banks lançou seu projeto solo, usando o pseudônimo Julian Plenti. O álbum foi intitulado "Julian Plenti is...Skyscraper".

Um novo álbum solo com 5 cancões foi lançado em junho de 2012, intitulado "Julian Plenti Lives...". Foi disponibilizado 2 mil cópias em vinil e 1,5 mil em CD. O EP teve como primeiro single a canção inédita "Summertime Is Coming", além de contar com um cover de Frank Sinatra, "I'm a Fool to Want You".[5]

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

Durante os primeiros anos da Interpol, Banks geralmente tocava uma guitarra Les Paul Custom preta. Ele, então, começou a usar uma Jaguar Fender e uma Gibson Flying V (por um tempo com a palavra "breasts" soletrada para fora em fita branca sobre ela) para canções do álbum Our Love to Admire e sua Les Paul para canções do álbum Antics e Turn on the Bright Lights, embora algumas músicas como "Obstacle 1" foram tocadas com Fender Jaguar por causa da impraticabilidade de comutação e canções como "Mammoth" foram gravados usando sua Les Paul, pela mesma razão. Paul Banks fez uso de sua Fender Jaguar como sua guitarra principal para a tour leg Our Love to Admire e também foi visto usando uma Gibson ES-135 para canções como "Not Even Jail", mas desde a tour leg de 2010, ele não tem sido visto usando desde o Jaguar ou Gibson ES-135 e só foi uma vez usando seu tradicional Les Paul, embora a Flying V pode ser visto no vídeo da música para "Barricade". Sua Gibson ES-135 no entanto, foi sua guitarra principal durante suas performances ao vivo como seu alter-ego Julian Plenti. Recentemente, durante shows ao vivo de seu trabalho solo, ele vem desempenhando com uma Fender Stratocaster com dois captadores humbucker e uma posição única para a bobina, meio possivelmente para que ele não tenha que mudar de guitarras entre as músicas para os diversos sons em seus discos solo.

Seus pedais incluem:

  • BOSS TU-2
  • Z.Vex Super Duper 2 in 1
  • EHX Micro POG
  • MXR Micro Amp
  • MXR Bass Octave Deluxe
  • Way Huge Swollen Pickle
  • Ibanez TS9DX
  • BOSS DN-2
  • 2 MXR Carbon Copy Analog Delay (um conjunto em repetições mais elevadas)

Seus Pedais na Julian Plenti tour:

  • BOSS TU-2
  • Way Huge Aqua-Puss
  • BOSS DN-2
  • EHX POG 2
  • Blackstar HT Dual Tube Distortion
  • MXR Carbon Copy

Desde Antics (2004), ele usa dois amplificadores Fender Pro Reverb.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Paul Banks

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.