Paul Ekman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paul Ekman
Nascimento 15 de fevereiro de 1934 (85 anos)
Washington, D.C.
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Nova Iorque, Universidade Adelphi
Ocupação psicólogo, antropólogo, sociólogo, escritor de não ficção, professor universitário
Prêmios Prêmio William James, Prêmio APA por Destacadas Contribuições Científicas para a Psicologia
Empregador Universidade da Califórnia em São Francisco
Página oficial
http://www.paulekman.com/

Paul Ekman (Washington, D.C., 15 de fevereiro de 1934)[1]é um psicólogo americano que tem sido pioneiro no estudo das emoções e expressões faciais.[2] Num estudo empírico usando 6 critérios, Ekman foi considerado um dos 100 mais notáveis psicólogos do século XX.[3] Sua grande contribuição com a ciência foi a Teoria da Universalidade das emoções, onde prova, através de pesquisas em diversas partes do mundo, inclusive com uma tribo da Papua Nova Guiné chamada Fore, que existem 7 emoções universais que são expressas pelo mesmo display facial. Também descobriu as micro expressões faciais, que ocorrem quando tentamos, consciente ou inconscientemente, suprimir uma emoção. As micro expressões faciais duram entre 1/2 e 1/5 de segundo e foram recentemente comprovadas por uma pesquisa do Dr. David Matsumoto como ferramentas para detectar mentiras.

O contexto da investigação Ekman analisa o desenvolvimento das características humanas e estados ao longo do tempo (Keltner, 2007). O personagem Cal Lightman da série de televisão Lie to Me é baseado nele e em seu trabalho. Em seu site, há uma seção onde ele discute sobre o que realmente aconteceu na vida real e quais tópicos de sua ciência foram utilizados nos casos resolvidos por Lightman e seu grupo.Em Portugal, o seu trabalho tem sido divulgado por Armindo Freitas-Magalhães.[4] O pioneiro F-M Facial Action Coding System 2. 0 (F-M FACS 2.0)[5] foi criado em 2017 pelo Dr. Freitas-Magalhães, e apresenta 2 mil segmentos em 4K, com recurso à tecnologia 3D e de reconhecimento automático e em tempo real. O pioneiro F-M Facial Action Coding System 3. 0 (F-M FACS 3.0®)[6] foi criado em 2018 pelo Dr. Freitas-Magalhães, e apresenta 4 mil segmentos em 4K, com recurso a tecnologia 3D, 360 3D, e de reconhecimento automático e em tempo real (FaceReader 7.1). O F-M FACS 3.0[7] apresenta 8 pioneiras Action Units (AUs) e 22 pioneiros Tongue Movements (TMs), para além da inovadora nomenclatura estrutural e funcional. Paul Ekman recebeu o Doutoramento Honoris Causa pela Universidade Fernando Pessoa, em 31 de Março de 2008, e sob proposta académica e científica do Dr. Freitas-Magalhães.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Paul Ekman nasceu em 15 de fevereiro de 1934 em Washington, D.C., e cresceu em Newark, New Jersey, Washington, Oregon e Sul da Califórnia. Ele é filho de um pediatra.

Ele recebeu um Prêmio Pesquisador do National Institute of Mental Health (NIMH) em 1971, que foi renovado em 1976, 1981, 1987, 1991 e 1997. Por mais de quarenta anos, NIMH tem apoiado suas pesquisas através de bolsas, subsídios e prêmios.

Em 2001, Ekman colaborou com John Cleese para a série de documentário da BBC A Face Humana. Ele se aposentou em 2004 como professor de psicologia do Departamento de Psiquiatria na Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF). De 1960 a 2004 ele trabalhou no Instituto Psiquiátrico Langley Porter.

Em Março de 2008 foi agraciado com o Doutoramento Honoris Causa da Universidade Fernando Pessoa, de Portugal, e por proposta científica e académica do Professor Doutor Freitas-Magalhães. [8] Ele foi nomeado uma das 100 pessoas mais influentes na edição de 11 de maio de 2009 da revista Time.[9]

Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Freitas-Magalhães, A. (2018). O Código de Ekman: O Cérebro, a Face e a Emoção (edição revista e anotada). Porto: FEELab Science Books. ISBN 978-989-8766-99-1
  2. Freitas-Magalhães, A. (2018). Facial Action Coding System 3.0: Manual de Codificação Científica da Face Humana. Porto: FEELab Science Books. ISBN 978-989-8766-87-8.
  3. Haggbloom, S.J. et al. (2002). The 100 Most Eminent Psychologists of the 20th Century. "Review of General Psychology". Vol. 6, No. 2, 139–15. Haggbloom et al combinaram 3 variáveis quantitativas: citações em periódicos profissionais, citações em livros didáticos e indicações numa pesquisa feita entre membros da Association for Psychological Science, com 3 variáveis qualitativas (convertidas em pontuações quantitativas): membro da National Academy of Sciences (NAS), presidente da American Psychological Association (APA) e/ou recipiente do APA Distinguished Scientific Contributions Award, e sobrenome usado como epônimo. Em seguida, a lista foi classificada pela pontuação. Ekman ficou na posição #59.
  4. Freitas-Magalhães, A. (2009). The Ekman Code or in Praise of the Science of the Human Face. In A. Freitas-Magalhães (Ed.), Emotional Expression: The Brain and The Face (Vol. 1, pp. ix-xvii). Porto: University Fernando Pessoa Press. ISBN 978-989-643-034-4.
  5. Freitas-Magalhães, A. (2017). Facial Action Coding System 2.0: Manual de Codificação Científica da Face Humana. Porto: FEELab Science Books. ISBN 978-989-8766-86-1.
  6. Facial Action Coding System 3.0: Manual de Codificação Científica da Face Humana. Porto: FEELab Science Books. ISBN 978-989-8766-87-8.
  7. http://www.facs3.pt
  8. https://www.ufp.pt/inicio/conhecer-a-ufp/doutoramento-honoris-causa-paul-ekman/
  9. «The 2009 TIME 100: Paul Ekman». Time. 30 de abril de 2009 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]