Paulinho Makuko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paulinho Makuko
Informação geral
Nome completo Francisco Paulo Bastos
Nascimento 27 de novembro de 1963 (54 anos)
Origem Buerarema, Bahia
País  Brasil
Gênero(s) Rock cristão
Gravadora(s) Bom Pastor (1995-1996)
Gospel Records (1996-2009)
Independente (2009-atualmente)
Afiliação(ões) Katsbarnea

Paulinho Makuko, nome artístico de Francisco Paulo Bastos (Buerarema, 27 de novembro de 1963) é um cantor, compositor, produtor musical, multi-instrumentista, arranjador e vocalista da banda de rock cristão Katsbarnea desde 1988.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Desde a infância, Makuko despertava interesse pela música, participando de desfiles nos dias 7 de setembro tocando caixa clara junto à banda de sua cidade. Mais tarde, em sua adolescência, fundou sua primeira banda, chamada Abismo. Neste grupo, Paulinho Makuko atuava como baterista e por conta de discussões, o conjunto acabou, sendo que o vocalista da banda praticou um homicídio contra o baixista do grupo. Após o fato, Makuko começa a fazer teatro.[3]

Seus pais morreram quando Makuko tinha 16 anos de idade, e acabou com a herança que tinha usando drogas, como LSD, maconha e cocaína, até que em 1988 foi convidado por Tom Zé a participar de Três Rios, um programa cultural. Também formou outra banda, chamada Energia Azul. No mesmo ano, conheceu a Igreja Renascer em Cristo, onde se tornou um cristão protestante e membro da congregação.[4]

Logo se tornou integrante e fundador da banda de rock cristão Katsbarnea ao lado de Brother Simion, Tchu Salomão e Marcelo Gasperini. Na banda, atuava como vocal de apoio e percussionista. Gravou três discos com o grupo: O Som que Te Faz Girar, Katsbarnea e Cristo ou Barrabás. Após a gravação de tais discos, Makuko saiu da banda, gravando três discos em sua carreira solo.[5][6]

Em 1999, Brother Simion, vocalista do Katsbarnea deixou a banda, e Makuko foi convidado a voltar ao grupo e atuar como vocalista. O cantor aceitou o convite, e no mesmo ano foi gravado Acústico - A Revolução está de volta, que vendeu mais de cem mil cópias no Brasil. Ainda, lançou Profecia em 2003 ao lado do Katsbarnea. Por um desgaste de convivência deixou a banda naquele ano. Em 2005, lançou o disco 12. Também planejava montar um novo grupo e uma gravadora que traria oportunidade à novas bandas de rock cristão.[4]

Entretanto, após gravar seu disco, retornou ao Katsbarnea e lançou em 2007 o disco A Tinta de Deus. Permanece na banda até os dias de hoje.[7]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Solo
Com o Katsbarnea
Ver artigo principal: Katsbarnea

Referências

  1. «Paulinho Makuko - discografia». Super Gospel. Consultado em 14 de junho de 2012. 
  2. «Paulinho Makuko anuncia novidades para o próximo álbum da banda Katsbarnea». Baú Gospel. Consultado em 14 de junho de 2012. 
  3. «Release». Paulinhomakuko.com.br. Consultado em 5 de julho de 2012. 
  4. a b «Paulinho Makuko». Super Gospel. Consultado em 1 de julho de 2012. 
  5. Alexander S. Santos. «Paulinho Makuko: Dados artísticos». oocities.com. Consultado em 1 de junho de 2012. 
  6. «Breve Histórico do Rock evangélico». Arquivo Gospel. Consultado em 1 de junho de 2012. 
  7. «Entrevista: Paulinho Makuko». Guia-me. Consultado em 6 de agosto de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.