Paulino Nogueira Borges da Fonseca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paulino Nogueira Borges da Fonseca
Nome nativo Paulino Nogueira Borges da Fonseca
Nascimento 27 de fevereiro de 1842
Fortaleza
Morte 15 de junho de 1908 (66 anos)
Fortaleza
Cidadania Brasil
Cônjuge Ana Franklin de Alencar Lima
Filho(s) João Franklin de Alencar Nogueira
Irmão(s) Francisco Xavier Nogueira
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco
Ocupação advogado, político, jornalista, historiador, professor

Dr. Paulino Nogueira Borges da Fonseca (Fortaleza, 27 de fevereiro de 1842 — Fortaleza, 15 de junho de 1908) foi magistrado, jornalista, historiador e político conservador brasileiro. Foi presidente da província do Ceará, interinamente, de 22 de fevereiro a 4 de março de 1878.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Francisco Xavier Nogueira e de Maria das Graças Nogueira. Neto pelo lado paterno de Pedro da Costa Moreira e de Maria Nunes de Lima e pelo lado materno do Capitão Antonio Borges da Fonseca e de Rosa Maria do Sacramento, do qual era bisneto materno de Antônio José Vitoriano Borges da Fonseca, que governou o Ceará de 25 de abril de 1765 a 3 de novembro de 1781. Teve dez irmãos, dentre eles, o padre Francisco Xavier Nogueira, que foi presidente do Poder Legislativo no Ceará.

Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de Recife, em 22 de dezembro de 1865, sendo pouco depois nomeado promotor público de Saboeiro em substituição a Antônio Pinto Nogueira Acioli, cargo que deixou por ter sido escolhido pelo presidente Homem de Melo para ser oficial-mor da secretaria do governo, mas foi exonerado por Melo e Alvim, que sucedeu a Homem de Melo, por divergências políticas. A isto seguiu-se uma pequena discussão entre ambos na imprensa. Voltaria, porém, a fazer parte do governo provincial como secretário no governo do Barão de Taquari e no de Freitas Henriques, na Bahia. Também exerceu os cargos de professor de Latim e diretor do Liceu de Fortaleza, inspetor geral da instrução pública, deputado geral por duas legislaturas (1872 e 1879) e vice-presidente da província, em cuja qualidade assumiu o governo provincial das mãos de João José Ferreira de Aguiar até o empossamento de Nogueira Accioli. Pelas reformas que realizou na instrução pública da província, e entre elas não pode ser esquecida a abolição dos bolos, dos castigos corporais, foi condecorado com a Imperial Ordem de Cristo (1871).

Foi um dos fundadores do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), criado em 4 de março de 1887, do qual foi o primeiro presidente e em cuja revista publicou vários textos de cunho historiográfico. Sua dedicação à História vinha desde os tempos de faculdade, quando escrevia artigos para o jornal A Crença, de Recife.

Em 1883 abandonou a política, voltando então à sua banca de advogado. Durante a presidência de Caio Prado, em 1888, foi nomeado provedor da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza, cargo que voltou a assumir em 1906, tomando posse desse cargo em 20 de março, por instâncias do presidente Nogueira Accioli. Recusou a presidência da província do Amazonas e esteve indigitado para Barão de São Paulino pouco antes do fim do regime monárquico.

Com o advento da República, conveio em aceitar a nomeação para o cargo de desembargador do Tribunal do Estado, cujo exercício assumiu a 1º de março de 1892, e, em 1903, inaugurada a Faculdade de Direito do Ceará, coube-lhe a cátedra de Direito Criminal.

Faleceu durante a madrugada de 15 de junho de 1908, causando grande comoção.

Casou-se duas vezes. A primeira, em 22 de dezembro de 1866, com Ana Franklin de Alencar, filha do tenente-coronel João Franklin de Lima e de Maria Brasilina de Alencar (tia materna de José de Alencar), com quem teve dois filhos:

  • João Franklin de Alencar Nogueira (25 de outubro de 1867 - 2 de dezembro de 1947), engenheiro civil, historiador e escritor;
  • Maria Nogueira, falecida em 1869.

Viúvo, casou-se em segundas núpcias, em 24 de janeiro de 1891, com Clotilde Nogueira Jaguaribe, prima-irmã de sua primeira mulher, filha de Clodes Santiago de Alencar e de Domingos José Nogueira Jaguaribe, o qual era seu parente. Dessa união nasceu uma filha chamada Maria José[1].

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
João José Ferreira de Aguiar
Presidente da província do Ceará
22 de fevereiro a 4 de março de 1878
Sucedido por
Antônio Pinto Nogueira Accioli