Paulista Futebol Clube

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para Paulista Futebol Clube, veja Paulista (desambiguação).
Paulista
PaulistaFC.png
Nome Paulista Futebol Clube
Alcunhas Galo da Japi
Tricolor Jundiaiense
Galo Jundiaiense
Mascote Galo
Principal rival Ituano
Ponte Preta
Fundação 17 de maio de 1909 (110 anos)
Estádio Jayme Cintra
Capacidade 15.155 pessoas
Localização Jundiaí, SP, Brasil
Presidente Rogério Levada
Treinador Edson Fio
Patrocinador KAH Sports

CT Fut Talentos

Material (d)esportivo Pratic Sport
Competição São Paulo Campeonato Paulista - Série A3
Website www.paulistafutebol.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

O Paulista Futebol Clube, conhecido popularmente como Paulista de Jundiaí é uma agremiação esportiva brasileira da cidade de Jundiaí, interior do estado de São Paulo. Foi fundado em 17 de maio de 1909 e suas cores são vermelho, preto e branco.

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundado a 17 de maio de 1909 por funcionários da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Na verdade, o clube dá continuidade ao Jundiahy Foot Ball Club, que existiu na cidade de Jundiaí, entre 1903 e 1908.

Nos primeiros anos de fundação, o clube servia mais para disputas internas dos seus associados. Entre 1919 e 1933, o Paulista se filiou a A.P.E.A. (Associação Paulista de Esportes Athléticos) e a L.A.F. (Liga de Amadores de Futebol), deixando as disputas internas e nesta época conquistou três vezes o título do interior.

Em 1926, o Galo do Japi faz história: é convidado a participar do Campeonato Paulista de Futebol de 1926, organizado pela Liga dos Amadores de Futebol, se tornando o segundo clube do interior do Estado a disputar a Primeira Divisão Paulista. O primeiro havia sido o Hydecroft Foot-Ball Club, coincidentemente também de Jundiaí, que disputara o Paulistão de 1914.[1]

No ano de 1941, foi criada a Federação Paulista de Futebol, federação na qual o clube se filia.

Em 1948, foi criada a segunda divisão estadual, na qual o Paulista sempre esteve, mas na qual só teve sucesso no ano de 1968, quando conquistou o acesso de maneira invicta, sendo que no último jogo da Fase Final, o Galo venceu o Barretos, pelo placar de 3 a 0.

O Paulista ficou dez anos na 1ª divisão, sendo que foi rebaixado em 1978. Mas, em 1984, o Galo estava de volta elite, após vencer o VOCEM por 7 a 1. Porém, em 1986, o clube foi rebaixado outra vez à 2ª divisão.

Mas em 1990, a história muda. Primeiro a parceria com a Lousano, que muda o nome do clube para Lousano Paulista, trazendo o clube da Série A-3 a A-2 em 1995. Em 1997, o Galo conquista o inédito título da Copa São Paulo de Futebol Júnior, vencendo na final o Corinthians.

Em 1998, foi desfeita a parceria com a Lousano, mas o clube acerta uma parceria com a Parmalat, que faz alterar o nome do clube radicalmente para Etti Jundiaí. No fim das contas, os investimentos que a empresa fez ao clube foram bons, pois trouxeram o clube de volta à 1ª divisão estadual e à 2ª divisão nacional.

No ano de 1999, o clube sagrou-se campeão da Copa Estado de São Paulo, que atualmente leva o nome de Copa Paulista. Em 2002, a Parmalat retira os investimentos do futebol e o clube começa a tocar a sua vida sem parceiros, com o nome voltando a ser Paulista após um plebiscito realizado na cidade.

Em 2004, o clube chega à final do Campeonato Paulista, torneio que perde para o São Caetano. Em 2005, o clube atinge a sua fama em nível nacional conquistando a Copa do Brasil, derrotando apenas adversários da 1ª divisão, sendo esse, até o momento, seu título mais importante no futebol. As vítimas do Galo, comandado pelo técnico Vágner Mancini, foram: Juventude, Botafogo, Internacional, Figueirense, Cruzeiro e Fluminense.

Antigo escudo

Em 2006, o Paulista disputou o 1º torneio internacional de sua história, a Copa Libertadores da América de 2006, torneio em que o clube não passou da 2ª fase. Mas um jogo marcou a torcida: a vitória sobre o River Plate, em Jundiaí, pelo placar de 2 a 1. No Campeonato Brasileiro da Série B, o time quase subiu para a Série A nacional, porém ficou na 5ª colocação empatado com o América de Natal em número de pontos, mas perdendo no número de vitórias. Neste mesmo ano, no dia 17 de novembro de 2006, o Paulista aplicou impiedosos 9x0 na equipe do Paysandu, do Pará.

Em 2007, o Paulista não se saiu bem na Série B e foi rebaixado para a Série C junto com Santa Cruz, Remo e Ituano.

Em 2009, o clube foi vice-campeão da Copa Paulista. No ano seguinte, em 2010, o Paulista chegou novamente à final e conquistou o título da competição, que também permitiu que o clube voltasse a disputar a Copa do Brasil em 2011, ano em que a equipe quase chegou a voltar a disputar o Campeonato Brasileiro. Como resultado, a equipe disputou e foi campeã da Copa Paulista.

Em 2012 e 2013 fez um razoável campeonato paulista, mas no ano seguinte (2014) fez uma má campanha que culminou no rebaixamento para série A2 do campeonato paulista depois 14 edições na série principal.

Em crise e rebaixado à Série A2, o campeão da Copa do Brasil de 2005 contará com apoio de pessoas que formaram empresa para captar patrocínios e saldar dívidas (que alcançam cerca de 27 milhões de reais). O galo se inspira no Time Holandês PSV para retornar á elite paulista. O projeto é captar recursos para a formação da equipe e pagamento das despesas.

O maior rival do Paulista nunca deixou de ser a Ponte Preta. As duas equipes do interior travam sempre uma batalha no clássico, ainda que a rivalidade contra o Bragantino muitas vezes seja maior do que com a Macaca de Campinas. Outro rival é o Ituano, com quem protagoniza o clássico Briga de Galo.

Em 2016 ficou em último lugar no RNC (Ranking Nacional dos Clubes), feito pela CBF. Dos 234 que fazem parte da entidade máxima do futebol brasileiro, o Paulista coloca-se no 217º lugar, considerado como último devido ao empate entre diversos clubes. Em 2015 o Galo figurava em 163º, o que significa uma queda de 54 posições.

Em 2017, disputando a Série A3 o Paulista fez uma péssima campanha que culminou com um inédito rebaixamento à Segunda Divisão do Campeonato Paulista (equivalente a quarta divisão do futebol estadual).

Nomes[editar | editar código-fonte]

Nome Anos
Jundiahy Foot Ball Club
1903–1908
Paulista Futebol Clube
1909–1990
Lousano Paulista Futebol Clube
1990–1998
Etti Jundiaí Futebol
1998–2002
Paulista Futebol Clube
2002–Presente

Títulos[editar | editar código-fonte]

NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
CBF - Brazilian Cup.svg Copa do Brasil 1 2005
Trofeu Camp Brasileiro serie C.jpg Campeonato Brasileiro – Série C 1 2001
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
Paulista Championship Trophy.png Campeonato Paulista do Interior 2 1919 e 1921
Paulista Championship Trophy.png Campeonato Paulista – Série A2 2 1968 e 2001
Paulista Championship Trophy.png Campeonato Paulista – Segunda Divisão 1 2019
Paulista Championship Trophy.png Copa Paulista 3 1999, 2010 e 2011
WikiCup Trophy Gold.png Torneio José Ermirio de Moraes Filho 2 1969 e 1978
TOTAL
Competição Títulos Temporadas
PaulistaFC.png Títulos oficiais 12 2 Nacionais e 10 Estaduais

Campanhas de destaque[editar | editar código-fonte]

DESTAQUES
Competição Resultados
São Paulo Campeonato Paulista Vice-campeão (2004)
6º colocado (2005 e 2007)
São Paulo Campeonato Paulista – Série A2 Vice-campeão (1984 e 2000)
São Paulo Campeonato Paulista – Série A3 Vice-campeão (1995)
São Paulo Copa Paulista Vice-campeão (2009)
Brasil Série B 4º colocado (2002)
5º colocado (2006)
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América Fase de grupos (2006)

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do Paulista

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2020
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última A Aumento R Baixa
São Paulo Campeonato Paulista 28 Vice-campeão (2004) 1926 2014 3
Série A2 41 Campeão (1968 e 2001) 1948 2016 3 2
Série A3 5 Vice-campeão (1995) 1960 2020 2 1
Segunda Divisão 2 Campeão (2019) 2018 2019 1
Copa Paulista 10 Campeão (1999, 2010 e 2011) 1999 2016
Brasil Série B 6 4º colocado (2002) 2002 2007 1
Série C 7 Campeão (2001) 1995 2008 1
Série D 1 18º colocado (2009) 2009 2009
Copa do Brasil 3 Campeão (2005) 2005 2012
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América 1 Grupos (2006) 2006 2006

Últimas dez temporadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do Paulista
Últimas dez temporadas do Paulista Futebol Clube
Brasil Nacionais Flag of the United Nations.svg Internacionais São Paulo Estaduais
Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Continentais / Mundial Campeonato Paulista Copa Paulista
Ano Div. Pos. Pts J V E D GP GC Fase Máxima Competição Fase Máxima Div. Pos. Fase Máxima
2010 D Não classificado A1 15º C
2011 D Não classificado 2F A1 10º C
2012 D Não classificado 1F A1 13º 2F
2013 D Não classificado A1 13º 1F
2014 D Não classificado A1 20º 1F
2015 D Não classificado A2 11º 2F
2016 D Não classificado A2 15º 1F
2017 D Não classificado A3 17º
2018 D Não classificado SD
2019 D Não classificado SD
Legenda:
     Campeão
     Vice-campeão
     Eliminado nas semifinais
     Campeão e promovido à divisão superior
     Vice-campeão e/ou promovido à divisão superior
     Rebaixado à divisão inferior
     Classificado à fase de grupos da Copa Libertadores
     Classificado à fase preliminar da Copa Libertadores
     Classificado à Copa Sul-Americana

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Em 1926 o Paulista foi o segundo time do interior a disputar um Campeonato Paulista da Primeira Divisão. Curiosamente o primeiro time a disputar também era de Jundiaí, chamado Hydecroft Foot-Ball Club, mas este foi extinto em 1917.
  • No ano de 2005 o Paulista sagrou-se campeão da Copa do Brasil em sua primeira participação na competição. Além disso, todos os adversários do Galo encontravam-se na primeira divisão do Campeonato Brasileiro daquele ano: Juventude, Botafogo, Internacional, Figueirense, Cruzeiro e Fluminense.
  • O primeiro jogo internacional do Paulista válido por uma competição oficial ocorreu em 15 de fevereiro de 2006 contra o El Nacional do Equador em partida válida pela segunda fase da Copa Libertadores da América. O jogo disputado no estádio Olimpico Atahualpa em Quito/EQU terminou empatado em 1x1. O primeiro gol internacional do Galo foi marcado pelo atacante Abraão.
  • A Lazio, que disputa a série A do Campeonato Italiano já jogou contra o Paulista no Jayme Cintra. O jogo ocorreu no dia 10 de junho de 1992 e terminou empatado em 1 gol. O evento se deu quando o time europeu fazia uma turnê internacional pelas Américas.[2]
  • O Galo é o dono da maior goleada da história do Campeonato Brasileiro da Série B. No dia 18 de novembro de 2006 o Paulista goleou o Paysandú/PA por 9x0. O atacante Jaílson marcou 5 gols naquela oportunidade. Outras goleadas notáveis do time na série B foram 7x0 contra o Barueri em 15 de setembro de 2007 e 7x1 contra o Londrina em 30 de agosto de 2003.
  • No ano de 2007 em jogo válido pela Copa Federação Paulista de Futebol (atual Copa Paulista), Luiz Henrique, atleta do Paulista, marcou dois gols olímpicos na mesma partida. O jogo terminou empatado em 5 gols contra a equipe do Ituano.
  • No dia 20/07/2019, jogando no Estádio Municipal Francisco Marques Figueira, em Suzano/SP, o Paulista goleou o União Suzano Atlético Clube por 8x0, sendo esta a maior goleada aplicada fora de casa em toda a sua história. A partida foi válida pela terceira rodada da segunda fase do Campeonato Paulista da Segunda Divisão.
  • É o maior campeão da Copa Paulista de Futebol, tendo vencido 3 edições desta competição (1999, 2010 e 2011).
  • Desde 1909 o Paulista mantém suas atividades de forma ininterrupta, sendo o 23º clube mais longevo do Brasil e o 5º do estado de São Paulo.

Copa do Brasil 2005[editar | editar código-fonte]

Com o vice-campeonato paulista em 2004, o Galo conquistou o direito de disputar, pela primeira vez em sua história, a Copa do Brasil. E a estreia na competição não poderia ser melhor já que o time levantou a taça com um campanha de 5 vitórias, 4 empates e 3 derrotas.

Campanha[editar | editar código-fonte]

PRIMEIRA FASE

São Paulo Paulista 1 x 0 Juventude Rio Grande do Sul - 16/02/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Anderson, Tiago Mathias e Fábio Vidal (Cristian) (Léo); Amaral, Julinho, Ricardinho e Márcio Mossoró; Davi e Marcos Dias (Gláucio). Técnico: Vágner Mancini

Juventude: Júlio Sérgio; Picoli, Naldo e Ederson; Daniel, Camazzola, Adriano, Rodrigo e Enílton (Zé Rodolpho); Lopes e Zé Carlos (Léo Santos). Técnico: Ivo Wortmann

Gol: Davi (PTA 46/2º)

Cartões amarelos: Anderson (PTA), Amaral (PTA), Márcio Mossoró (PTA), Adriano (JUV), Enílton (JUV), Rodrigo (JUV) e Éderson (JUV)

Cartão vermelho: Léo Santos (JUV)

Árbitro: Rogério Pereira Costa

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

Rio Grande do Sul Juventude 1 x 1 Paulista São Paulo - 02/03/2005

Juventude: Júlio Sérgio; Daniel, Naldo e Ageu; Valentim, Camazzola, Adriano, Rodrigo (Fagner) e Zé Rodolpho; Lopes e Zé Carlos. Técnico: Ivo Wortmann

Paulista: Rafael; Lucas Tiago Mathias, Anderson e Julinho; Cristian, Amaral, Márcio Mossoró e Ricardinho; Marcos Dias e Jefferson (Marcelo Dias). Técnico: Vágner Mancini

Gols: Jefferson (PTA 1/1º) e Zé Carlos (JUV 46/2º)

Árbitro: José Acácio da Rocha

Local: Alfredo Jaconi, Caxias do Sul (RS)

SEGUNDA FASE

São Paulo Paulista 1 x 1 Botafogo Rio de Janeiro - 16/03/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Tiago Mathias, Anderson e Julinho; Amaral, Cristian, Ricardinho e Márcio Mossoró; Jefferson (Abraão) e Léo (Tiago). Técnico: Vágner Mancini

Botafogo: Jefferson; César Prates, Rafael Marques, Scheidt e Daniel; Leandro Carvalho, Túlio, Ramon e Elvis; Ricardinho (Guilherme) e Alex Alves. Técnico: Paulo Bonamigo

Gols: Márcio Mossoró (PTA 20/1º) e Alex Alves (BOT 20/2º)

Cartões amarelos: Cristian (PTA), Tiago Mathias (PTA), Julinho (PTA), Lucas (PTA), César Prates (BOT), Scheidt (BOT), Rafael Marques (BOT) e Túlio (BOT)

Árbitro: Evandro Rogério Roman

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

Rio de Janeiro Botafogo 2 x 2 Paulista São Paulo - 06/04/2005

Botafogo: Jefferson; Rogério Souza (Daniel), Rafael Marques, Émerson e César Prates; Túlio, Juca, Elvis (Almir) e Ramon (Ricardinho); Alex Alves e Guilherme. Técnico: Paulo Bonamigo

Paulista: Rafael; Lucas, Anderson, Tiago Mathias e Julinho (Fábio Vidal); Amaral, Cristian e Fábio Gomes e Ricardinho; Márcio Mossoró e Léo (Abraão). Técnico: Vágner Mancini

Gols: Léo (PTA 4/1º), Juca (BOT 12/1º), Cristian (PTA 32/1º) e Alex Alves (BOT 38/1º)

Cartões amarelos: Jefferson (BOT), Alex Alves (BOT), Túlio (BOT), Tiago Mathis (PTA), Fábio Gomes (PTA) e Amaral (PTA)

Árbitro: Clever Assunção Gonçalves

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

OITAVAS DE FINAL

Rio Grande do Sul Internacional 1 x 0 Paulista São Paulo - 21/04/2005

Internacional: Marcelo; Vinícius, Edinho e Índio; Élder Granja, Gavilán, Augusto Recife, Diogo (Diego) e Jorge Wagner; Souza (Gustavo) e Fernandão (Wellington). Técnico: Muricy Ramalho

Paulista: Rafael; Lucas, Tiago Mathias, Anderson e Dema (Jefferson); Fábio Vidal, Fábio Gomes, Ricardinho e Cristian; Márcio Mossoró e Léo (Renatinho). Técnico: Vágner Mancini

Gol: Jorge Wagner (INT 39/2º)

Cartões amarelos: Jorge Wagner (INT), Tiago Mathias (PTA), Cristian (PTA) e Léo (PTA)

Árbitro: Carlos Jack Rodrigues Magno

Local: Beira-Rio, Porto Alegre (RS)

São Paulo Paulista 1 (4) x (2) 0 Internacional Rio Grande do Sul - 05/05/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Dema, Anderson e Fábio Vidal; Amaral (Juliano), Fábio Gomes, Cristian e Márcio Mossoró (Abraão); Léo e Jefferson. Técnico: Vágner Mancini

Internacional: Marcelo Boeck; Índio, Edinho, Vinícius (Wilson) e Élder Granja; Gavilán, Tinga, Perdigão e Jorge Wagner; Rafael Sóbis e Diego. Técnico: Muricy Ramalho

Gol: Juliano (PTA 39/2º)

Pênaltis: Anderson (PTA), Márcio Mossoró (PTA), Cristian (PTA), Jefferson (PTA), Jorge Wagner (INT) e Rafael Sóbis (INT)

Cartões amarelos: Léo (PTA), Dema (PTA), Fábio Gomes (PTA), Jefferson (PTA), Élder Granja (INT), Jorge Wagner (INT), Gavilán (INT), Perdigão (INT) e Tinga (INT)

Árbitro: Djalma José Beltrami Teixeira

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

QUARTAS DE FINAL

Santa Catarina Figueirense 1 x 0 Paulista São Paulo - 11/05/2005

Figueirense: Edson Bastos; Paulo Sérgio, Bebeto, Cléber e Marquinhos Paraná; Axel, Rudnei, Flávio (Carlos Alberto) e Bilu (Michel Bastos); Cláudio (Tiaguinho) e Rodrigo. Técnico: Marco Aurélio

Paulista: Rafael; Lucas, Dema, Anderson e Fábio Vidal; Fábio Gomes, Cristian, Amaral e Márcio Mossoró (Abraão); Léo (Juliano) e Jefferson (Finazzi). Técnico: Vágner Mancini

Gol: Cláudio (FIG 17/1º)

Cartões amarelos: Paulo Sérgio (FIG), Cláudio (FIG), Tiaguinho (FIG), Axel (FIG), Amaral (PTA), Cristian (PTA) e Anderson (PTA)

Cartões vermelhos: Cristian (PTA)

Local: Orlando Scarpelli, Florianópolis (SC)

São Paulo Paulista 1 (3) x (1) 0 Figueirense Santa Catarina - 18/05/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Dema, Anderson e Fábio Vidal (Julinho); Amaral, Fábio Gomes, Juliano e Márcio Mossoró; Léo (Abraão) e Finazzi (Jefferson). Técnico: Vágner Mancini

Figueirense: Edson Bastos; Paulo Sérgio, Bebeto, Cléber e Marquinhos Paraná; Axel, Flávio, Rudinei (Carlos Alberto) e Bilu; Cláudio (Sérgio Manoel) e Rodrigo (Alexandre). Técnico: Marco Aurélio

Gol: Lucas (PTA 8/2º)

Pênaltis: Anderson (PTA), Márcio Mossoró (PTA), Jefferson (PTA) e Axel (FIG)

Cartões amarelos: Márcio Mossoró (PTA), Fábio Vidal (PTA), Anderson (PTA), Edson Bastos (FIG), Flávio (FIG), Axel (FIG), Cléber (FIG), Rudinei (FIG) e Marquinhos (FIG)

Cartões vermelhos: Amaral (PTA), Flávio (FIG) e Bilu (FIG)

Árbitro: Sérgio da Silva Carvalho

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

SEMIFINAL

São Paulo Paulista 3 x 1 Cruzeiro Minas Gerais - 25/05/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Rever, Dema e Julinho; Cristian, Fábio Gomes, Juliano e Márcio Mossoró; Léo (Abraão) e Finazzi (Jefferson). Técnico: Vágner Mancini

Cruzeiro: Fábio; Maurinho, Argel, Marcelo Batatais e Athirson; Maldonado, Marabá, Adriano e Wagner (Fábio Santos); Weldon (Diego) e Fred. Técnico: Levir Culpi

Gols: Cristian (PTA 5/1º), Fred (CRU 8/1º), Márcio Mossoró (PTA 10/2º) e Jefferson (PTA 40/2º)

Cartões amarelos: Dema (PTA), Maurinho (CRU), Maldonado (CRU) e Argel (CRU)

Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

Cruzeiro Minas Gerais 3 x 2 Paulista São Paulo - 01/06/2005

Cruzeiro: Fábio; Ruy, Argel, Marcelo Batatais e Athirson; Martinez (Jonathan), Marabá, Adriano (Wagner) e Kelly; Weldon (Diego) e Fred. Técnico: Levir Culpi

Paulista: Rafael; Lucas, Dema, Anderson e Julinho; Cristian, Fábio Gomes, Amaral (Léo), Juliano e Márcio Mossoró (Jefferson); Finazzi (Rever). Técnico: Vágner Mancini

Gols: Kelly (CRU 7/1º), Fred (CRU 16/1º e 36/1º) e Cristian (PTA 1/2º e 4/2º)

Cartões amarelos: Adriano (CRU), Argel (CRU) Anderson (PTA) e Rafael (PTA)

Cartões vermelhos: Ruy (CRU) e Anderson (PTA)

Árbitro: Wagner Tardelli

Local: Mineirão, Belo Horizonte (MG)

FINAL

Ver artigo principal: Copa do Brasil de Futebol 2005 - Final

São Paulo Paulista 2 x 0 Fluminense Rio de Janeiro - 15/06/2005

Paulista: Rafael; Lucas, Dema, Rever e Julinho (Fábio Vidal); Fábio Gomes, Cristian, Juliano e Márcio Mossoró; Léo e André Leonel (Jefferson). Técnico: Vágner Mancini

Fluminense: Kléber; Gabriel, Igor, Antonio Carlos e Juan; Marcão, Radamés, Fernando (Lino) e Juninho; Alex (Rodrigo Tiuí) e Tuta (Léo Guerra). Técnico: Abel Braga

Gols: Márcio Mossoró (PTA 2/2º) e Léo (PTA 38/2º)

Cartões amarelos: Juliano (PTA), Léo (PTA), Fernando (FLU), Gabriel (FLU), Rodrigo Tiuí (FLU), Radamés (FLU) e Juninho (FLU)

Árbitro: Wilson de Souza Mendonça

Local: Jayme Cintra, Jundiaí (SP)

Fluminense Rio de Janeiro 0 x 0 Paulista São Paulo - 22/06/2005

Fluminense: Kléber; Schneider, Antonio Carlos, Fabiano Eller e Juan; Marcão, Diego (Léo Guerra), Juninho (Toró) e Preto Casagrande; Leandro e Tuta. Técnico: Abel Braga

Paulista: Rafael; Lucas, Anderson, Dema e Julinho; Fábio Gomes, Cristian (Fábio Vidal), Juliano (Rever), Amaral e Márcio Mossoró; André Leonel (Abraão). Técnico: Vágner Mancini

Cartões amarelos: Leandro (FLU), Lucas (PTA) e Márcio Mossoró (PTA)

Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva

Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)

Tabela[editar | editar código-fonte]

Fase Confronto Ida Volta Agregado
Primeira eliminatória São Paulo Paulista - Juventude Rio Grande do Sul 1-0 1-1 2-1
Segunda eliminatória São Paulo Paulista - Botafogo Rio de Janeiro 1-1 2-2 3-3 (gf)
Oitavas-de-final Rio Grande do Sul Internacional - Paulista São Paulo 1-0 0-1 1-1 (2-4 p)
Quartas-de-final Santa Catarina Figueirense - Paulista São Paulo 1-0 0-1 1-1 (1-3 p)
Semifinal São Paulo Paulista - Cruzeiro Minas Gerais 3-1 2-3 5-4
Final São Paulo Paulista - Fluminense Rio de Janeiro 2-0 0-0 2-0

Libertadores 2006[editar | editar código-fonte]

Com a conquista da Copa do Brasil em 2005 o Paulista garantiu uma vaga na disputa da Copa Libertadores da América de 2006. Apesar de não conseguir passar da fase de grupos, se destacou ao vencer o Club Atlético River Plate no Estádio Doutor Jayme Cintra. Pela competição continental o Paulista jogou 6 partidas e obteve 1 vitória, 3 empates e 2 derrotas. O Galo encerrou sua participação na 4ª colocação do grupo 8 com aproveitamento de 33% dos pontos disputados.

Equador El Nacional 1 x 1 Paulista Brasil - 15/02/2006

El Nacional: Ibarra, De Jesús, Castillo, Guagua, Benitez, Erick de Jesús, Quiróz, Borja, Ayoví (Figueroa), Lara e Ordoñez. Técnico: Ever Hugo Almeida

Paulista: Rafael, Lucas (Fábio Vidal), Dema, Réver e Bosco; Amaral, Glaydson, Wilson e Beto; Jean Carlos (Abraão) e Muñoz. Técnico: Vágner Mancini

Gols: Borja (ELN 23/2º) e Abraão (PTA 36/2º)

Cartão Amarelo: Amaral (PTA)

Local: Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito (EQU)

Árbitro: Albert Duarte (COL)

Brasil Paulista 0 x 0 Libertad Paraguai - 02/03/2006

Paulista: Rafael, Bosco, Rever, Dema e Fábio Vidal; Glaydson (Jean Carlos), Amaral, Sammir e Wilson (Beto); Wesley Brasília (Abraão) e Muñoz. Técnico: Vágner Mancini

Libertad: Aldo Bobadilla, Raúl Damiani, Ricardo Martínez, Pedro Sarabia e Edgar Balbuena; Javier Villarreal, Víctor Cáceres, Carlos Bonet (Edgar Robles) e Pablo Guiñazú; Nelson Romero (Pablo Garnier) e Rodrigo López. Técnico: Gerardo Martino

Cartão Amarelo: Bosco (PTA), Rever (PTA), Victor Cáceres (LIB) e Aldo Bobadilla (LIB)

Local: Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí (BRA)

Público: 9.905 pagantes

Árbitro: Rubén Selman (CHI)

Auxiliares: Jorge Osório (CHI) e Manuel Rodríguez (CHI)

Argentina River Plate 4 x 1 Paulista Brasil - 16/03/2006

River Plate Lux; Ferrari, Cáceres, Tula e Dominguez; Santana, Ahumada (Mareque), Zapata (Lima) e Patiño (Pusineri); Montenegro e Abán. Técnico: Daniel Passarella

Paulista: Rafael; Bosco (Beto), Rever, Dema e Fábio Vidal; Amaral, Glaydson (Lucas), Jaílson (Wesley Brasília) e Wilson; Abraão e Muñoz. Técnico: Vagner Mancini

Gols: Santana (RIV 9/1º), Montenegro (RIV 12/1º), Muñoz (PTA 27/1º), Montenegro (RIV 6/2º) e Abán (RIV 38/2º)

Cartão Amarelo: Abraão (PTA) e Dema (PTA)

Local: Estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires (ARG)

Árbitro: Carlos Chandía (CHI)

Auxiliares: Enrique Osses (CHI) e Mario Vargas (CHI)

Brasil Paulista 2 x 1 River Plate Argentina - 05/04/2006

Paulista: Rafael, Lucas, Dema, Rever e Beto; Glaydson, Douglas Marques, Amaral e Wilson; Jaílson (Jean Carlos) e Muñoz (Bosco). Técnico: Vágner Mancini

River Plate Germán Lux, Cristian Álvarez, Júlios César Cáceres, Cristian Tula e Lucas Mareque; Lucas Pusineri (Víctor Zapata), Andrés San Martín, Oscar Ahumada e Jairo Patiño (Daniel Montenegro); Gustavo Oberman e Gonzalo Abán (Ernesto Farías). Técnico: Daniel Passarella

Gols: Amaral (PTA 6/1º), Jaílson (PTA 17/1º) e Jairo Patiño (RIV 19/1º)

Cartão Amarelo: Beto (PTA), Cristian Tula (RIV), Jairo Patiño (RIV), Oscar Ahumada (RIV), Glaydson (PTA), Cristian Alvarez (RIV) e Rafael (PTA)

Local: Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí (BRA)

Público e Renda: 9.768 pagantes e R$151.240,00

Árbitro: Carlos Torres (PAR)

Paraguai Libertad 1 x 0 Paulista Brasil - 12/04/2006

Libertad: Aldo Bobadilla, Carlos Bonet (Edgar Robles), Martín Hidalgo, Pedro Sarabia, Ricardo Martinez, Edgar Balbuena, Cristian Riveros, Pablo Guiñazú, Javier Villarreal, Nelson Romero (Pablo Garnier) e Rodrigo López (Roberto Gamarra). Técnico: Tata Martino

Paulista: Rafael, Lucas, Dema, Rever e Beto (Fábio Vidal); Douglas (Jean Carlos), Amaral, Glaydson e Wilson; Jaílson e Muñoz (Luiz Henrique). Técnico: Vágner Mancini

Gol: Martín Hidalgo (LIB 19/1º)

Cartão Amarelo: Aldo Bobadilla (LIB), Dema (PTA), Douglas (PTA) e Edgar Balbuena (LIB)

Local: Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (PAR)

Árbitro: Óscar Ruiz (COL)

Brasil Paulista 0 x 0 El Nacional Equador - 20/04/2006

Paulista: Rafael, Lucas, Dema, Rever e Fábio Vidal; Glaydson, Amaral, Beto (Abraão) e Wilson; Jaílson (Nivaldo) e Muñoz (Jean Carlos). Técnico: Vágner Mancini

El Nacional: Giovanni Ibarra, Omar de Jesús, Carlos Castro, Jorge Guagua, Pavel Caicedo; Alejandro Castillo, Carlos Hidalgo (Gustavo Figueroa), David Quiroz e Christian Benítez; Félix Borja e Cristian Lara (Manuel Cotera). Técnico: Ever Hugo Almeida

Gols: Martín Hidalgo (LIB 19/1º)

Cartão Amarelo: Beto (PTA), Carlos Hidalgo (ELN), Alejandro Castillo (ELN), Jorge Guagua (ELN), Rafael (PTA), Pavel Caicedo (ELN) e Wilson (PTA)

Local: Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí (BRA)

Público e Renda: 6.753 pagantes e R$99.080,00

Árbitro: Rúben Selman (CHI)

Estádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Estádio Doutor Jayme Cintra
Busto do Dr. Jayme Pinheiro de Ulhôa Cintra localizado no Complexo Fepasa em Jundiaí

O Estádio Doutor Jayme Cintra foi inaugurado em 30 de maio de 1957, com um jogo amistoso entre Paulista e Palmeiras, no qual o Paulista venceu por 3 a 1. O primeiro gol do estádio foi marcado pelo atacante Belmiro, do time da casa. Atualmente, possui capacidade para 15.000 pessoas.

O nome do estádio é oriundo de um ex-presidente da extinta Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Jayme Pinheiro de Ulhôa Cintra nasceu no dia 1 de maio de 1886, na cidade de Campinas. Formou-se engenheiro civil em 1907 pela Escola Politécnica, atualmente da Universidade de São Paulo, como primeiro aluno da turma, situação única que lhe garantiu colocação na Companhia Paulista de Estradas de Ferro, como engenheiro praticante, em 1908.

Exerceu o cargo de presidente da Companhia de 1 de janeiro de 1950 a 1 de junho de 1961. Faleceu em 1 de junho de 1962. Foi um dos principais responsáveis pela construção e iluminação do estádio.

Partida Paulista 0 x 0 Audax em 18/01/2014 disputada no estádio Dr. Jayme Pinheiro de Ulhôa Cintra em jogo válido pelo Campeonato Paulista de Futebol da Série A1

Elenco Profissional 2019[editar | editar código-fonte]

Última atualização: julho de 2019.

Legenda:

  • Capitão: Atual capitão
  • Emprestado.: Emprestado
  • Prata da casa: Prata da casa (Jogador da base)


Goleiros
Jogador
Brasil Matheus
Brasil Victor
Defensores
Jogador Pos.
Brasil Joaquim Z
Brasil Evandro Prata da casa Z
Brasil João Paulo Z
Brasil Prata da casa Z
Brasil Victor LD
Brasil Hurick LD
Brasil Yan LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Higor V
Brasil Demarchi M
Brasil Favali M
Brasil Matheus M
Brasil Carlinhos Alexandre Prata da casa M
Brasil Kawan M
Brasil DanielPrata da casa M
Atacantes
Jogador
Brasil Nene
Brasil Jeferson
Brasil EdinanCapitão
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Edson Fyu T
Brasil Valdir PF
Brasil . TG
Brasil Mauro Luis MD
Brasil Thiago MA
Brasil Janilson OU

Artilheiros[editar | editar código-fonte]

Maiores artilheiros da história do Paulista Futebol Clube:

 
Goleadores
 
Gols
1. Sancho 1926-37 87
2. Camargo 1920-34 81
3. Ricardo 1981-86 71
4. Batata 1919-32 68
5. Jean Carlos 1998-02 64

Goleiros que mais defenderam o Paulista[editar | editar código-fonte]

Goleiros com maiores atuações da história do Paulista Futebol Clube:

 
Goleiros
 
Jogos
1. Edison Mug 175
2. Nicanor 144
3. Sérgio 136
4. Rafael Bracalli 121
5. Luiz Fernando 105
6. Zé Dica 93
7. Victor 92
8. Artur 91
9. Gilberto 84
10. Zuza 84

Jogadores notáveis[editar | editar código-fonte]

Categorias de base[editar | editar código-fonte]

Títulos da base[editar | editar código-fonte]

INTERCONTINENTAIS
Competição Títulos Temporadas
Campeonato Internacional de Clubes Sub 13 1 2013
NACIONAIS
Competição Títulos Temporadas
Brasil Copa São Paulo de Futebol Júnior 1 1997*
ESTADUAIS
Competição Títulos Temporadas
São Paulo Campeonato Paulista Sub-17 1 2000
TOTAL
Competição Títulos Temporadas
PaulistaFC.png Títulos oficiais 3 1 Intercontinental, 1 Nacional e 1 Estadual
  • Título conquistado com o nome de Lousano Paulista.

Torcidas organizadas[editar | editar código-fonte]

Antigas
  • Embriagalo
Atuais
  • Associação Torcida Raça Tricolor
  • Associação Esportiva e Cultural Gamor Força Jovem

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

Ranking atualizado e publicado em 13 de dezembro de 2016.

  • Posição: 217º
  • Pontuação: 50 pontos

O Ranking da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) pontua todos os clubes do Brasil de acordo com as campanhas nos campeonatos nacionais.

Publicações sobre o Paulista[editar | editar código-fonte]

Livros
  • LUCATO, Cláudio (2002). Jundiahy Foot Ball Club ou Paulista F. C. 1 ed. [S.l.]: Editora Literarte. 96 páginas 
  • MANCINI, Vagner (2016). Eterna Conquista 1 ed. [S.l.]: Jornal de Jundiaí 
  • GOTTARDO, Ivan (2018). 1968: O Ano Que O Galo Cantou 1 ed. [S.l.]: Pontes Editores. 248 páginas 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Copa do Brasil - Cronologia


Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.