Paulo Alves Godoy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Paulo Alves Godoy (São Paulo, 22 de setembro de 1914 - São Paulo, 19 de abril de 2001) foi um jornalista e escritor espírita brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de José Alves, português, e Cesarina Alves Godoy, brasileira, a família residiu por algum tempo em Araguari, onde Godoy iniciou os seus estudos primários, vindo a concluir o antigo curso ginasial em São Paulo.

Embora os pais fossem espíritas e o tenham educado dentro dos ensinamentos da doutrina espírita, considerou-se praticante apenas a partir de 1938, quando foi eleito secretário do Centro Espírita Bezerra de Menezes, no bairro paulista da Lapa.

Ao longo de sua vida exerceu o cargo de diretor na União Federativa Espírita Paulista, foi delegado da Confederação Espírita Pan-Americana, em São Paulo, membro do Conselho Deliberativo da Federação Espírita do Estado de São Paulo (FEESP) e conselheiro da União das Sociedades Espíritas (USE) e da Liga Espírita do Estado de São Paulo.

Em 1940, juntamente com Francisco Arcari e Antônio Alves Pereira, lançou o boletim "O Semeador" (já extinto) no Centro Espírita Bezerra de Menezes. Em 1947, dirigiu a revista "O Revelador" e, no ano seguinte (1948), fundou e editou o jornal "Unificação", órgão da USE. Mais tarde, em fevereiro de 1966, fundou o jornal "O Semeador", órgão da FEESP, onde permaneceu até à data de sua morte. Além dessas atividades, colaborou em inúmeros órgãos da imprensa espírita em quase todos os estados do Brasil e no exterior, especialmente na Argentina e em Portugal.

Godoy editou "O Evangelho segundo o Espiritismo", de Allan Kardec, em uma edição que veio a público pela Federação Espírita de São Paulo (FEESP) em julho de 1974. Esta inseria-se em "um plano de completa e total revisão de toda a Codificação Doutrinária de Allan Kardec" posto em prática pelo Departamento do Livro da FEESP, e vendeu cerca de 30.000 exemplares à época.[1] A edição foi refutada por José Herculano Pires, pela obra Na Hora do Testemunho, que veio a público em 1977.

Obra[editar | editar código-fonte]

Foi autor das seguintes obras:

  • Personagens do Espiritismo (com Antônio Lucena);
  • Crônicas Evangélicas
  • O Evangelho pede licença
  • Grandes Vultos do espiritismo
  • As Maravilhosas Parábolas de Jesus
  • Momentos de Prece
  • Os padrões Evangélicos
  • Quando Jesus teria sido Maior?
  • Os Quatro Sermões de Jesus
  • O Evangelho por dentro
  • Jesus Cristo, a luz do Mundo
  • Evangelho da Redenção
  • Os casos controvertidos do Evangelho misericordioso

Referências

  1. "Herculano Pires: Na Hora do Testemunho" in autoresespiritasclassicos.com Consultado em 10 jun 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.