Paulo Brant

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paulo Brant
Paulo Brant
10.º Vice-Governador de Minas Gerais
Período 1 de janeiro de 2019 até
a atualidade
Governador Romeu Zema
Antecessor(a) Antônio Andrade
Dados pessoais
Nome completo Paulo Eduardo Rocha Brant
Nascimento 1 de maio de 1952 (69 anos)
Diamantina, Minas Gerais, Brasil
Alma mater UFMG, PUC-MG
Partido PTB (1994-2007)
PSDB (2007-2015)
PSB (2015-2017)
NOVO (2017-2020)
PSDB (2021-presente)
Profissão Economista, professor, engenheiro civil e político
Website https://paulobrant.com.br/

Paulo Eduardo Rocha Brant (Diamantina, 1 de maio de 1952) é um economista, professor, engenheiro civil e político mineiro.[1] Filiado ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), foi eleito para o cargo de vice-governador do estado de Minas Gerais nas eleições estaduais de 2018, pelo Partido Novo (NOVO), junto ao líder da chapa, Romeu Zema.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na cidade mineira de Diamantina, no dia 1 de maio de 1952. Ele afirma que vem de uma família típica mineira, sendo seu pai o juiz Moacyr Pimenta Brant e sua mãe Iolanda Raimunda da Rocha, sendo o sexto de 11 irmãos, dentre eles o compositor Fernando Rocha Brant[2][3]. Aos quatro anos se mudou junto com sua família para a cidade de Belo Horizonte, lá estudou no Colégio Arnaldo, cursou engenharia na UFMG, economia na PUC, se tornou mestre em economia também pela UFMG e se especializou em estratégia empresarial pela Fundação Dom Cabral/INSEAD[4].

Vice-governador de Minas Gerais[editar | editar código-fonte]

Paulo Brant foi empossado, junto com o Governador Romeu Zema, pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em 1 de janeiro de 2019.[5] Desde a transição, Brant era visto como um figura conciliadora e trabalhou na articulação do governo com as prefeituras, setor privado e a Assembleia Estadual.[6][7][8] No entanto, após discordâncias com o governo sobre o reajuste para funcionários públicos estaduais, ele se desfiliou do Partido Novo. Porém, manteve um bom relacionamento com o governador e deu continuidade ao trabalho para a construção de uma coalizão governista a fim de aprovar uma agenda reformista.[9][10][11]

Em agosto de 2021, filiou-se ao PSDB, com críticas ao que chamou de "liberalismo exacerbado" do seu antigo partido.[12][13]

Referências

  1. «NOVO». candidatos.novo.org.br (em inglês). Consultado em 29 de outubro de 2018 
  2. «:: Política :: Paulo Brant foi pré-candidato a vice ao lado de Romeu Zema. Entenda...». jornalaraxa.com.br. Consultado em 29 de outubro de 2018 
  3. http://www.raqueldecarvalho.com.br/entrevista-de-paulo-brant-vice-governador-eleito-de-minas/
  4. «Quem sou - Paulo Brant». paulobrant.com.br. Consultado em 29 de outubro de 2018 
  5. «Zema diz que situação de MG é de falência e que o déficit passa de R$ 30 bilhões; leia discurso de posse» 
  6. Minas, Estado de; Minas, Estado de (17 de dezembro de 2018). «Paulo Brant se apresenta como principal articulador do governo Zema» 
  7. Minas, Estado de; Minas, Estado de (17 de dezembro de 2018). «Paulo Brant se apresenta como principal articulador do governo Zema» 
  8. TEMPO, O. (29 de maio de 2019). «Atuação de Paulo Brant gera ciúmes em setor do Novo» 
  9. TEMPO, O. (11 de março de 2020). «Após crise interna, vice-governador de Minas, Paulo Brant, deixa partido Novo» 
  10. www.diariodoaco.com.br. «Zema nomeia secretário de Governo e Paulo Brant deixa o Novo» 
  11. «Após anúncio de sanção de reajuste, vice-governador de Minas Gerais deixa o partido Novo» 
  12. Minas, Estado de; Minas, Estado de (16 de agosto de 2021). «Paulo Brant, vice de Zema, se filia ao PSDB». Estado de Minas. Consultado em 16 de agosto de 2021 
  13. TEMPO, O. (16 de agosto de 2021). «Vice de Zema, Paulo Brant vai se filiar ao PSDB». Politica. Consultado em 16 de agosto de 2021