Paulo Estêvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde maio de 2014)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Paulo Jorge Abraços Estêvão (Serpa, 1968) é um professor e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Natural de Serpa, no Alentejo, iniciou os seus estudos nessa mesma cidade, tendo ingressado no Seminário Diocesano de Beja, em 1979. Em meados da década de 1980, prosseguiu os estudos na Escola Secundária Diogo de Gouveia, seguindo para a Universidade de Évora, onde se licenciou em História, em 1995. Iniciou a sua vida profissional na ilha Terceira, tendo sido igualmente professor nas ilhas do Faial, Pico e Corvo. Foi presidente do Conselho Executivo da Escola Básica Integrada Mouzinho da Silveira, entre 2001 e 2008.

Ingressou na política como militante do Partido Popular, tendo dirigido a Comissão Política do Faial e integrado, como vice-presidente, o Directório Regional, entre 1996 e 1999. Entrou no Partido Popular Monárquico (PPM) em 2000, chegando a presidente do Directório Regional, no mesmo ano. Foi eleito vice-presidente do Directório Nacional do PPM, em 2005, e presidente da Comissão Política Nacional, em 2010, tendo apresentado a demissão em 2017, por incapacidade de coordenar o partido ao nível nacional devido ao facto de residir na ilha do Corvo. Manteve, contudo, assento nos órgãos nacionais do PPM como ex-presidente do partido.[1] Foi membro das Assembleias Municipais da Horta (1997 - 1998) e do Corvo (2005 - 2009 e 2009 -). Em 2009 foi o primeiro candidato do PPM a ser eleito, pelo círculo do Corvo, deputado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, tendo sido reeleito em 2012 e 2016.

Referências