Paulo Henriques Britto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paulo Henriques Britto
Nascimento 1951 (70 anos)
Rio de Janeiro
Residência Gávea, Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Alma mater PUC-Rio
Ocupação Poeta, professor e tradutor
Prémios Prêmio Portugal Telecom de Literatura (2004)
Magnum opus Macau

Paulo Henriques Britto (Rio de Janeiro, 1951) é um poeta, professor e tradutor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu numa família da pequena burguesia carioca, o pai era militar. Quando tinha 10 anos viveu com os pais em Washington, capital dos Estados Unidos, durante 2 anos e meio, onde o pai esteve destacado.

Mais tarde frequentou a faculdade de cinema em Los Angeles e San Francisco, Estados Unidos, que nunca concluiu. Foi nesta altura que começou a escrever poesia.[1]

Possui graduação em Licenciatura em Língua Inglesa e Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1978 e mestrado em Letras em 1982 pela mesma instituição, que lhe conferiu o título de Notório Saber (2002).

Estreou-se como poeta em 1982, com Liturgia da matéria, a que se seguiu Mínima Lírica (1989), Trovar Claro (1997), com o qual recebeu o Prêmio Alphonsus de Guimarães, da Fundação da Biblioteca Nacional, e Macau (2003), com o qual recebeu o prêmio Portugal Telecom de literatura brasileira. Em 2004 lançou o livro de contos Paraísos artificiais e em 2007 lançou Tarde, seguido de Formas do nada, em 2012.

Já traduziu mais de cem livros, entre obras de William Faulkner, Elizabeth Bishop, Byron, John Updike, Thomas Pynchon e Charles Dickens.[2]

É atualmente professor associado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em cursos de tradução, criação literária e literatura brasileira.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • 1982 - Liturgia da matéria
  • 1989 - Mínima lírica
  • 1997 - Trovar claro
  • 2003 - Macau
  • 2007 - Tarde
  • 2009 - Eu quero é botar meu bloco na rua
  • 2012 - Formas do nada
  • 2018 - Nenhum Mistério

Contos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Revista Cândido n.º 87 (Outubro de 2018). Um Escritor na Biblioteca - Paulo Henriques Britto.
  2. «Paulo Henriques Britto» (em inglês). Bokmässan 2014 - Bokmässan 2014. 28 de agosto de 2014. Consultado em 9 de setembro de 2014. Arquivado do original em 22 de setembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Artigos
  • BELÚZIO, Rafael Fava. BRITTO, Paulo Henriques. "Formas do nada", 2012. Em Tese, [S.l.], v. 20, n. 2, p. 256-260, ago. 2014. ISSN 1982-0739. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/article/view/5668. Acesso em: 03 nov. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.17851/1982-0739.20.2.256-260.
  • Página com atividade docente na PUC-Rio
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.