Paulo Kogos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Paulo Kogos
Paulo Kogos
Paulo Kogos em 2021.
Nome completo Paulo Hugenneyer Kogos
Nascimento 20 de maio de 1986 (37 anos)
São Paulo
Residência São Paulo
Nacionalidade Brasileiro
Religião Sedevacantismo

Catolicismo Romano

Progenitores Mãe: Lígia Kogos
Pai: Waldemar Kogos
Alma mater Insper
Universidade Mackenzie
Mosteiro de São Bento
Ocupação Economista, Empresário e Youtuber
Carreira no YouTube
Servidor(es) YouTube
Gênero masculino
Período de atividade 2013 - Presente
Inscritos + 184 mil (2024)[1]
Visualizações + 3 milhões (2024)[1]

Paulo Hugenneyer Kogos (São Paulo, 20 de maio de 1986) é um youtuber, economista e empresário brasileiro filiado ao Partido Renovação Democrática.[2][3][4][5][6]

É conhecido por ser ativista nas redes de extrema-direita do Brasil,[7] se destacando pelo seu posicionamento libertário e pela defesa pouco ortodoxa das suas ideias.[8] Fortemente associado com a difusão do anarcocapitalismo no Brasil, Kogos deixou de adotar o termo anarcocapitalista para se autodefinir desde agosto de 2023, quando declarou considerar tal termo esteticamente inadequado, indevidamente apropriado por liberais e associado com figuras contrárias às suas crenças religiosas, passando desde então a definir-se como ontolibertário[9].Kogos também declara-se como católico sedevacantista,[10] conservador nos valores, e no "extremo da extrema-direita".[11]

Durante a pandemia de COVID-19 participou das manifestações contrárias ao isolamento social durante a e a favor do então presidente Jair Bolsonaro.[12][13] Em 2022 se candidatou a uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo pelo PTB, onde recebeu 33.109 votos, não tendo sido eleito devido ao seu partido não ter conseguido alcançar o quociente eleitoral.[14]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Paulo Kogos nasceu em São Paulo, no dia 20 de maio de 1986, sendo filho único do ginecologista Waldemar Kogos e de Lígia Kogos, uma das mais conhecidas dermatologistas do Brasil, conhecida como a "Rainha do Botox", que conta entre os seus clientes Marcela Temer, Beth Szafir e Amaury Jr.[15]

Kogos possui uma empresa de venda de dermocosméticos, que atua de maneira próxima com os negócios da tradicional clínica de dermatologia da família localizada no bairro dos Jardins, em São Paulo. Sua empresa possui direitos de uso do nome de sua mãe (Lígia Kogos) e atua como revendedor exclusivo de produtos por ela projetados.[16][17][18][19][20]

Kogos afirma que tem síndrome de Asperger "em algum nível", embora nunca tenha recebido um diagnóstico oficial.[21]

Serviço Militar e Formação Acadêmica[editar | editar código-fonte]

Kogos cursou o Curso de Formação de Oficiais da Reserva do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo, na turma de 2005, graduando-se como aspirante a oficial de reserva da Arma de Comunicações do Exército Brasileiro.[16]

Logo após concluir o Centro de Preparação de Oficiais da Reserva, foi graduado em Administração de Empresas pelo Insper, onde durante sua vida acadêmica também ocupou a posição de Diretor de Redação da Revista InsperPost[22] (Revista acadêmica institucional do INSPER, com gestão conjunta entre a instituição e o corpo discente). Logo após, cursou também pós-graduação em Economia na Universidade Mackenzie.[16]

Em abril de 2020, encontrava-se no segundo ano da graduação em Filosofia, na faculdade do Mosteiro de São Bento, em São Paulo.[16]

Ativismo político[editar | editar código-fonte]

Kogos afirma que foi sempre politicamente ativo, por influência do avô, perfilando-se sempre na direita, como libertário e anarcocapitalista.[11]

Em 6 de novembro de 2020, em entrevista ao programa Pânico, da emissora Jovem Pan, declarou-se no "extremo da extrema-direita", reforçando publicamente sua identificação como anarcocapitalista.[11]

Numa entrevista ao Estadão, declarou-se "anarcocapitalista com tendências monárquicas", afirmando-se contra a democracia, na qual vê "a perda de freios morais e limites éticos". Defende um ideal de sociedade cristã, livre mercado, da ordem e da hierarquia, baseado no princípio da desigualdade social, em que umas pessoas estão mais aptas que outras a servir. O poder seria, assim, exercido por "pequenas governanças feitas por uma elite natural".[23]

Em abril de 2020, afirmava-se visceralmente contra a política partidária, negando ter interesse em disputar uma eleição.[16]

Segundo a Veja, após a veiculação de uma entrevista no site da revista, Kogos teria sido expulso do Club Athletico Paulistano, o mais elitista do Brasil. Kogos nega esta informação, confirmando, no entanto, haver recebido uma advertência verbal por se ter envolvido em uma briga de torcida de futebol, em 2016.[16]

Em 2022, Paulo Kogos filiou-se ao antigo Partido Trabalhista Brasileiro, atual Partido Renovação Democrática[6], para disputar as eleições para a Assembleia Legislativa de São Paulo,[24] e propôs o pagamento de impostos com bitcoin em São Paulo.[25][26] Kogos foi criticado durante a campanha por retirar cerca de 100 mil reais do fundo eleitoral, o qual Kogos é contrário. Kogos alegou que utilizou o fundo para evitar que ele fosse destinado a candidatos de esquerda, pois o dinheiro do fundo já havia sido arrecadado pelo Estado e caso ele não aceitasse recebê-lo, seria destinado a outros políticos. Mas, deixou claro que permanecia contra a existência do financiamento estatal de campanhas e trabalharia contra isso como deputado.[27] Kogos obteve 33.109 votos, sendo o primeiro colocado de seu partido e tendo quase o dobro de votos do segundo. Porém, não foi eleito, porque seu partido, o PTB, não alcançou o quociente eleitoral.[28]

Desempenho em Eleições[editar | editar código-fonte]

Desempenho de Paulo Kogos em eleições
Ano Eleição Partido Candidato a Votos % Resultado Ref
2022 Estadual em São Paulo PTB Deputado Estadual 33.109 0,14% Não Eleito [29]

Redes sociais[editar | editar código-fonte]

Em 2018, o canal do YouTube de Paulo Kogos foi identificado num trabalho acadêmico da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa como uma das vozes dominantes no ecossistema de movimentos populistas da direita brasileira naquela plataforma. O uso do algoritmo Force Atlas 2 e das métricas Modularidade e Grau Médio Ponderado permitiram detetar toda uma comunidade centrada no canal de Kogos, inserindo-se tanto na rede dominada pelo Movimento Brasil Livre (MBL), como na dominada pelo canal "Ideias Radicais", esta com uma densidade de utilizadores cinco vezes superior à da rede dominada pelo Movimento Brasil Livre, atuando como ponte entre as comunidades de ambas as redes. O canal surge com grau ponderado alto na rede dominada pelo "Ideias Radicais", caracterizada pelas relações de grande coerência no quadro do liberalismo e do anarcocapitalismo.[30]

Ficou conhecido pelas declarações políticas polêmicas no seu canal no YouTube, "Ocidente em Fúria", que contava em novembro de 2020 com 126 mil inscritos.[31] Kogos afirma-se cristão, defendendo no seu canal a Igreja e a sociedade contra o que chama de devastação moral. Afirma que Jair Bolsonaro acertou quando apelou contra a cristofobia no seu discurso na 75.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em 22 de setembro, afirmando ser um problema mundial.[11] Defende o separatismo, a volta da Inquisição e das Cruzadas.[20]

Na foto de perfil do Instagram, posa de metralhadora em punho, aparecendo também caracterizado de templário e guerreiro viking, em odes à Idade Média, e fazendo um símbolo de arma com as mãos.[20]

Em abril de 2020, Kogos havia sido expulso da rede social Twitter, que cancelou o seu perfil por julgar impróprio o conteúdo de suas postagens.[16]

Declarações sobre a pandemia de COVID-19[editar | editar código-fonte]

Kogos foi acusado por meios de imprensa de ser um negacionista da COVID-19,[16][32][33][34] tendo classificado a COVID-19 como "um vírus pouco pior do que uma gripezinha", afirmando que a Organização Mundial de Saúde "deveria ser militarmente extinta por comandos armados".[20] Manifestou-se contrariamente ao isolamento social de forma enérgica, tendo com isso vindo a ganhar alguma projeção tanto positiva como negativa.[16][20] Kogos tem igualmente usado o seu canal do YouTube para atacar a vacinação contra a COVID-19.[35]

Em 2020, durante a pandemia de COVID-19, tornou-se uma das figuras mais proeminentes das manifestações contrárias ao isolamento social e a favor de Jair Bolsonaro.[15]

Apesar de João Doria, governador de São Paulo, ser amigo da família, e de no passado Kogos haver participado de vários encontros organizados pelo governador, denominados "Family Workshop" e destinados às empresas familiares, Kogos passou a declarar-se feroz opositor do governador paulista e das medidas de isolamento social por ele decretadas, promovendo uma campanha de oposição.[15][20]

Em 12 de abril, participou de uma manifestação na Avenida Paulista carregando um caixão falso do então governador João Doria. Segundo Kogos, o caixão simbolizava o enterro político de João Doria, do nazismo, do comunismo e daquilo que chamou de "psdbismo".[15]

Em consequência, foi atacado nas redes sociais por considerarem o gesto um desrespeito com as dezenas de milhares de mortes até então causadas pela COVID-19 em todo o mundo. Circulavam então no Twitter uma série de vídeos e fotos de Kogos em situações aleatórias, como no enterro de Hebe Camargo e no lançamento de vinhos de Galvão Bueno.[15] Kogos acabaria por postar um vídeo se desculpando a João Doria.[20][36]

Em junho do mesmo ano, surgiu fantasiado de cavaleiro templário em manifestações da Avenida Paulista contra João Doria, em uma simbologia enquadrada na admiração da extrema-direita pela Idade Média europeia e pelas Cruzadas Templárias.[37]

Em setembro de 2020, Kogos não usou a máscara em um shopping de São Paulo servindo-se do pretexto de estar tomando um sorvete. A mídia referiu-se jocosamente ao ato como a "Revolta do Sorvete".[38]

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

Kogos aparece como personagem no livro infantil de propaganda liberal escrito por Giuliano Miotto, Anya e o Mistério do Sumiço do Cãozinho Galt, publicado em agosto de 2019, no papel de Kogros, o terrível, "um garoto que pensava ser um ogro".[39]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O mínimo sobre Anarcocapitalismo - Editora CEDET - 2023.[40]

Referências

  1. a b «Ocidente em Fúria - com Paulo Kogos - YouTube». www.youtube.com. Consultado em 9 de fevereiro de 2024 
  2. Sampaio, Paulo (5 de novembro de 2020). «'Nunca namorei na vida', diz Paulo Kogos, influencer com 126 mil seguidores». tab.uol.com.br. Consultado em 21 de junho de 2021 
  3. «Família Kogos se une ao travar guerra do botox contra o novo coronavírus - Caderno Cotidiano, Jornal Zero Hora». Jornal Zero Hora (GZH Geral). 23 de abril de 2020. Consultado em 4 de maio de 2023 
  4. «Declaração de Bens do Candidato a Deputado Estadual Paulo Kogos». Divulgacand 2022 - TSE. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  5. «Informe Cadastral - Paulo Hugenneyer Kogos EPP». Informe Cadastral de Empresas. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  6. a b «TSE aprova criação do Partido Renovação Democrática (PRD)» 
  7. «'Bolsonaro acertou, cristofobia atinge todo o mundo', diz Paulo Kogos – Jovem Pan». Jovem Pan. 6 de novembro de 2020. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  8. AFFONSO, Eduardo (28 de maio de 2022). «Brasil é a capital das falácias para enganar os trouxas». O Globo. Consultado em 10 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 
  9. O verdadeiro libertarianismo, consultado em 22 de setembro de 2023 
  10. «Paulo Kogos declara-se publicamente como sedevacantista». Consultado em 31 de dezembro de 2022 
  11. a b c d «'Bolsonaro acertou, cristofobia atinge todo o mundo', diz Paulo Kogos – Jovem Pan». 'Bolsonaro acertou, cristofobia atinge todo o mundo', diz Paulo Kogos – Jovem Pan. 6 de novembro de 2020. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  12. Batista Jr., João (13 de abril de 2020). «"Doria é neonazista", diz Paulo Kogos, que participou de ato com caixão | VEJA Gente». VEJA. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  13. Caetano, Guilherme (8 de maio de 2020). «Deputado bolsonarista de SP tem contrato com empresa de acusado por ataques virtuais». O Globo. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  14. Riggs, Wagner (3 de outubro de 2022). «Paulo Kogos, o candidato Ancap e defensor do Bitcoin, não se elege em SP». Portal do Bitcoin. Consultado em 11 de outubro de 2023 
  15. a b c d e Batista Jr., João (13 de abril de 2020). «"Doria é neonazista", diz Paulo Kogos, que participou de ato com caixão | VEJA Gente». VEJA. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  16. a b c d e f g h i Batista Jr., João (14 de abril de 2020). «Paulo Kogos, do meme do caixão: 'Sou vítima de um massacre de reputação' | VEJA Gente». VEJA. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  17. «Declaração de Bens do Candidato a Deputado Estadual Paulo Kogos». Divulgacand 2022 - TSE. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  18. «Informe Cadastral - Paulo Hugenneyer Kogos EPP». Informe Cadastral de Empresas. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  19. «Ligia Kogos Dermocosméticos - Quem somos». Consultado em 6 de setembro de 2022 
  20. a b c d e f g Trindade, Eliane (21 de abril de 2020). «Guerra do botox contra o coronavírus une a família Kogos». Folha de S. Paulo 
  21. Sampaio, Paulo (5 de novembro de 2020). «'Nunca namorei na vida', diz Paulo Kogos, influencer com 126 mil seguidores». tab.uol.com.br. Consultado em 21 de junho de 2021 
  22. «Revista InsperPost - Ano 1, Número 3, Dezembro de 2015» (PDF). Portal Insper.edu). 5 de dezembro de 2015. Consultado em 4 de maio de 2023 
  23. Lara, Matheus (23 de agosto de 2020). «Para 8 em cada 10, democracia não é conceito absoluto - Política». Estadão. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  24. «Partidos vão investir em influenciadores, ex-BBBs e policiais como 'puxadores de voto'». cbn.globoradio.globo.com. Consultado em 16 de maio de 2022 
  25. «Paulo Kogos, candidato a deputado, propõe pagamento de impostos com bitcoin em São Paulo Por Criptonizando». Investing.com Brasil. Consultado em 31 de agosto de 2022 
  26. «Candidato a deputado estadual, Paulo Kogos propõe pagamento de impostos com Bitcoin». Livecoins. 25 de agosto de 2022. Consultado em 31 de agosto de 2022 
  27. Peguei dinheiro do fundão eleitoral sim e vou pegar mais, em nome da liberdade!, consultado em 28 de setembro de 2022 
  28. Riggs, Walter (3 de outubro de 2022). «Paulo Kogos, o candidato Ancap e defensor do Bitcoin, não se elege em SP». Uol. Consultado em 30 de outubro de 2022 
  29. «Paulo Kogos, o candidato Ancap e defensor do Bitcoin, não se elege em SP». Portal do Bitcoin. Consultado em 13 de outubro de 2022 
  30. Silva, Rodrigo Oliveira (2019). Um mapa da «direita» no YouTube do Brasil através dos métodos digitais. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH) , Universidade Nova 
  31. Sampaio, Paulo (5 de novembro de 2020). «'Nunca namorei na vida', diz Paulo Kogos, influencer com 126 mil seguidores». tab.uol.com.br. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  32. «Youtuber Paulo Kogos levanta cartaz 'Vacina mata, cloroquina salva' em frente a posto de imunização em bairro de elite de SP». Folha de S.Paulo. 18 de março de 2021. Consultado em 10 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2022 
  33. BITTENCOURT, Julinho (2 de abril de 2022). «Paulo Kogos faz manifestação solitária e sem máscara pela cloroquina em frente a posto de vacinação». Revista Fórum. Consultado em 10 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 
  34. AFFONSO, Eduardo (28 de maio de 2022). «Brasil é a capital das falácias para enganar os trouxas». O Globo. Consultado em 10 de agosto de 2022. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2022 
  35. Caetano, Guilherme (21 de agosto de 2020). «Vacina chinesa testada em SP é atacada nas redes sociais por bolsonaristas». Época. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  36. «Boletim Matutino da VICE 15/04/20». Vice. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  37. Kneipp, João Conrado (2 de junho de 2020). «Entenda a simbologia presente nos protestos bolsonaristas». br.noticias.yahoo.com. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  38. Lacsko, Madeleine (5 de janeiro de 2021). «A Revolta do Sorvete: o parque de areia antialérgica mostra suas garras». Gazeta do Povo. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  39. Cordeiro, Tiago (16 de agosto de 2019). «Mises e Scruton: livros infantis fazem iniciação ao pensamento liberal». Gazeta do Povo. Consultado em 25 de fevereiro de 2021 
  40. Batista Jr., João (24 de fevereiro de 2023). «Paulo Kogos lança seu primeiro livro | Coluna Amaury Jr.». UOL. Consultado em 18 de outubro de 2023