Paulo Markun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Paulo Markun
Paulo Markun em 2011
Nome completo Paulo Sérgio Markun
Nascimento 07 de setembro de 1952 (65 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Ocupação jornalista

Paulo Sérgio Markun (São Paulo, 07 de setembro de 1952) é um jornalista brasileiro. [1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formado em 1971, também foi repórter, editor, comentarista, chefe de reportagem e diretor de redação em emissoras de televisão, jornais e revistas.

Paulo Markun passou praticamente por todas as emissoras de televisão paulistanas, da TV Cultura à Rede Bandeirantes[carece de fontes?]. Também trabalhou na Rede Manchete, na Rede Globo e na Rede Record.

Atualmente, é editor do Jornal de Debates (recriou na internet a versão do jornal de 1946) e preside o Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de Santa Catarina. Presidiu a Fundação Padre Anchieta, entidade mantenedora da TV Cultura, desde junho de 2007 até junho de 2010.

Apresentava o programa Roda Viva, da TV Cultura (segundas-feiras, dez e quarenta da noite) desde 1998, mas foi substituído pelos jornalistas Carlos Eduardo Lins da Silva e Lillian Witte Fibe (ex-Jornal Nacional) a partir de 2008.

Em junho de 2010 foi contratado pela TV Gazeta e participou da cobertura das eleições 2010.

É autor de oito documentários e doze livros.

Foi casado com a jornalista Dilea Frate, com quem teve uma filha, a atriz Anna Markun. Posteriormente, Markun se casou com a bailarina, cantora e compositora Tatiana Cobbett. O casal tem dois filhos - Pedro e João.

Em 2011 lançou o site Brado Retumbante, parte do projeto de mesmo nome retomado no ano anterior, cuja proposta é ampliar o conhecimento do grande público sobre os fatos e acontecimentos, sobretudo a Campanha das Diretas, que levaram ao fim da ditadura militar no Brasil. Com apoio do Instituto de Cultura Democrática e da Uninove, além do site o trabalho agora envolverá outras mídias, incluindo um documentário, um CD e um livro a ser publicado em 2012. Em 2016, volta a TV agora pela TV Brasil no comando do semanal Palavras Cruzadas [2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Documentários[editar | editar código-fonte]

  • 1982 - O dia da caça
  • 1988 - 1968, 20 anos depois
  • 1999 - Anita Garibaldi, amores e guerras
  • 2000 - Timor Lorosae, o nascimento de uma nação
  • 2001 - AI-5 - O dia que não existiu
  • 2003 - 7 faces de uma guerra - O Brasil contra a Aids
  • 2006 - Dor
  • 2006 - Joá

Livros[editar | editar código-fonte]

  • 1978 - D. Paulo Evaristo Arns, o cardeal do povo
  • 1981 - A máfia manda flores - Mariel, o fim de um mito
  • 1985 - Vlado - retrato de um homem e de uma época
  • 1987 - Como perder as eleições
  • 1999 - Anita Garibaldi, uma heroína brasileira
  • 2001 - 1961 - que as armas não falem
  • 2001 - Muito além de um sonho - a história da Unisul
  • 2004 - O Sapo e o Príncipe
  • 2005 - Meu Querido Vlado
  • 2006 - O Melhor do Roda Viva - Cultura
  • 2006 - O Melhor do Roda Viva - Internacional
  • 2006 - O Melhor do Roda Viva - Poder

Referências

  1. Revanche: velho e novo na comunicação.
  2. Cristina Padglione (3 de março de 2016). «TV Brasil terá seu Roda Viva com mediação de Paulo Markun». Estadão. Consultado em 3 de março de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]