Paulo Odone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.


Paulo Odone
Vereador de Porto Alegre
Período 1 de janeiro de 2005 até 31 de março de 2006
Deputado estadual do Rio Grande do Sul
Período 1992
até 1994 (1º mandato)
1 de fevereiro de 1995
até 31 de janeiro de 1999 (2º mandato)
1 de fevereiro de 1999 até 31 de janeiro de 2003 (3º mandato)
1 de fevereiro de 2007 até 25 de junho de 2009 (4º mandato)
1 de fevereiro de 2011 até 31 de janeiro de 2014 (5º mandato)
Secretário Extraordinário da Copa do Mundo de 2014 no Rio Grande do Sul
Período 26 de junho de 2009[1]
até 29 de abril de 2010
Sucessor(a) Ricardo Seibel de Freitas Lima[2]
Presidente do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense
Período 1 de janeiro de 1987
até 1 de janeiro de 1991 (1º mandato/2º mandato)
1 de janeiro de 2005
até 1 de janeiro de 2009 (3º mandato/4º mandato)
1 de janeiro de 2011 até 1 de janeiro de 2013 (5º mandato)
Dados pessoais
Nome completo Paulo Odone Chaves de Araújo Ribeiro
Nascimento 12 de maio de 1942 (76 anos)
Partido PPS
Profissão empresário

Paulo Odone Chaves de Araujo Ribeiro, ou simplesmente Paulo Odone (Porto Alegre, 12 de maio de 1942) é um advogado e político brasileiro, presidente do PPS gaúcho.[3] Deputado estadual em cinco mandatos,[4] foi também presidente do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense[5] cinco vezes. Atualmente, é diretor administrativo do Badesul.[6]

Formado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, montou uma banca de advocacia com dois amigos que depois ocupariam cargos nos mais altos tribunais do país: Luiz Carlos Madeira, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral, e Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal. Foi professor universitário, atuou no departamento jurídico e no gabinete da presidência do Banco Meridional e foi consultor da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs).

Em 1992, assumiu pela primeira vez um mandato na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Foi reeleito em 1994 e em 1998. Em 1999, foi presidente da Assembleia, período em que criou o Fórum Democrático, instrumento pelo qual os gaúchos podiam votar nas prioridades que queriam incluir no orçamento do Estado. Em 2004, se elegeu vereador em Porto Alegre. Voltou à Assembleia em 2006, obtendo uma nova reeleição  em 2010.  De 2009 a 2010, foi secretário extraordinário da Copa do Mundo 2014, cargo no qual trabalhou para  trazer benefícios econômicos e sociais aos gaúchos com a competição.

Casado, com dois filhos e dois netos, sua trajetória política e profissional se confunde com a paixão pelo Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, clube do qual se tornou sócio ainda na juventude e do qual já foi presidente por cinco vezes (nos biênios 1987/1988, 1989/1990, 2005/2006, 2007/2008 e 2011/2012). De 1987 a 1990, conquistou os quatro campeonatos gaúchos que disputou e também a Copa do Brasil de Futebol de 1989; e de 2005 a 2008, sendo um dos responsáveis pelo retorno do clube à primeira divisão do futebol nacional no jogo conhecido como Batalha dos Aflitos, um episódio épico do esporte mundial. Também recolocou o clube no rumo das vitórias, conquistando nesse período o Campeonato Brasileiro Série B de 2005, o Campeonato Gaúcho de 2006 e 2007 e sendo vice-campeão do Campeonato Brasileiro de 2008 e da Libertadores da América de 2007.

Uma de suas maiores realizações à frente do Grêmio, contudo, foi a construção da Arena. Um dos mais modernos templos do futebol mundial, a Arena foi erguida em parceria com a construtora OAS na zona norte de Porto Alegre, revitalizando uma região degradada da capital gaúcha.

Em 8 de outubro de 2010 foi eleito presidente do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense para o biênio 2011/2012. Em 2012 perdeu as eleições presidenciais gremistas para Fábio Koff.[7]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]