Paulo de Souza Lobo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Galego
Informações pessoais
Nome completo Paulo de Souza Lobo
Data de nasc. 23 de fevereiro de 1926
Local de nasc. Piratini (RS),  Brasil
Falecido em 9 de outubro de 1996 (70 anos)
Local da morte Pelotas (RS),  Brasil
Informações profissionais
Posição Meio-campo
Treinador
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
19421950
1951
1952
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Cruzeiro-RS (emp.)
Brasil Brasil de Pelotas
Times/Equipas que treinou
19531955
19561962
19631966
1966
1967
19681970
19711977
1978
19791981
19821983
19831985
1986
1987
19881989
19901992
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Pelotas
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Farroupilha
Brasil Rio-Grandense
Brasil Pelotas
Brasil Bagé
Brasil Pelotas
Brasil Bagé
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil Pelotas
Brasil Brasil de Pelotas
Brasil São Paulo-RS
Brasil Pelotas
Brasil Brasil de Pelotas

Paulo de Souza Lobo,[1] mais conhecido como Galego (Piratini, 23 de fevereiro de 1926Pelotas, 9 de outubro de 1996), foi um treinador e futebolista brasileiro que atuava como meio-campo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Galego viveu em sua terra natal até os seis anos de idade. Mudou-se para Pelotas com seu irmão João Alfredo, após ficarem órfãos. Casou-se com Dona Geni Rodrigues Lobo, com quem teve três filhos.

Em 1944, Galego iniciou a carreira de jogador, atuando no Brasil de Pelotas. Na década de 1950, foi emprestado ao Cruzeiro de Porto Alegre, onde sofreu uma lesão no joelho e acabou retornando à Pelotas, para abandonar precocemente a carreira de jogador, aos 26 anos. Galego passou então a treinar as categorias de base do Brasil, conquistando cinco campeonatos consecutivos. Alcançou o comando do time principal em abril de 1953.[2]

Em 1971, oriundo do Pelotas, Galego foi contratado pelo presidente do Grêmio Esportivo Bagé, Jorge Kalil, para ser o técnico da equipe. Logo se tornaria numa das principais personalidades da história do clube. Galego é o treinador que mais vezes comandou o Bagé: 405 jogos. No ano de 1977, obtém a cidadania bageense, através de um decreto aprovado pela Câmara Municipal de Vereadores de Bagé, proposta do Vereador Iolando Maurente. Em 1988, foi a vez da cidade de Pelotas conceder-lhe a cidadania.

Além de Bagé e Brasil de Pelotas, Galego foi também treinador do Pelotas, Farroupilha, São Paulo e Rio-Grandense, todos da região Sul do Rio Grande do Sul. A proximidade da família sempre foi o motivo alegado para recusar propostas de clubes de outras regiões.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Colecionador Xavante - Galego