Pedra Arken

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Pedra Arken (ou o "O Coração da Montanha") de Thrain era uma maravilhosa gema branca procurada incansavelmente por Thorin II Escudo-de-Carvalho em "O Hobbit" de J. R. R. Tolkien. Foi descoberta abaixo de Erebor pelo antepassado de Thorin, de nome Thráin, ganhando sua forma pelas mãos dos anões. A Pedra Arken se tornou o símbolo dos Povos de Durin, mas foi perdida durante a invasão de Smaug à montanha dos anões. A Pedra Arken tem brilho próprio, mas com um bom trabalho dos anões multiplicou tal brilho de tal forma que se transformou em um dos maiores tesouros da Terra Média. A descrição da Pedra Arken é, se não for igual, muito parecida com a descrição de uma das Silmarils.

História[editar | editar código-fonte]

Quando Bilbo Bolseiro encontrou Smaug deitado em sua esplendorosa cama de ouro juntamente com a pedra (no ano 2941 da Terceira Era), ele a colocou no bolso, lembrando-se bem de quanto Thorin amava tal gema. Enquanto os outros anões remexiam e xeretavam o tesouro, Thorin procurava curioso pela sua estimada gema, sem nem desconfiar de que ela estava com Bilbo.[1] Quando os anões se recusaram a compartilhar o seu tesouro com Bard, o arqueiro que havia matado Smaug, e seu povo, Bilbo rastejou para fora do forte na montanha e entregou a Pedra Arken aos adversários que agora tentavam negociar para trocar a pedra pela décima quarta parte do tesouro. Após pouco tempo a Batalha dos Cinco Exércitos foi travada e Thorin foi morto. A Pedra Arken e a espada Orcrist foram colocadas juntamente com o anão enterrado no fundo da montanha.

Referências

  1. Tolkien 2009, p. 259

Bibliografia[editar | editar código-fonte]