Pedra de Guaratiba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pedra de Guaratiba
Pedra de Guaratiba
Bairro do Rio de Janeiro Bandeira do Município do Rio de Janeiro.png
Área: 363,69 ha (em 2003)
Fundação: 23 de julho de 1981
IDH: 0,744[1] (em 2000)
Habitantes: 9 488 (em 2010)[2]
Domicílios: 4 773 (em 2010)
Limites: Guaratiba[3]
Subprefeitura: Zona Oeste[4]
Região Administrativa: XXVI R.A.(Guaratiba)

Pedra de Guaratiba é um bairro de classe média da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro[5] , no Brasil.

Seu IDH, no ano 2000, era de 0,744, o 118º colocado entre 126 regiões analisadas na cidade do Rio de Janeiro.[6]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

"Guaratiba" é um termo oriundo da língua tupi que significa "ajuntamento de guarás", através da junção dos termos agwa'rá ("guará")[7] e tyba ("ajuntamento")[8] .

História[editar | editar código-fonte]

A denominação "Pedra de Guaratiba" teve sua origem na partilha das terras da região de Barra de Guaratiba pelos herdeiros do seu primeiro donatário, o português Luiz Felipe prado.

Com a morte de Manoel Velloso Espinha, seus dois filhos Jerônimo Velloso Cubas e Manoel Espinha Filho herdaram a Freguesia de Guaratiba. Através de mútuo consentimento, resolveram dividir entre eles as terras herdadas do pai, ficando Jerônimo com a parte norte e Manoel com a parte Leste, tendo o Rio Piraquê como marco divisório.

Jerônimo Velloso Cubas, não tendo herdeiros, pela lei foi forçado a doar sua parte à Província Carmelitana Fluminense, uma congregação religiosa de frades da Ordem do Carmo. A congregação carmelitana de posse religiosa das terras, fez construir diversas benfeitorias entre as quais, igreja, noviciato e um engenho.

No engenho, havia uma grande produção de açúcar, rapadura e um vasto canavial, proporcionando, dessa forma, um rápido desenvolvimento à região, em cuja área surgiu a Fazenda da Pedra, região hoje denominada Pedra de Guaratiba.

Num passado recente, Pedra de Guaratiba se destacou por ser grande produtora de pescado, sendo visitada por pessoas atraídas por seus restaurantes especializados em frutos do mar. Hoje, a atividade pesqueira declinou devido à grande poluição que vitimiza a baía. Se destacam no bairro a Igreja Nossa Senhora do Desterro, de 1626, sendo a quarta igreja mais antiga da cidade, construída à beira-mar e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e a a Fundação Xuxa Meneghel.

Características[editar | editar código-fonte]

Pertence à região administrativa de Guaratiba. Tem uma população de 9 488 habitantes, distribuídos numa área territorial de 363,69 hectares,[9] segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Censo Demográfico 2010. O bairro faz limite com o bairro de Guaratiba. É uma zona residencial, litorânea e banhada pela Baía de Sepetiba, baía esta na qual ocorre intensa atividade pesqueira.

Possui a Área de Proteção Ambiental das Brisas (Mata do Casqueiro), onde podem ser encontrados elementos da fauna e flora característicos de manguezais, restinga e mata atlântica. O bairro registrou grande crescimento populacional nos últimos anos, principalmente após a reforma da Praia da Brisa, que revitalizou a orla e criou um novo ambiente para eventos. Atualmente, diversos shows fazem parte do calendário no bairro, incluindo festejos de ano-novo, com queima de fogos organizada pelos comerciantes locais e pela prefeitura. No local, encontram-se, ainda, alguns dos restaurantes mais afamados da cidade, como o Cândido's e o Amendoeira, famosos pelos seus pratos de frutos do mar.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]