Pedro Braconnot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pedro Braconnot
Informação geral
Nome completo Pedro Braconnot Machado
Nascimento 22 de dezembro de 1961 (56 anos)
Origem Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
País  Brasil
Gênero(s) Rock cristão, art rock, pop rock, rock progressivo, rock experimental, canto congregacional, folk rock, hard rock
Instrumento(s) Teclado, piano, violão, guitarra
Período em atividade 1980-atualmente
Afiliação(ões) Rebanhão
Influenciado(s) Emerson Pinheiro, Carlinhos Felix

Pedro Braconnot Machado, ou simplesmente Pedro Braconnot (Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 1961) é um cantor, compositor, produtor musical, multi-instrumentista, arranjador, empresário, engenheiro civil, pastor evangélico e professor brasileiro, vocalista e tecladista da banda de rock Rebanhão, na qual foi o único integrante que participou de todos os álbuns do grupo.

Como produtor musical, Pedro foi um dos principais na música cristã nacional, sobretudo nos anos 90, tendo trabalhado com Denise Cerqueira, Marina de Oliveira, Sérgio Lopes, Cristina Mel, Banda e Voz, dentre outros. Juntamente com Pablo Chies manteve um estúdio no Rio de Janeiro ao qual gravou e produziu diversos lançamentos nacionais. O músico Emerson Pinheiro e o cantor Carlinhos Felix são uns de seus influenciados.

Sua composição de maior sucesso é "Palácios", gravada pelo Rebanhão em 1989 e regravada por vários artistas, como Fernanda Brum, Paulinho Makuko, Carlinhos Felix e Promisses. Em 2004 viajou para os Estados Unidos, onde permaneceu por quatro anos. Em sua volta, tornou-se pastor evangélico e professor numa escola de idiomas em Caratinga, a qual também é dono.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em um lar católico, tinha aversão à religião. Pouco frequentava a igreja, e viveu a adolescência toda no Rio de Janeiro e, segundo o próprio usando drogas e bebidas. Mais tarde, Braconnot conheceu Janires, e sua aparência simples chamou a atenção de Pedro. Mais tarde, o músico decidiu participar de um retiro realizado pela Igreja Presbiteriana de Copacabana em Juiz de Fora.[1]

Janires convidou Braconnot a, juntamente com ele formar uma banda de rock chamada Rebanhão. Mesmo não completamente envolvido na igreja e de todo o processo ocorrido ali, decidiu aceitar. O músico ainda cita que, nesta época, passou por altos e baixos em relação ao uso de drogas e bebidas.[1]

É formado em engenharia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1981 era gravado o primeiro álbum do Rebanhão, e assim como os posteriores, Pedro Braconnot ficou a cargo dos teclados, pianos e sintetizadores. Existem composições do músico em quase todos os álbuns da banda, exceto em Janires e Amigos, ao qual é considerado por alguns como um álbum solo de Janires Magalhães Manso, embora seja creditado como parte da discografia do Rebanhão. Em Mais Doce que o Mel, a primeira gravação que participou, foi registrada a sua primeira composição, "Refúgio".[2][1]

Entretanto, o cantor tornou-se vocalista do conjunto a partir do álbum Semeador, o primeiro projeto do Rebanhão pós-Janires. Divindo os vocais com Carlinhos Felix e Paulo Marotta, interpretou "A Flor do Campo", de sua autoria. Conforme os anos, sua participação nas composições e vocais da banda aumentou. É autor de "Razão", uma das canções de maior destaque do grupo lançada no álbum Novo Dia.[2][1]

O ápice da participação de Pedro na formação clássica foi no álbum Princípio, ao qual foi autor da maioria das músicas, tendo duas da obra alcançado alto destaque ("Fronteiras" e "Palácios"). Após Pé na Estrada, em que assinou canções como "Elo Perdido" e "Ovelha Ferida", passou a ser líder absoluto do grupo com a saída de Felix e Marotta.[3]

Com Pablo Chies, Rogério dy Castro e Wagner Carvalho, entre outros gravou mais dois álbuns do Rebanhão, Enquanto É Dia e Por Cima dos Montes, com praticamente todas as músicas escritas por Braconnot. Encerrou o Rebanhão em 2000 após lançar Vamos Viver o Amor para cuidar de sua vida pessoal e voltar-se à produções musicais.[3]

Paralelamente a isso, Pedro tornou-se produtor musical no início da década de 90. Foi responsável pelos arranjos e direção do álbum Tá Decidido de Cristina Mel, formando a partir daí uma longa parceria com a cantora.[4] Braconnot ainda produziu outros álbuns de Cristina,[5] como Recomeçar,[6] e compôs canções para a mesma, como "Ame Mesmo Assim".[7]

Em 1992, conheceu Denise Cerqueira, cantora que Pedro Braconnot contribuiu na produção e seleção de repertório de vários discos. Renova-me, Eterno Amor, Minha Adoração e Meu Clamor são resultados desta parceria. Sérgio Lopes também foi um dos cantores ao qual produziu. Juntamente com Pablo Chies gravou e produziu discos de vários artistas, em um estúdio particular no Rio de Janeiro.[1]

Braconnot também participou do álbum Amo Você 2, duetando com a esposa, num projeto de músicas românticas lançadas pela gravadora MK Music.[8]

Em 2004, o cantor viajou para os EUA, onde permaneceu até em 2008. No país, teve forte contato com a língua local. De volta ao Brasil,[1] mais tarde mudou-se para Caratinga, onde fundou uma escola de língua estrangeira. Atualmente, Pedro Braconnot é pastor numa igreja na mesma cidade, no estado de Minas Gerais.[9] Concilia também a carreira musical, como cantor solo. Em 2013 lançou o single "Não Só com Palavras".[10]

Pedro Braconnot foi, juntamente com o Rebanhão, um dos responsáveis pela atualização da música protestante brasileira. Segundo suas próprias palavras, numa entrevista à professora Márcia Leitão, "a música do Rebanhão era mais uma visão horizontal, de evangelismo. E é um movimento que tá crescendo hoje porque houve, agora nos anos 90, crescimento muito grande também da música de adoração também com uma linguagem mais coloquial" (apud p. 75).

Equipamentos[editar | editar código-fonte]

Yamaha CP-70.

No álbum Luz do Mundo, o segundo do Rebanhão, Pedro utilizou um piano de cauda elétrico Yamaha CP70 juntamente com um sintetizador Prophet-5,[11] amplamente utilizado por músicos e bandas do mundo inteiro, como Richard Wright (Pink Floyd).

Nos shows do Rebanhão no fim da década de 80, juntamente com o início dos anos 90, Braconnot usava no palco, além de um piano de cauda elétrico para a execução de músicas como "Primeiro Amor" e "Metrô" um teclado Roland U-20.

Vida pessoal e família[editar | editar código-fonte]

Pedro Braconnot é casado com Anya Braconnot, e juntos tiveram cinco filhos.[1]

Discografia[editar | editar código-fonte]

No Rebanhão
Ver artigo principal: Rebanhão
Carreira solo
  • 2013: "Não só com Palavras" (single)
Como produtor musical
Como instrumentista ou técnico[16]

Referências

  1. a b c d e f g h «Entrevista com Pedro Braconnot». Revista Marca Cristã. Consultado em 29 de novembro de 2013. 
  2. a b «Obra». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 29 de novembro de 2013. 
  3. a b «História». Rebanhão. Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  4. «Cristina Mel». Virtual Gospel. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  5. «Entrevista com Cristina Mel: "estamos plantando uma semente no coração das crianças"». Universo Musical. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  6. a b «CD Recomeçar (Cristina Mel) - Análise». Super Gospel. Consultado em 16 de fevereiro de 2013. 
  7. «Ame Mesmo Assim - Cristina Mel». All Music. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  8. «Amo Você - vol.2 - CD». MK Shopping. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  9. «Estudos». IHOP Caratinga. Consultado em 16 de fevereiro de 2013. 
  10. «Não só com Palvras». iTunes. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  11. (1983) Créditos do álbum Luz do Mundo por Rebanhão. Arca Musical Evangélica.
  12. «Discografia Denise Cerqueria». Site ofical de Denise Cerqueira. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  13. «Tempo de ser Criança». Universo Musical. Consultado em 8 de dezembro de 2013. 
  14. «Ficha Técnica - Mara Maravilha para Os Pequeninos Volume 3». Universo Musical. Consultado em 11 de abril de 2013. 
  15. «Biografia de Nathan Soub». Virtual Gospel. Consultado em 6 de abril de 2013. 
  16. Luz, Érica de Campos Visentini da (2008). A produção musical evangélica no Brasil (PDF). (Tese, Doutorado em História). São Paulo: USP - Biblioteca Digital 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GADELHA. “Talento e determinação”, revista Show Gospel, ano 03, nº11.
  • PINHEIRO, Márcia Leitão. Na 'pista' da fé: música, festa e outros encontros culturais entre os evangélicos do Rio de Janeiro. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: IFCS-UFRJ, 2006.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]