Pedro Castillo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pedro Castillo
Pedro Castillo
Dados pessoais
Nome completo José Pedro Castillo Terrones
Nascimento 19 de outubro de 1969 (51 anos)
Tacabamba, Peru
Nacionalidade peruana
Alma mater Universidade César Vallejo
Cônjuge Lilia Ulcida Paredes Navarro
Filhos 2
Partido Perú Posible (2005-2017)
Peru Livre (2020-presente)
Religião Catolicismo
Profissão Professor
Assinatura Assinatura de Pedro Castillo

José Pedro Castillo Terrones (Tacabamba, 19 de outubro de 1969) é um professor, líder sindical e político peruano. Alcançando destaque como figura principal na greve de professores de 2017 no Peru, ele acabou concorrendo à presidência do Peru nas eleições gerais de 2021 com o Peru Livre.[1]

Infância e educação

Castillo nasceu na cidade de Puña, Tacabamba, Província de Chota, Departamento de Cajamarca . Durante sua juventude, ele trabalhou como patrulheiro.[2]

Concluiu o ensino fundamental e médio no Instituto Superior Pedagógico Octavio Matta Contreras de Cutervo. Desde 1995 é professor primário em sua cidade de Puña e é bacharel em educação pela Universidade César Vallejo, onde também obteve o título de mestre em psicologia educacional.

Em 2 de setembro de 2017, Castillo anunciou a suspensão da greve, mas esclareceu que seria apenas uma suspensão temporária.[3][4]

Carreira política

Em 2002, Castillo concorreu sem sucesso a prefeito de Anguía com o Possível Peru .[5] Ele atuou como um membro dirigente do partido em Cajamarca de 2005 até a dissolução do partido em 2017.[6]

Eleição presidencial de 2021

Em outubro de 2020, ele anunciou sua candidatura presidencial nas eleições gerais de 2021 com o Peru Livre . Foi formalmente nomeado para a presidência em 2021 em 6 de dezembro de 2020, confirmando sua chapa, que inclui a advogada Dina Boluarte e o ex- governador de Junín, Vladimir Cerrón, embora este último tenha sido desqualificado pelo Júri Nacional de Eleições por cumprir pena de prisão por corrupção desde 2019.

Durante a campanha, Castillo declarou que desativaria a Corte Constitucional do Peru porque, em suas palavras, “hoje ela serve para defender a corrupção em escala macro”. Castillo também afirmou que "se opõe a pagar qualquer dívida externa" aos credores internacionais, uma postura semelhante à do ex-presidente Alan Garcia em 1989, que levou à década Perdida. Ele também se manifestou contra a igualdade no casamento, a ideologia de gênero na educação e prometeu que seu governo não legalizaria o aborto .[7]

Posições políticas

Analistas compararam Castillo a Evo Morales, ex-presidente da Bolívia. Castillo é um socialista e populista, defensor de grandes aumentos nos orçamentos de educação e saúde. Ele também propõe a eleição de uma Assembleia Constituinte para substituir a constituição herdada do regime de Alberto Fujimori.[8][9]

Embora mantenha valores de esquerda sobre os gastos do governo, política social e externa, ele tende a ser conservador em questões culturais, expressando oposição à legalização do aborto, casamento entre pessoas do mesmo sexo, eutanásia e o ensino sobre a igualdade de gênero.[10][11]

Controvérsias

Durante sua participação na greve de professores de 2017, o ministro do Interior, Carlos Basombrío Iglesias, destacou que Castillo integraria o Movadef (Movimento pela Anistia e Direitos Fundamentais), acusado de ser um braço civil do Sendero Luminoso, o que foi negado por Castillo. O jornal Peru.21 e agentes da Direcção Contra o Terrorismo (DIRCOTE) reafirmaram sua relação com o referido movimento, mas especialistas contestam.[12] Acusar adversários de terrorismo é tão frequente no Peru que existe a gíria para isso - é o "terruqueo".[13][14][15][16][17]

Referências

  1. «Surpresa na liderança do 1º turno no Peru, esquerdista Pedro Castillo responde a anseios do interior do país». G1. Consultado em 13 de abril de 2021 
  2. PERÚ, Empresa Peruana de Servicios Editoriales S. A. EDITORA. «Elecciones 2021: Conoce el perfil de Pedro Castillo, candidato del partido Perú Libre». andina.pe (em espanhol). Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  3. La República, Redacción (3 de julho de 2018). «Pedro Castillo anuncia el fin de la huelga de profesores». larepublica.pe (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  4. El Comercio, Redacción (2 de setembro de 2017). «Huelga de docentes fue suspendida temporalmente | POLITICA». elcomercio.pe (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  5. Herrada, Diego Pajares (23 de dezembro de 2020). «Elecciones 2021: Pedro Castillo, el dirigente magisterial que busca hacerse un lugar desde la izquierda [Perfil] El Poder en tus Manos». rpp.pe (em espanhol). Consultado em 3 de fevereiro de 2021 
  6. «Elecciones 2021: Conoce a Pedro Castillo, candidato a la presidencia por Perú Libre». canaln.pe (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  7. Palacios, Oswaldo (6 de abril de 2021). «Pedro Castillo: "Vamos a desactivar el Tribunal Constitucional en el acto", porque sirve para defender la gran corrupción». RPP (em espanhol). Consultado em 9 de abril de 2021 
  8. https://elpais.com/internacional/2021-04-12/el-maestro-de-izquierda-radical-pedro-castillo-se-acerca-a-la-segunda-vuelta-segun-los-primeros-sondeos.html
  9. https://www.pagina12.com.ar/335130-quien-es-pedro-castillo-la-gran-sorpresa-de-la-eleccion-en-p
  10. Santaeulalia, Inés (12 de abril de 2021). «El maestro de izquierda radical Pedro Castillo se acerca a la segunda vuelta en Perú, según los primeros sondeos». El País (em Spanish). Consultado em 12 de abril de 2021 
  11. «Pedro Castillo está en contra del enfoque de género en el currículo escolar». Gestion (em Spanish). 7 de abril de 2021. Consultado em 12 de abril de 2021 
  12. Fernando Fuentes (25 de maio de 2021). «Orazio Potestá, experto peruano en narcoterrorismo: "Se ha querido vincular a Pedro Castillo con la línea tradicional de Sendero Luminoso y eso es errado"». La Tercera. Consultado em 8 de junho de 2021 
  13. «Qué es el "terruqueo" en Perú y cómo influye en la disputa presidencial entre Fujimori y Castillo». BBC News Mundo (em espanhol). Consultado em 8 de junho de 2021 
  14. «Pedro Castillo: Si hay profesores del Movadef es responsabilidad del Minedu». canaln.pe (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  15. «Pedro Castillo: Si hay profesores del Movadef es competencia del Minedu». América Noticias (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  16. Perú21, Noticias (29 de junho de 2018). «Este documento confirma nexo de Pedro Castillo con el Movadef | POLITICA». Peru21 (em espanhol). Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
  17. «Documento revelaría nexos entre Pedro Castillo y Movadef». panamericana.pe. Consultado em 11 de fevereiro de 2021