Pedro Chagas Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2012). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Pedro Chagas Freitas
Pedro Chagas Freitas
Nascimento
Guimarães,  Portugal
Prémios Prémio Bolsa Jovens Criadores (2006)
Género literário Romance, conto

Pedro Chagas Freitas (Azurém, Guimarães, Portugal, 25 de setembro de 1979) é um escritor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou Linguística na Universidade Nova de Lisboa, entre 1998 e 2002. Começou por ser, em 1997, chefe de redação da revista vimaranense “Estádio D. Afonso Henriques”. Em 2001 começou a escrever para o jornal “A Bola” e em 2003 também para o jornal “Desportivo de Guimarães”. Publicou crónicas de ficção e reflexão no jornal “Povo de Guimarães” entre 2003 e 2007. Entre 2005 e 2007, foi chefe de redação e editor do jornal “Global Minho & Porto”. Entre 2003 e 2008 foi também redator do jornal “Inside ”, nas secções de cultura e desporto.

Durante o ano de 2004, foi contratado pelo grupo editorial “Impala”, onde esteve como redator de livros genéricos. Em 2005, iniciou o seu percurso no mundo da escrita publicitária, assumindo o cargo de redator criativo na agência de publicidade “Motive”. Publicou, nesse mesmo ano, a sua primeira obra literária, “Mata-me”.[1] Seguiu-se, em 2006, a publicação de “O Evangelho da Alucinação ”.[2]

Ainda em 2006, venceu o Prémio Bolsa Jovens Criadores, que lhe foi atribuído pelo Centro Nacional de Cultura e pelo Instituto Português da Juventude.[3] Entre 2006 e 2008, escreveu micro-ficções para a revista "Minguante"[4] e crónicas de humor para a revista "Rede 2020".[5] Entre 2007 e 2009, publicou trabalhos de reportagem, entrevista e crónicas de ficção, humor e reflexão na revista "Plenitude". Em 2007, publicou “Já alguma Vez Usaste o Sexo sem Necessitares de Usar o Corpo”[6]. Nesse mesmo ano, publicou ainda "A Guerra da Secessão: 1981 - 1985"[7] , uma obra de cariz histórico sobre a Guerra Civil Americana. Em 2008, escreveu o tema “Um Bolero e uma Noite de Verão”, para o músico austríaco Michael Kotzian. Ainda em 2008, lançou “Os Dias na Noite”[8].

Escreveu, entre 2006 e 2009, biografias e livros genéricos para a editora “Mediapromo ”. Publica, desde 2006, crónicas de reflexão e opinião no jornal “Notícias de Guimarães ”. Regressou, entre 2008 e meados de 2010, ao mundo da publicidade, como redator criativo na agência de publicidade IA&RB, onde concebeu anúncios de imprensa e onde se estreou como argumentista, escrevendo guiões de anúncios de televisão e vídeos institucionais. Foi, em 2008, um dos autores convidados a participar na antologia de homenagem a António Ramos Rosa "Um Poema Para Ramos Rosa".[9] Criou, em 2009, o Campeonato Nacional de Escrita Criativa.

Desde 2001 que é coordenador de sessões de escrita criativa um pouco por todo o país. Ainda neste domínio de trabalho, tem vindo a coordenar e a levar ao terreno seminários e workshops sobre metodologias criativas para professores e formadores[10].

Assina, desde 2010, crónicas para o jornal desportivo "Academia de Talentos"[11]. Nesse mesmo ano, iniciou-se em rádio, sendo o apresentador de "Ensaios sobre a Imbecilidade"[12], um programa de entrevista humorística da Rádio Fundação.

Ainda em 2010, publicou 10 obras da sua autoria em simultâneo[13]: “A Pele do Medo”, “As Incongruências da Sorte”, “Porque Ris Sabendo que Vais Morrer”, “Gotas de Dor“, “Espasmos de Pânico”, “Espasmos d'Alma”, “Só os Feios é Que São Fiéis”, “Chãos Pisados”, “Separação de Males” e “Envelhenescer”.

Em 2011, começou o ano com mais uma iniciativa: "Livro (em) Directo"[14], que escreveu, em direto e sem parar, durante 24 horas no âmbito da Porto Book Stock Fair, no Porto. Para a criação da obra contribuíram nomes bem conhecidos de várias áreas, como o médico Fernando Póvoas, a cantora e compositora Mafalda Arnauth e a jornalista Alberta Marques Fernandes. Em Maio do mesmo ano, lançou o projeto "Uma Obra, Mil Autores"[15], através do qual pretende criar o romance com mais autores da História da Literatura. No final do ano, publicou "Os Fragmentos de Chagas""[16].

Em 2012, estreou-se como apresentador de televisão, sendo o autor e o apresentador da rubrica de literatura do programa MVMagazine, no canal MVM. Em paralelo, criou e apresentou o programa de Rádio "Só Te Quero Pelo Teu Corpo", da Rádio Fundação.

Ainda em 2012, concebeu e colocou no terreno o primeiro curso de escrita criativa realizado 100% através do Facebook [17]. A 12 de Abril do mesmo ano, lançou "Eu Sou Deus"[18], a sua 17ª obra (um livro de crónica e auto-desenvolvimento), no BBC - Belém Bar Café.

Foi, a 19 de abril de 2012, um dos oradores [19] da ICSC European Conference. Pouco mais de uma semana depois foi também um dos oradores [20] da Conferência "A Criatividade e o Ensino", que decorreu na Exponor, no Porto.

Lançou, em Novembro de 2012, "Ou é Tudo ou Não Vale Nada""[21], uma obra escrita em direto e ao vivo ao longo de 2012 minutos.

Em 2013 lançou "In Sexus Veritas""[22], um romance com mais de 1500 páginas.

Obras Publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Mata-me (Corpos Editora, 2005)
  • O Evangelho da Alucinação (Corpos Editora, 2006)
  • Já Alguma Vez Usaste o Sexo sem Necessitares de Usar o Corpo? (Corpos Editora, 2007)
  • A Guerra da Secessão: 1861 - 1865 (MediaPromo, 2007)
  • Os Dias na Noite (Indiebooks, 2008)
  • A Pele do Medo (Sinapis Editores, 2010)
  • As Incongruências da Sorte (Sinapis Editores, 2010)
  • Porque Ris Sabendo que Vais Morrer (Sinapis Editores, 2010)
  • Gotas de Dor (Sinapis Editores, 2010)
  • Espasmos de Pânico (Sinapis Editores, 2010)
  • Espasmos d'Alma (Sinapis Editores, 2010)
  • Só os Feios é Que São Fiéis (Sinapis Editores, 2010)
  • Chãos Pisados (Sinapis Editores, 2010)
  • Separação de Males (Sinapis Editores, 2010)
  • Envelhenescer (Sinapis Editores, 2010)
  • Os Fragmentos de Chagas (Sinapis Editores, 2011)
  • Eu Sou Deus (Chiado Editora, 2012)
  • Ou é Tudo ou Não Vale Nada (Chiado Editora, 2012)
  • In Sexus Veritas (Chiado Editora, 2013)
  • Prometo Falhar (Marcador, 2014)
  • Queres Casar Comigo Todos os Dias? (Marcador, 2015)
  • Prometo Perder (Marcador, 2016)

Participação em Coletâneas[editar | editar código-fonte]

  • Um Poema para Ramos Rosa (Editora Labirinto, 2008)

Obras Coordenadas[editar | editar código-fonte]

  • Os Filhos da Escrita (produzida por um grupo de crianças e adolescentes de Guimarães) (Corpos Editora, 2008)
  • Amo-te, Escrita (produzida por alunos do 1º Ciclo de 4 escolas de Famalicão) (Câmara Municipal de Famalicão, 2010)
  • Se Eu Fosse Maria Moisés (produzida por alunos do 1º Ciclo de 4 escolas de Famalicão) (Câmara Municipal de Famalicão, 2011)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]