Pedro Corrêa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo fidalgo português, capitão do donatário na Graciosa, veja Pedro Correia da Cunha.
Pedro Corrêa
Pedro Corrêa em 2005
Nome completo Pedro da Silva Corrêa de Oliveira Andrade Neto
Nascimento 7 de janeiro de 1948 (69 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Político
Cargo Ex-deputado federal
Pedro Corrêa
Crime(s) corrupção passiva e lavagem de dinheiro[1]
Pena 20 anos, 7 meses e 10 dias[1]
Situação cumprindo pena em Prisão[1]

Pedro da Silva Corrêa de Oliveira Andrade Neto mais conhecido como Pedro Corrêa (Rio de Janeiro, 7 de janeiro de 1948) é um médico e político brasileiro.

Médico formado na Universidade Federal de Pernambuco, elegeu-se deputado federal por Pernambuco pela Arena em 1978. Com a extinção desta foi para o Partido Democrático Social em 1980. Em 1987 migrou para o Partido da Frente Liberal e em 1995 foi para o PPB, atual Partido Progressista (PP). Fez parte das legislaturas 1979-1983, 1983-1987, 1991-1995, 1995-1999, 1999-2002 (suplente) e 2003-2006.

Teve seu mandado cassado pelo plenário da Câmara dos Deputados em 15 de março de 2006, por 261 votos a favor, 166 contra e 19 abstenções, por envolvimento no escândalo do mensalão.[2] Diante do ocorrido, teve seus direitos políticos suspensos até 2014.

Mensalão[editar | editar código-fonte]

Condenação e prisão[editar | editar código-fonte]

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou em 2013 o deputado cassado Pedro Corrêa (PP-PE) a 9 anos e 5 meses de prisão e multa de 1,08 milhão de reais no julgamento da Ação Penal 470 (mensalão). Ele foi condenado a 2 anos e 3 meses por formação de quadrilha, 2 anos e 6 meses de prisão mais R$ 456 mil de multa por corrupção passiva, e 4 anos e 8 meses e R$ 624 mil de multa de prisão por lavagem de dinheiro. Ele teria recebido, junto a outros parlamentares, 2,9 milhões de reais para votar a favor de matérias do interesse do governo federal durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.[3]

Petrolão[editar | editar código-fonte]

Envolvimento e prisão[editar | editar código-fonte]

Em 10 de abril de 2015 sob investigações da Operação Lava Jato, também houve ordem de prisão contra o ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), que já estava preso em Pernambuco por condenação no processo do mensalão. Foi encaminhado ofício para o presídio para que ele seja transferido para a PF em Curitiba.[4][5]

CPI da Petrobras[editar | editar código-fonte]

Convocado para depor na CPI da Petrobras, Pedro Corrêa afirmou: "Só não prendem Lula porque ninguém tem coragem".[6]

Na mesma audiência disse “O diretor de Abastecimento da Petrobrás, que se eu não me engano a memória era um tal de Manso, ele se atritou com a diretoria e o presidente Lula convidou o Paulo Roberto Costa para ser diretor de Abastecimento”, ao comentar a nomeação do delator ao cargo, em 2004.[6]

Condenação[editar | editar código-fonte]

Em 29 de outubro de 2015, o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou o ex-deputado e ex-presidente do PP Pedro Corrêa a 20 anos, 7 meses e 10 dias de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no escândalo do petrolão.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Lava Jato: ex-deputado Pedro Corrêa é condenado a 20 anos de prisão». VEJA. 29 de outubro de 2015. Consultado em 29 de outubro de 2015 
  2. «Mesa da Câmara mantém cassação de Corrêa». Congresso em foco. 5 de abril de 2006. Consultado em 29 de outubro de 2015 
  3. Camila Campanerut (26 de Novembro de 2012). «Ex-presidente do PP, Pedro Corrêa é condenado a 9 anos e 5 meses em regime fechado». UOL. Consultado em 15 de abril de 2015 
  4. Flávio Ferreira e Estelita Hass Carazzai (10 de Abril de 2015). «Lava Jato prende ex-deputados e agora investiga crimes na Caixa e na Saúde». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de abril de 2015 
  5. Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo (13 de abril de 2015). «Documentos indicam 'compra de votos' por Pedro Corrêa». O Estado de S. Paulo. Consultado em 15 de Abril de 2015 
  6. a b «"Só não prendem Lula porque ninguém tem coragem, diz ex-deputado». Estadão. 12 de maio de 2015. Consultado em 11 de março de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.