Pedro I do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Dom Pedro e Dom Pedro I redirecionam para este artigo. Para outros significados, veja Pedro ou Pedro I.
Pedro I & IV
Retrato por Simplício Rodrigues de Sá, ca. 1830
Imperador do Brasil
Reinado 12 de outubro de 1822
a 7 de abril de 1831
Coroação 1 de dezembro de 1822
Sucessor(a) Pedro II
Rei de Portugal e Algarves
Reinado 10 de março de 1826
a 2 de maio de 1826
Predecessor João VI
Sucessora Maria II
 
Esposas Maria Leopoldina da Áustria
Amélia de Leuchtenberg
Descendência Maria II de Portugal
Miguel, Príncipe da Beira
João Carlos, Príncipe da Beira
Januária do Brasil
Paula do Brasil
Francisca do Brasil
Pedro II do Brasil
Maria Amélia do Brasil
Casa Bragança
Nome completo
Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim
Nascimento 12 de outubro de 1798
Palácio Real de Queluz, Queluz, Estremadura, Portugal
Morte 24 de setembro de 1834 (35 anos)
Palácio Real de Queluz, Queluz, Estremadura, Portugal
Sepultamento Monumento à Independência do Brasil, São Paulo, Brasil
Pai João VI de Portugal
Mãe Carlota Joaquina da Espanha
Assinatura Assinatura de Pedro I & IV

Pedro I & IV (Queluz, 12 de outubro de 1798 – Queluz, 24 de setembro de 1834), apelidado de "o Libertador" e "o Rei Soldado",[nota 1] foi o primeiro Imperador do Brasil como Pedro I de 1822 até sua abdicação em 1831, e também Rei de Portugal e Algarves como Pedro IV entre março e maio de 1826. Era o quarto filho do rei João VI de Portugal e sua esposa a infanta Carlota Joaquina da Espanha, sendo assim um membro da Casa de Bragança. Pedro viveu seus primeiros anos de vida em Portugal até que tropas francesas invadiram o país em 1807, forçando a transferência da família real para a colônia do Brasil.

O estouro da Revolução Liberal do Porto em 1820 forçou a volta de João VI para Portugal em abril do ano seguinte, com Pedro ficando no Brasil como seu regente. Ele precisou lidar com ameaças de tropas portuguesas revolucionárias e insubordinadas, com todas no final sendo subjugadas. Desde a chegada da família real portuguesa em 1808 o Brasil tinha gozado de grande autonomia política, porém a ameaça do governo português de revogar essas liberdades criou grande descontentamento na colônia. Pedro ficou do lado dos brasileiros e declarou a Independência do Brasil em 7 de setembro de 1822. Foi aclamado como seu imperador no dia 12 de outubro e derrotou todas as forças fiéis a Portugal até março de 1824. Alguns meses depois esmagou a Confederação do Equador, uma revolta separatista que havia tomado algumas províncias do nordeste brasileiro.

Uma nova rebelião se iniciou na província Cisplatina no começo de 1825, com a subsequente tentativa por parte das Províncias Unidas do Rio da Prata de anexá-la levando o Brasil a entrar na Guerra da Cisplatina. Nesse meio tempo Pedro também se tornou o monarca de Portugal após a morte de seu pai, rapidamente abdicando do trono em favor de sua filha mais velha Maria II. A situação piorou em 1828 quando a guerra no sul fez o Brasil perder a Cisplatina, que tornou-se o país independente do Uruguai. No mesmo ano o trono de Maria foi usurpado pelo infante Miguel, irmão mais novo de Pedro. Seus casos sexuais extraconjugais criaram grandes escândalos e também mancharam sua reputação. Mais dificuldades sugiram no parlamento brasileiro, onde os debates políticos passaram a ser dominados a partir de 1826 com a discussão sobre se o governo deveria ser escolhido pelo imperador ou pela legislatura. Pedro foi incapaz de lidar com os problemas simultâneos do Brasil e Portugal, por fim abdicando do trono brasileiro em 7 de abril de 1831 em favor de seu filho mais novo Pedro II e partindo para a Europa.

Pedro invadiu Portugal em julho de 1832 no comando de um exército. Inicialmente seu envolvimento parecia ser em uma guerra civil portuguesa, porém logo o conflito ficou maior e englobou toda a península Ibérica em uma disputa entre defensores do liberalismo e aqueles que queriam a volta do absolutismo. Pedro acabou morrendo de tuberculose em 24 de setembro de 1834, poucos meses depois dele e os liberais terem se saído vitoriosos. Ele foi considerado por contemporâneos e pela posteridade como uma figura importante que auxiliou na propagação dos ideais liberais que haviam permitido que o Brasil e Portugal deixassem os regimes absolutistas para formas mais representativas de governo.

Início de vida

Nascimento

Pedro em 1800, por Agustín Esteve.

Pedro nasceu na manhã de 12 de outubro de 1798 no Palácio Real de Queluz, Portugal.[3] Ele foi nomeado em homenagem a São Pedro de Alcântara e seu nome completo era Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim.[4][5] Desde seu nascimento recebeu o prefixo honorífico de "Dom".[6]

Seu pai era o então D. João, Príncipe do Brasil, com Pedro sendo assim membro da Casa de Bragança. Seus avós eram a rainha D. Maria I e o rei D. Pedro III de Portugal, que eram sobrinha e tio além de marido e mulher.[7] Sua mãe era a infanta Carlota Joaquina, filha do rei Carlos IV da Espanha e sua esposa Maria Luísa de Parma.[8] Os pais de Pedro tiveram um casamento infeliz; Carlota Joaquina era uma mulher ambiciosa que sempre procurava defender os interesses espanhóis, mesmo em detrimento de Portugal. Havia relatos de que ela era infiel com o marido, chegando ao ponto de conspirar contra ele junto com nobres portugueses insatisfeitos.[9]

Pedro era o segundo filho menino mais velho de João e Carlota Joaquina, o quarto filho no geral, tornando-se o herdeiro aparente de seu pai com o título de Príncipe da Beira em 1801 após a morte de seu irmão mais velho D. Francisco Antônio.[10] João desde 1792 atuava como regente em nome de sua mãe Maria I, que havia sido declarada mentalmente insana e incapaz de governar.[11] Os pais de Pedro se afastaram em 1802; João foi viver no Palácio Nacional de Mafra enquanto Carlota Joaquina ficou no Palácio do Ramalhão. Pedro e seus irmãos D. Maria Teresa, D. Maria Isabel, D. Maria Francisca, D. Isabel Maria e D. Miguel foram viver no Palácio de Queluz junto com sua avó a rainha, longe dos pais que viam apenas durante ocasiões de estado.[12][13]

Educação

Pedro ca. 1809, por Francesco Bartolozzi.

No final de novembro de 1807, quando Pedro tinha apenas nove anos de idade, o exército francês do imperador Napoleão Bonaparte invadiu Portugal e toda a família real portuguesa fugiu de Lisboa. A corte atravessou o oceano Atlântico até chegar em março do ano seguinte à cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil, a maior e mais rica colônia de Portugal.[14] Pedro leu Eneida de Virgílio durante a viagem e conversou com vários membros da tripulação de seu navio, aprendendo noções de navegação.[15] No Brasil, após uma breve estada no Paço Real, Pedro e seu irmão Miguel estabeleceram-se junto com seu pai no Paço de São Cristóvão.[16] Pedro amava o pai, apesar de nunca ter sido íntimo dele, ressentindo a constante humilhação que João sofria nas mãos de Carlota Joaquina por causa dos casos extraconjugais dela.[12][17] Como resultado, quando adulto Pedro abertamente chamava sua mãe de "vadia" e sentia por ela nada além de desprezo.[18] As experiências de traição, frieza e negligência que passou quando criança tiveram grande impacto na formação de sua personalidade e caráter quando adulto.[12]

Uma pequena quantidade de estabilidade durante sua infância vinha da presença de sua aia Maria Genoveva do Rêgo e Matos, quem amou como uma mãe, e seu aio e supervisor o frei Antônio de Arrábida, que tornou-se seu mentor.[19] Ambos ficaram encarregados do crescimento do príncipe e tentaram lhe dar uma educação adequada. Seus estudos englobavam uma grande gama de assuntos que incluíam matemática, economia política, lógica, história e geografia.[20] Pedro aprendeu a ler e escrever em português, além de latim e francês.[21] Também conseguia traduzir textos do inglês e entender alemão.[22] Mais tarde como imperador, Pedro dedicaria pelo menos duas horas de seu dia para ler e estudar.[22][23]

Apesar da abrangência da instrução de Pedro, sua educação mostrou-se deficiente. O historiador Otávio Tarquínio de Sousa afirmou que Pedro "era sem sombra de dúvida inteligente, astuto [e] perspicaz".[24] Entretanto, o historiador Roderick J. Barman escreveu que tinha uma natureza "muito efervescente, muito errática e muito emocional". Pedro permaneceu impulsivo, nunca aprendeu a exercer auto-controle, avaliar as consequências de suas decisões ou adaptar seu panorama para situações em mudança.[25] João jamais permitiu que alguém disciplinasse o filho. Este às vezes contornava sua rotina de duas horas de estudos diários ao dispensar seus instrutores para poder realizar atividades que considerava como mais interessantes.[20]

Primeiro casamento

Pedro ca. 1816, por Jean-Baptiste Debret.

Pedro encontrava prazer em atividades que necessitavam de habilidades físicas em vez de ficar na sala de aula. Ele treinou equitação na Fazenda Santa Cruz de seu pai, tornando-se um bom cavaleiro e um excelente ferrador.[26][27] Pedro e seu irmão Miguel gostavam de sair caçando a cavalo através de terrenos desconhecidos e florestas, às vezes até mesmo de noite e sob mau tempo.[26] O príncipe mostrava talento para desenho e artesanato, fazendo por conta própria mobílias e entalhando madeira.[28] Além disso, Pedro também gostava bastante de música, transformando-se em um hábil compositor sob a tutela de Marcos Portugal. Tinha uma boa voz para o canto e era proficiente em diversos instrumentos (incluindo piano, flauta e violão), conseguindo tocar canções e danças populares.[29] Pedro era um homem simples tanto em hábitos quanto ao lidar com outras pessoas. Exceto em ocasiões solenes quando era necessário usar vestuários elegantes, suas roupas diárias consistiam em calças brancas de algodão, uma jaqueta listrada também de algodão e um chapéu de palha com abas largas, ou ainda uma sobrecasaca e cartola para situações mais formais.[30] Ele frequentemente entrava em conversas com pessoas nas ruas querendo saber sobre seus problemas.[31]

A personalidade de Pedro era marcada por uma vontade enérgica que beirava a hiperatividade. Era impetuoso com uma tendência para ser dominador e temperamental. Se distraia ou ficava entediado facilmente, entretendo-se com namoricos em sua vida pessoal além de suas atividades equestres e de caça.[32] Seu espírito inquieto o fazia buscar aventuras e, certas vezes disfarçado de viajante, frequentava tavernas nos distritos de pior reputação do Rio de Janeiro.[33] Pedro raramente bebia álcool, porém era um mulherengo incorrigível.[34] Seu primeiro caso duradouro conhecido foi com uma dançarina francesa chamada Noémi Thierry, que teve uma criança natimorta dele. Seu pai, que em 1816 tornou-se rei João VI com a morte de Maria I, enviou Thierry para longe a fim que ela não ameaçasse o noivado de Pedro com a arquiduquesa Leopoldina da Áustria, filha do imperador Francisco I da Áustria e a princesa Maria Teresa da Sicília.[35]

Pedro e Leopoldina casaram-se por procuração no dia 13 de maio de 1817, com ela assumindo o nome de Maria Leopoldina.[36] Esta chegou ao Rio de Janeiro em 5 de novembro, imediatamente se apaixonando pelo marido, que era muito mais charmoso e atraente do que fora levada a esperar. Após "anos sob o sol tropical, sua pele ainda era clara, suas bochechas rosadas". Pedro, então com dezenove anos, era bonito e um pouco mais alto do que a média, possuindo olhos negros e um cabelo castanho escuro. "Sua boa aparência", segundo o historiador Neill Macaulay, "devia-se muito ao seu porte, orgulhoso e ereto mesmo em tenra idade, e sua preparação, que foi impecável. Habitualmente arrumado e limpo, ele havia pego o costume brasileiro de tomar banho frequentemente".[26] A missa nupcial ocorreu no dia seguinte, com a ratificação dos votos feitos anteriormente por procuração.[37] O casal teve sete filhos: D. Maria, D. Miguel, D. João Carlos, D. Januária, D. Paula, D. Francisca e D. Pedro.[38]

Independência do Brasil

Ver artigo principal: Independência do Brasil

Revolução Liberal do Porto

Ver artigo principal: Revolução liberal do Porto
Pedro faz um juramento de lealdade à constituição portuguesa em nome de seu pai no dia 26 de fevereiro de 1821. Ele pode ser visto na varanda do Paço Imperial levantando seu chapéu.

Chegaram no Brasil em 17 de outubro de 1820 notícias de que guarnições militares em Portugal haviam se amotinado, levando a que posteriormente ficaria conhecida como a Revolução Liberal do Porto de 1820. Os militares formaram um governo provisório e suplantaram a regência que João havia nomeado, convocando as Cortes, o parlamento centenário português, desta vez democraticamente eleito e com o objetivo de criar uma constituição nacional.[39] Pedro ficou surpreso quando seu pai não apenas lhe pediu conselhos, mas também decidiu enviá-lo de volta para Portugal para governar como regente em seu nome e tentar aplacar os revolucionários.[40] O príncipe nunca havia sido educado para governar e anteriormente jamais recebeu permissão para participar dos assuntos de estado. O papel que seria seu direito de nascimento era na verdade exercido por sua irmã mais velha Maria Teresa; João confiava nela para conselhos e inclusive lhe fez uma membro do Conselho de Estado.[41]

Pedro era visto com suspeitas por João e pelos conselheiros mais próximos do rei, todos os quais apegavam-se aos princípios de uma monarquia absolutista. Em contraste, o príncipe era bem conhecido como um grande defensor dos ideais do liberalismo e de uma monarquia constitucional representativa. Ele havia lido os trabalhos de Voltaire, Benjamin Constant, Gaetano Filangieri e Edmund Burke.[42] Até mesmo sua esposa Maria Leopoldina comentou que "Meu esposo, Deus nos ajude, ama as novas ideias".[43][44] João adiou o máximo possível a partida de Pedro, temendo que o filho fosse aclamado rei pelos revolucionários assim que chegasse em Portugal.[40]

Tropas portuguesas no Rio de Janeiro se amotinaram em 26 de fevereiro de 1821. João e seu governo não realizaram quaisquer ações contra as unidades revoltosas. Pedro decidiu agir por conta própria e foi se encontrar com os rebeldes, negociando com eles e convencendo seu pai a aceitar as demandas, que incluíam a nomeação de um novo gabinete e a realização de um juramento de obediência para a futura constituição portuguesa.[45] Os eleitores da paróquia do Rio de Janeiro encontraram-se em 21 de abril para eleger seus representantes nas Cortes. Um pequeno grupo de agitadores invadiu o encontro e formaram um governo revolucionário. João e seus ministros novamente permaneceram passivos, com o rei estando prestes a aceitar as exigências dos revolucionários quando Pedro tomou iniciativa e enviou tropas do exército para restabelecer a ordem.[46] João e sua família finalmente cederam sob a pressão das Cortes e partiram de volta para Portugal em 26 de abril, deixando Pedro e Maria Leopoldina no Brasil.[47] Dois dias antes, o rei avisou o filho: "Pedro, se o Brasil for se separar de Portugal, antes seja para ti, que me hás de respeitar, do que para algum desses aventureiros".[48]

"Independência ou morte"

Pedro em agosto de 1822, por Simplício Rodrigues de Sá.

Pedro foi nomeado como regente do Brasil, desde o início promulgando decretos que garantiam os direitos pessoais e de propriedade. Ele também reduziu impostos e gastos governamentais.[44][49] Até mesmo os revolucionários presos no incidente de abril acabaram sendo libertados.[50] Tropas portuguesas sob o comando do tenente-general Jorge de Avilez Zuzarte de Sousa Tavares amotinaram-se em 5 de junho de 1821, exigindo que Pedro fizesse um juramento para manter a constituição portuguesa após ela ser colocada em efeito. O príncipe foi intervir sozinho com os rebeldes. O regente negociou calma e engenhosamente, ganhando o respeito das tropas e sendo bem sucedido em reduzir o impacto das exigências mais inaceitáveis.[51][52] O motim era um golpe de estado militar mal disfarçado que tentava transformar Pedro em uma mera figura decorativa e transferir o poder para Avilez.[53] O príncipe acabou aceitando um resultado desfavorável, porém também avisou que seria a última vez que cederia sob pressão.[52][54]

A crise alcançou um ponto sem volta quando as Cortes dissolveram o governo central no Rio de Janeiro e ordenaram o retorno de Pedro.[55] Os brasileiros viram essa ação como uma tentativa de novamente subordinar seu país ao domínio português, já que o Brasil fora elevado a reino em 1815.[56] O príncipe recebeu uma petição em 9 de janeiro de 1822 contendo oito mil assinaturas que imploravam para que não partisse.[57] Pedro respondeu afirmando que "Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto. Digam ao povo que fico!"; este evento ficou conhecido como o Dia do Fico.[58] Avilez se amotinou novamente para tentar forçar o retorno do regente para Portugal. Desta vez o príncipe contra-atacou, reunindo as tropas brasileiras (que não haviam juntado-se aos portugueses nos motins anteriores),[59] unidades milicianas e civis armados.[60] Avilez ficou em inferioridade numérica e foi expulso do Brasil junto com suas tropas.[61]

Pedro tentou manter pelos meses seguintes alguma aparência de unidade com Portugal, porém a ruptura final era iminente. Procurou apoio fora do Rio de Janeiro com o auxílio de seu ministro José Bonifácio de Andrada e Silva. O príncipe viajou para a província de Minas Gerais em abril e depois para São Paulo em agosto. Foi bem recebido nas duas províncias e as visitas reforçaram sua autoridade.[62] Enquanto voltava de São Paulo, Pedro recebeu no dia 7 de setembro as notícias de que as Cortes não aceitariam a autorregulamentação no Brasil e puniriam todos que desobedecessem suas ordens.[63] "Nunca alguém que evitava a ação mais dramática sobre o impulso imediato", como escreveu Berman sobre o príncipe, ele "não precisou de mais tempo para decisão além do que ler as cartas exigiam".[64] Pedro montou sua égua e disse para os presentes: "Amigos, as Cortes Portuguesas querem escravizar-nos e perseguir-nos. A partir de hoje as nossas relações estão quebradas. Nenhum vínculo unir-nos mais [...] Para o meu sangue, minha honra, meu Deus, eu juro dar ao Brasil a liberdade. Brasileiros, que nossa palavra de ordem seja a partir de hoje 'Independência ou morte!'".[65]

Imperador constitucional

Pedro em 1823, por Jean-Baptiste Debret.

O príncipe foi aclamado em 12 de outubro como Imperador D. Pedro I, o dia de seu aniversário de 24 anos e também a data oficial da fundação do Império do Brasil. Ele foi coroado em 1 de dezembro. Sua ascensão não se estendeu imediatamente por todos os territórios brasileiros e Pedro teve que forçar a submissão de várias províncias nas regiões sudoeste, nordeste e norte, com as últimas unidades ainda leais a Portugal se rendendo apenas no começo de 1824.[66] Enquanto isso a relação de Pedro e José Bonifácio se deteriorou.[67] A situação chegou ao ápice quando o imperador dispensou o ministro sob os motivos de conduta inapropriada. José Bonifácio tinha usado sua posição para assediar, perseguir, prender e até mesmo exilar seus inimigos políticos.[68] Por meses os inimigos do ministro tinham trabalhado para ganhar o favor do imperador. Esses haviam conferido a Pedro em 13 de maio de 1822 enquanto ainda era regente o título de "Defensor Perpétuo do Brasil",[69] também lhe introduzindo à Maçonaria em 2 de agosto e posteriormente o fazendo grão-mestre em 7 de outubro no lugar do próprio José Bonifácio.[70]

A crise entre monarca e seu antigo ministro afetou imediatamente a Assembleia Geral Nacional Constituinte, que havia sido eleita com o objetivo de criar uma constituição para o país recém criado.[71] José Bonifácio, como membro da assembleia constituinte, havia recorrido a demagogia e alegou a existência de uma grande conspiração portuguesa contra os interesses brasileiros; ele chegou até mesmo a insinuar que Pedro, nascido português, também estava implicado.[72] O imperador ficou ultrajado pela invetiva direcionada aos leais cidadãos que eram de nascimento português, além das insinuações que o próprio estava conflituoso sobre sua lealdade ao Brasil.[73] Pedro ordenou em 12 de novembro de 1823 a dissolução da assembleia constituinte e convocou novas eleições.[74] No dia seguinte encarregou o recém estabelecido Conselho de Estado de elaborar um rascunho constitucional. As cópias do documento resultante foram enviadas para todos os concelhos municipais, com a enorme maioria votando a favor de sua adoção instantânea como a Constituição do Império.[75]

A constituição foi outorgada por Pedro em 25 de março de 1824, criando um Estado altamente centralizado. Como resultado, elementos rebeldes nas províncias de Pernambuco, Paraíba e Ceará tentaram se separar do Brasil e unir-se no que ficou conhecida como a Confederação do Equador.[76][77] Pedro tentou sem sucesso impedir o derramamento de sangue ao oferecer-se para aplacar os revoltosos.[76][78] Ele furioso falou que "O que estavam a exigir os insultos de Pernambuco? Certamente um castigo, e um castigo tal que se sirva de exemplo para o futuro".[76] Os rebeldes nunca conseguiram assegurar seu controle das províncias e foram facilmente subjugados. As rebeliões já tinha acabado por volta do final de 1824.[77][79] Dezesseis rebeldes foram julgados e executados,[79][80] enquanto todos os outros acabaram perdoados pelo imperador.[81]

Crises

Sucessão portuguesa

Pedro em março de 1826, por Antônio Joaquim Franco Velasco.

Portugal acabou assinando um tratado com o Brasil em 29 de agosto de 1825 após longas negociações, por fim reconhecendo a independência do segundo.[82] Exceto pelo reconhecimento da independência, as provisões do tratado foram às custas do Brasil, incluindo a exigência do pagamento de reparações financeiras a Portugal, com nenhum outro requerimento ficando por parte da antiga metrópole. A compensação deveria ser paga a todos os cidadãos portugueses residentes no Brasil pelas perdas que tinham passado, como por exemplo propriedades que foram confiscadas. João também recebeu o direito de se intitular Imperador do Brasil.[83] Mais humilhante foi que o tratado implicava que a independência havia sido concedida como um ato beneficente do rei português, ao invés de ter sido compelida pelos brasileiros através da força bruta.[84] Pior ainda, o Reino Unido foi recompensado por seu papel no avanço das negociações ao assinar um tratado separado em que seus favoráveis direitos comerciais foram renovados, além da assinatura de uma convenção em que o Brasil concordava em abolir o comércio de escravos com a África dentro de quatro anos. Ambos os acordos prejudicaram seriamente os interesses comerciais brasileiros.[85]

Pedro recebeu alguns meses depois a notícia de que seu pai havia morrido em 10 de março de 1826, e que sendo assim havia sucedido João no trono de Portugal como Rei D. Pedro IV.[86] O imperador rapidamente abdicou da coroa portuguesa em 2 de maio por saber que uma união pessoal entre o Brasil e Portugal seria inaceitável para os povos de ambas as nações, passando o trono para sua filha mais velha que se tornou a Rainha D. Maria II.[87][88][nota 2] Sua abdicação foi condicional: Portugal deveria aceitar uma constituição elaborada por ele e Maria casaria-se com seu irmão Miguel.[86] Pedro continuou a agir como rei ausente mesmo com a abdicação e intercedeu em assuntos diplomáticos e internos, como a realização de nomeações. Para o monarca foi no mínimo difícil manter separadas sua posição de imperador brasileiro e suas obrigações de proteger os interesses de sua filha em Portugal.[92]

Miguel fingiu aceitar os planos do irmão. O infante anulou a constituição com o apoio de Carlota Joaquina logo que foi nomeado regente da sobrinha no início de 1828, sendo aclamado como rei com o suporte dos portugueses que eram a favor do absolutismo.[93] Além da dolorosa traição de seu amado irmão, Pedro também teve que suportar a deserção de suas irmãs Maria Teresa, Maria Francisca, Isabel Maria e Maria da Assunção todas para a facção de Miguel.[94] Apenas sua irmã caçula Ana de Jesus permaneceu fiel, posteriormente viajando para o Rio de Janeiro a fim de ficar perto de Pedro.[95] O imperador ficou consumido pelo ódio e começou a acreditar nos rumores que Miguel havia matado João, virando seu foco para Portugal e tentando em vão conseguir apoio internacional pelos direitos de Maria.[96]

Guerra e viuvez

Celebrações na Praça São Francisco de Paula no Rio de Janeiro pela volta de Pedro da Bahia, 4 de abril de 1826.

Um pequeno grupo de rebeldes com o apoio das Províncias Unidas do Rio da Prata declarou em abril de 1825 a independência da Cisplatina, então a província mais ao sul do Brasil.[97] O governo brasileiro inicialmente viu a tentativa de secessão como um levante menor. Demorou meses até uma ameaça maior surgir do envolvimento das Províncias Unidas, que esperava anexar a Cisplatina, causando assim preocupações sérias. O Brasil em retaliação declarou guerra em dezembro, iniciando a Guerra da Cisplatina.[98] Pedro viajou em fevereiro de 1826 para a província da Bahia no nordeste do país, levando consigo sua esposa e sua filha Maria. O imperador foi muito bem recebido pelos habitantes locais.[99] A viagem tinha a intenção de gerar apoio para o esforço de guerra.[100]

O séquito imperial incluía Domitila de Castro, Viscondessa de Santos (posterior Marquesa de Santos), que desde o primeiro encontro dos dois em 1822 havia sido a amante do imperador. Apesar de nunca ter sido fiel a Maria Leopoldina, Pedro anteriormente tinha tomado o cuidado de esconder suas escapadas sexuais com outras mulheres.[101] Porém, sua atração por sua nova amante "tinha se tornando flagrante e sem limites", enquanto sua esposa precisava aguentar desfeitas e ser o assunto de fofocas.[102] O imperador cada vez mais passou a ser rude e vil com Maria Leopoldina, deixando-a com pouco dinheiro, proibindo-a de deixar o palácio e forçando-a a aturar a presença de Domitila como sua dama de companhia.[103] Enquanto isso, a amante aproveitou a oportunidade para avançar seus interesses e também os de sua família e amigos. Aqueles que desejavam favores ou a promoção de projetos cada vez mais ignoravam os canais legais e normais, ao invés disso procurando Domitila por ajuda.[104]

Pedro partiu em 24 de novembro de 1826 do Rio de Janeiro para a cidade de São José na província de Santa Catarina. De lá foi para Porto Alegre, capital da província de São Pedro do Rio Grande do Sul, onde o exército principal estava esperando.[105] O imperador chegou em 7 de dezembro e descobriu que as condições militares eram muito piores do que os relatórios anteriores haviam lhe feito esperar. Ele "agiu com sua energia costumeira: passou uma afobação de ordens, demitiu supostos enxertadores e incompetentes, fraternizou com as tropas e de forma geral sacudiu a administração militar e civil".[106] Pedro já estava voltando para o Rio de Janeiro quando soube que Maria Leopoldina tinha morrido após um aborto.[107] Rumores sem fundamento logo se espalharam dizendo que a imperatriz havia sido fisicamente maltratada pelo marido.[nota 3] Enquanto isso a guerra continuou sem conclusão e Pedro acabou cedendo a Cisplatina em agosto de 1828, com a província tornando-se o país independente do Uruguai.[115]

Segundo casamento

O casamento de Pedro e Amélia. Ao lado do imperador estão seus filhos do primeiro casamento: Pedro, Januária, Paula e Francisca.

Pedro percebeu depois da morte da esposa como a havia tratado miseravelmente, com sua relação com Domitila começando a ruir. Diferentemente da amante, Maria Leopoldina era popular, honesta e amava o marido sem esperar nada em troca. O imperador passou a sentir muitas saudades dela, nem mesmo sua obsessão por Domitila conseguindo fazê-lo superar seu sentimento de perda e arrependimento.[116] Um dia a amante o encontrou chorando no chão abraçado a um retrato de Maria Leopoldina, cujo fantasma infeliz Pedro afirmou ter visto.[117] Posteriormente o imperador deixou a cama que estava com Domitila e gritou: "Larga-me! Sei que levo vida indigna de um soberano. O pensamento da Imperatriz não me deixa".[118] Ele não esqueceu de seus filhos, que ficaram órfãos de mãe, sendo observado em mais de uma ocasião segurando seu filho Pedro em seus braços e dizendo: "Pobre menino, és o príncipe mais infeliz do mundo".[119]

Domitila acabou deixando o Rio de Janeiro em 27 de junho de 1828 após insistências do imperador.[120] Pedro havia decidido casar-se novamente e tornar-se uma pessoa melhor. Ele tentou convencer seu sogro Francisco I de sua sinceridade, afirmando em uma carta "que toda minha perversidade acabou, que não hei de novamente cair nos erros em que já caí, que arrependo-me e pedi a Deus por perdão".[121] Francisco não se convenceu, tendo ficado profundamente ofendido pela conduta que sua filha tinha passado, retirando seu apoio às preocupações brasileiras e frustrando os interesses portugueses de Pedro.[114] Princesas de várias nações recusaram propostas de casamento uma depois da outra devido a má reputação do imperador pela Europa.[93] Seu orgulho ficou muito ferido e ele acabou permitindo a volta de Domitila, que chegou na capital em 29 de abril de 1829 após quase um ano longe.[121][122]

Entretanto, Pedro encerrou definitivamente sua relação com Domitila ao saber que um noivado tinha finalmente sido arranjado. Ela voltou em 27 de agosto a viver em sua província natal de São Paulo, onde permaneceu pelo resto da vida.[123] Dias antes em 2 de agosto, Pedro havia se casado por procuração com a princesa Amélia de Leuchtenberg, filha Eugênio de Beauharnais, Duque de Leuchtenberg, e da princesa Augusta da Baviera.[124] O imperador ficou impressionado por sua beleza ao conhecê-la pessoalmente.[125] Os votos realizados por procuração foram ratificados em 17 de outubro em uma missa nupcial.[126] Amélia era bondosa e amorosa com os filhos dele e providenciou um necessitado sentimento de normalidade tanto para a família imperial quanto para o público em geral.[127] A promessa de Pedro feita após o banimento de Domitila para alterar seu comportamento acabou mostrando-se sincera. Ele nunca mais teve quaisquer casos e manteve-se fiel à nova esposa.[128] Pedro também fez as pazes com José Bonifácio, seu antigo ministro e mentor, em uma tentativa de mitigar e superar seus desentendimentos do passado.[129]

Entre Brasil e Portugal

Crises sem fim

Pedro em 1830 por Henri Grevedon.

Desde os dias da assembleia constituinte de 1823 e depois com vigor renovado a partir de 1826 com a abertura do parlamento brasileiro, houve uma disputa ideológica sobre o equilíbrio dos poderes mantidos pelo imperador e pela legislatura no governo. De um lado estavam aqueles que compartilhavam as visões de Pedro, políticos que acreditavam que o monarca deveria ser livre para escolher os ministros, políticas nacionais e a direção governamental. Em oposição estavam aqueles, então conhecidos como o Partido Liberal, que defendiam que os gabinetes deveriam manter o poder para estabelecer o curso de governo e que seriam formados por deputados tirados do partido da maioria respondendo ao parlamento por suas ações.[130] Estritamente falando, ambos os lados defendiam o liberalismo e dessa forma uma monarquia constitucional.[131]

Pedro respeitava a constituição apesar de suas falhas como governante: ele nunca interferiu nas eleições ou participou de fraudes eleitorais, recusou-se a assinar atos ratificados pelo governo ou impor restrições na liberdade de expressão.[132] O imperador também nunca dissolveu a Câmara dos Deputados ou convocou novas eleições quando esta discordava de seus objetivos ou adiava suas sessões, mesmo isso estando dentro de suas prerrogativas.[133] Jornais e panfletos liberais usaram o nascimento português de Pedro no apoio a acusações válidas (como por exemplo que boa parte de sua energia era dedicada a assuntos relacionados a Portugal)[134] e também falsas (que ele estava envolvido em conspirações para suprimir a constituição e reunificar o Brasil e Portugal).[135] Os amigos portugueses do imperador que faziam parte da corte, incluindo Francisco Gomes da Silva que foi apelidado de "Chalaça", eram para os Liberais parte desses complôs e formavam um "gabinete secreto".[136] Nenhuma dessas figuras mostrava interesse em tais questões e, seja quais foram os interesses que podem ter compartilhado, não havia nenhuma conspiração para anular a constituição ou levar o Brasil de volta ao controle português.[137]

Outra fonte de críticas por parte dos Liberais eram as visões abolicionistas de Pedro.[138] O imperador tinha concebido um processo gradual para eliminar a escravidão no país. Entretanto, o poder constitucional para promulgar legislações estava nas mãos do parlamento, que era dominado por donos de terras escravagistas e que assim poderiam frustrar quaisquer tentativas de abolição.[139] Pedro optou por tentar a persuasão através do exemplo moral, estabelecendo sua Fazenda Santa Cruz como um modelo ao conceder terras aos seus escravos libertos.[140] O monarca também tinha outras ideias avançadas. Quando declarou sua intenção de permanecer no Brasil no Dia do Fico, a população tentou lhe conceder a honra de desatrelar os cavalos e eles mesmos puxarem sua carruagem, porém o então príncipe recusou. Sua resposta foi ao mesmo tempo uma condenação do direito divino dos reis, da suposta superioridade de sangue da nobreza e do racismo: "Ofende-me ver os meus semelhantes dando ao homem tributos apropriados à divindade. Eu sei que o meu sangue é da mesma cor que o dos negros".[141]

Abdicação

Ver artigo principal: Abdicação de Pedro I do Brasil
Carta de abdicação de Pedro.

Os esforços do imperador para apaziguar os Liberais resultaram em mudanças importantes. Pedro apoiou um 1827 uma lei estabelecendo responsabilidade ministerial.[142] Um gabinete nomeado em 19 de março de 1831 era formado por políticos da oposição, permitindo que o parlamento tivesse um papel maior no governo.[143] Por fim, ofereceu posições na Europa para Francisco Gomes e outro amigo português a fim de acabar com os rumores de um "gabinete secreto".[127][144] Para seu desalento, as medidas paliativas não pararam os contínuos ataques dos Liberais sobre seu governo e nascimento estrangeiro. Pedro ficou indisposto a lidar com a deteriorante situação política por estar frustrado com a intransigência.[127]

Enquanto isso, exilados portugueses fizeram campanha para que ele abrisse mão do Brasil e dedicasse suas energias à luta pela coroa da filha.[145] De acordo com Barman, "[em] uma emergência as habilidades do Imperador resplandeciam – ficava com nervos calmos, engenhoso e firme na ação. A vida como monarca constitucional, cheia de tédio, cuidado e conciliação, ia de encontro à essência de sua personalidade".[146] Por outro lado, o historiador salientou que Pedro "encontrava no caso de sua filha tudo que mais apelava a sua personalidade. Ao ir para Portugal ele poderia defender os oprimidos, mostrar seu cavalheirismo e abnegação, manter o governo constitucional e gozar da liberdade de ação que desejava".[145]

A ideia de abdicar do trono brasileiro e voltar para Portugal começou a tomar sua mente e, a partir de 1829, Pedro falava a respeito frequentemente.[147] Uma oportunidade logo apareceu para agir sobre esse noção: radicais dentro do Partido Liberal reuniram gangues de rua para assediar a comunidade portuguesa vivendo no Rio de Janeiro. Em 11 de março de 1831, naquilo que ficou conhecido como a Noite das Garrafadas, os portugueses retaliaram e o tumulto tomou as ruas da capital nacional.[148] Pedro dispensou o gabinete Liberal em 5 de abril, que estava no poder apenas desde 19 de março, por motivos de incompetência ao restaurar a ordem.[143][149] Uma grande multidão incitada pelos radicais se reuniram no centro do Rio de Janeiro na tarde do dia 6 de abril, exigindo a imediata restauração do antigo gabinete.[150] Pedro respondeu afirmando que "Tudo farei para o povo; nada, porém, pelo povo".[151] Tropas do exército, incluindo sua guarda pessoal, desertaram após o anoitecer e se juntaram aos protestos. Foi apenas nesse momento que Pedro percebeu o quanto tinha ficado isolado e separado dos assuntos brasileiros, surpreendendo todos ao abdicar do trono à aproximadamente 3h00min da madrugada de 7 de abril.[152] Ele entregou o documento da abdicação a um mensageiro e afirmou: "Aqui está a minha abdicação; desejo que sejam felizes! Retiro-me para a Europa e deixo um país que amei e que ainda amo".[153]

Retorno à Europa

Guerra de civil

Ver artigo principal: Guerra Civil Portuguesa
Pedro ca. 1834, autor desconhecido.

Pedro, Amélia e outros embarcaram na fragata britânica HMS Warspite na manhã do dia 7 de abril. A embarcação permaneceu ancorada no Rio de Janeiro e o antigo imperador foi transferido para o HMS Volage em 13 de abril, partindo no mesmo dia para a Europa.[154] Ele chegou em Cherbourg-Octeville, França, em 10 de junho.[155][156] Pelos meses seguintes ficou indo e voltando entre a França e Reino Unido. Pedro foi bem recebido, porém não recebeu nenhum apoio de ambos os governos.[157] Encontrando-se em uma situação embaraçosa por não ter nenhuma posição oficial tanto na casa imperial brasileira quanto na casa real portuguesa, ele assumiu em 15 de junho o título de Duque de Bragança, que anteriormente já tinha mantido como herdeiro de Portugal. Apesar de que título deveria pertencer ao herdeiro de Maria, algo que Pedro certamente não era, sua reivindicação foi reconhecida de forma geral.[158][159] Sua única filha com Amélia, a princesa D. Maria Amélia, nasceu em 1 de dezembro em Paris.[160]

Pedro não esqueceu de seus outros filhos e escreveu cartas comoventes para cada um deles, expressando o quanto sentia saudades e pedindo repetidas vezes para que levassem a sério suas educações. Ele disse a seu filho e sucessor pouco depois de sua abdicação: "Tenho a intenção que eu e o mano Miguel havemos de ser os últimos malcriados da família Bragança".[161] Charles John Napier, um comandante naval britânico que lutou com Pedro na década de 1830, comentou que "suas boas qualidades eram próprias; as ruins devido à falta de educação; e nenhum homem era mais sensível a isso do que o próprio".[162] Suas cartas para Pedro II frequentemente continham linguajar muito além do nível de leitura do menino, com historiadores presumindo que tais passagens tinham a intenção de servirem como conselhos que o jovem monarca eventualmente pudesse consultar ao alcançar a idade adulta.[155]

Em Paris, Pedro acabou conhecendo e ficando amigo de Gilbert du Motier, Marquês de La Fayette, um veterano da Guerra da Independência dos Estados Unidos e da Revolução Francesa que se tornou um de seus maiores apoiadores.[159][163] O duque despediu-se em 25 de janeiro de 1832 de sua família, La Fayette e mais de duzentas pessoas que haviam ido lhe desejar boa sorte. Ele ajoelhou-se diante de Maria e disse: "Minha senhora, aqui estás um general português que irá manter os seus direitos e restaurar sua coroa". Sua filha o abraçou em seguida em lágrimas.[164] Pedro partiu para o arquipélago atlântico dos Açores, o único território português que permanecera leal a Maria. Ele passou alguns meses realizando preparações finais e por fim partiu para Portugal continental, entrando na cidade do Porto sem oposição no dia 9 de julho.[165] Pedro estava na liderança de uma pequena força portuguesa composta por liberais como Almeida Garrett e Alexandre Herculano, além de mercenários estrangeiros e voluntários como o neto de La Fayette, Adrien Jules de Lasteyrie.[166]

Morte

Pedro em seu leito de morte em 1834, por José Joaquim Rodrigues Primavera.

O exército de Pedro estava em grande inferioridade numérica e foi cercado pelos liberais no Porto por mais de um ano. Foi nesta situação que no começo de 1833 que recebeu as notícias de que sua filha Paula estava para morrer. Meses depois em setembro Pedro se encontrou com Antônio Carlos de Andrada, um dos irmãos de José Bonifácio. Como um representante do chamado Partido Restaurador, Antônio Carlos pediu para o duque retornar ao Brasil e governar seu antigo império como regente durante a minoridade do filho. Pedro percebeu que os Restauracionistas queriam usá-lo como uma ferramenta a fim de facilitar sua chegada ao poder, frustrando Antônio Carlos ao fazer as exigências mais impossíveis para ver se o povo brasileiro também queria sua volta, não apenas uma facção política. Ele também insistiu que quaisquer pedidos de retorno como regente fossem constitucionalmente válidos. A vontade do povo teria de ser transmitida através de seus representantes locais e sua nomeação precisaria ser aprovada pelo parlamento. Apenas assim, e "sob a apresentação de uma petição a ele em Portugal por uma delegação oficial do parlamento brasileiro", Pedro consideraria aceitar o pedido.[167]

Durante a guerra contra Miguel, Pedro montou canhões, cavou trincheiras, cuidou de feridos, comeu dentre os soldados mais baixos e lutou sob fogo pesado enquanto homens ao seu lado eram alvejados ou explodidos.[168] Sua causa estava quase perdida até ele tomar a arriscada atitude de dividir suas forças e enviar uma parte para lançar um ataque anfíbio no sul de Portugal. A região de Algarve caiu diante da expedição, que então marchou direto para Lisboa e capturou a capital em 24 de julho.[169] Pedro então seguiu para subjugar o restante do país, porém bem quando o conflito parecia estar direcionando-se para sua conclusão, interveio seu tio espanhol o infante Carlos, Conde de Molina e que estava tentando tomar a coroa de sua sobrinha a rainha Isabel II. Essa guerra maior englobou toda a península Ibérica e o duque aliou-se com os exércitos espanhóis liberais leais à rainha, derrotando tanto Miguel quanto Carlos. Um tratado de paz foi assinado em 26 de maio de 1834.[170]

Pedro sempre gozou de saúde forte durante toda sua vida, exceto por surtos de epilepsia a cada alguns anos.[28][171] Porém a guerra minou sua constituição e por volta de 1834 ele estava sofrendo de tuberculose.[172] Em 10 de setembro Pedro ficou de cama no Palácio Real de Queluz[173] e ditou uma carta aberta aos brasileiros em que implorava a adoção da gradual abolição da escravidão: "Escravidão é um mal, e um ataque contra os direitos e dignidade da espécie humana, porém suas consequências são menos prejudiciais para aqueles que sofrem no cativeiro do que para a Nação cujas leis permitem a escravidão. Ela é um câncer que devora a moralidade".[174] Pedro morreu às 14h30min do dia 24 de setembro de 1834 após uma longa e dolorosa doença.[175] Conforme seu pedido, seu coração foi colocado na Igreja da Lapa no Porto, enquanto seu corpo foi inicialmente enterrado no Panteão da Dinastia de Bragança na Igreja de São Vicente de Fora, Lisboa.[176][177] As notícias de sua morte chegaram no Rio de Janeiro em 20 de novembro, porém seus filhos foram informados apenas em 2 de dezembro.[178] José Bonifácio, que havia sido removido de sua posição de guardião, escreveu a Pedro II e suas irmãs: "Dom Pedro não morreu. Apenas homens ordinários morrem, heróis não".[179][180]

Legado

Monumento à Independência do Brasil, onde Pedro e suas duas esposas estão enterrados.

O então poderoso Partido Restaurador desapareceu instantaneamente com a morte de Pedro.[181] Um julgamento justo do antigo monarca tornou-se possível assim que a ameaça de seu retorno ao poder sumiu. Evaristo da Veiga, um de seus piores críticos e também um dos líderes do Partido Liberal, deixou uma declaração que, de acordo com o historiador Otávio Tarquínio de Sousa, acabou ficando como a visão prevalecente:[177] "o antigo imperador do Brasil não era um príncipe ordinário [...] e a Providência lhe fez um poderoso instrumento da libertação, tanto no Brasil e em Portugal. Se nós [brasileiros] existimos como um corpo em uma Nação livre, se nossa terra não foi rasgada em pequenas repúblicas inimigas, onde apenas anarquia e espírito militar prevalecem, nós devemos muito à resolução que ele tomou em ficar entre nós, em realizar o primeiro grito por nossa independência. [...] Portugal, se fez-se livre da mais escura e degradante tirania [...] se goza dos benefícios trazidos por um governo representativo aos povos educados, ela deve a D. Pedro de Alcântara, cujas fatigas, sofrimentos e sacrifícios pela causa portuguesa lhe deram em alto grau o tributo da gratitude nacional".[182]

John Armitage, que viveu no Brasil durante a segunda metade do reinado de Pedro, comentou que "até mesmo os erros do Monarca foram atendidos com grande benefício através de sua influência nos assuntos da pátria mãe. Caso tivesse governado com mais sabedoria, teria sido bem para a terra de sua adoção, porém, talvez, infeliz para a humanidade". Armitage complementou que assim como "o falecido Imperador dos Franceses, [Pedro] também foi uma criança do destino, ou ainda, um instrumento nas mãos da beneficente Providência para o adiantamento de fins grandes e inescrutáveis. Tanto no velho quanto no novo mundo ele doravante estava predestinado a tornar-se um instrumento de mais revoluções, e antes do fim da sua carreira brilhante, mas efémera, na terra de seus pais, para reparar amplamente pelos erros e loucuras de sua vida anterior, por sua devoção cavalheiresca e heroica na causa da liberdade civil e religiosa".[183]

Em 1972, aniversário de 150 anos da independência, o corpo de Pedro foi levado para o Brasil – conforme havia pedido em seu testamento – acompanhado de grande pompa e honras dignas de um chefe de estado. Seus restos foram reenterrados no Monumento à Independência do Brasil na cidade de São Paulo, junto com os de Maria Leopoldina e Amélia.[176][184] Os três corpos foram brevemente exumados em 2012 para que examinações e pesquisas arqueológicas e científicas fossem realizadas a fim de descobrir-se mais a respeito do imperador e as duas imperatrizes.[185] O historiador Neill Macaulay afirmou que "críticas a Dom Pedro eram livremente expressadas e muitas vezes veementes; isso o fez abdicar de dois tronos. Sua tolerância às críticas públicas e disposição a abrir mão do poder separaram Dom Pedro de seus predecessores absolutistas e dos governantes dos estados coercivos de hoje, cujos mandatos vitalícios são tão seguros quanto dos reis de antigamente". Macaulay também afirmou que "líderes liberais bem sucedidos como Dom Pedro são homenageados ocasionalmente com um monumento de pedra ou bronze, porém seus retratos, de quatro andares de altura, não moldam prédios públicos; suas imagens não são levadas em passeatas de centenas de milhares de manifestantes uniformizados; nenhum "-ismo" é anexado aos seus nomes".[186]

Títulos e honras

Monograma imperial de Pedro.

Títulos e estilos

  • 12 de outubro de 1798 – 11 de junho de 1801: "Sua Alteza, o Sereníssimo Infante D. Pedro, Grão Prior de Crato"[88]
  • 11 de junho de 1801 – 20 de março de 1816: "Sua Alteza Real, o Príncipe da Beira"[88]
  • 20 de março de 1816 – 9 de janeiro de 1817: "Sua Alteza Real, o Príncipe do Brasil"[88]
  • 9 de janeiro de 1817 – 10 de março de 1826: "Sua Alteza Real, o Príncipe Real"[88]
  • 12 de outubro de 1822 – 7 de abril de 1831: "Sua Majestade Imperial, o Imperador"[88]
  • 10 de março de 1826 – 2 de maio de 1826: "Sua Majestade, o Rei"[88]
  • 15 de junho de 1831 – 24 de setembro de 1834: "Sua Alteza Imperial, o Duque de Bragança"[158]

No Brasil, seu título e estilo completo era: "Sua Majestade Imperial, D. Pedro I, Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil".[187] Já em Portugal, como rei era: "Sua Majestade Fidelíssima, D. Pedro IV, Rei de Portugal e Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc."[188]

Honras

Brasileiras:[189]

Portuguesas:[4]

Estrangeiras:[190]

Descendência

Nome Retrato Vida Notas
Com Maria Leopoldina da Áustria
Maria II de Portugal Maria II 1852b.jpg 4 de abril de 1819 –
15 de novembro de 1853
Rainha de Portugal de 1826 até sua morte. Casou-se primeiro com o príncipe Augusto de Beauharnais, Duque de Leuchtenberg, porém ele morreu poucos meses após a união. Seu segundo marido foi o príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gota, que se tornou o rei D. Fernando II após o nascimento do primeiro filho do casal. Os dois acabariam tendo onze filhos. Maria foi a herdeira de seu irmão Pedro II desde a ascensão deste até sua exclusão da linha de sucessão brasileira em 30 de outubro de 1835 pela lei nº 91.[191]
Miguel, Príncipe da Beira 26 de abril de 1820 Príncipe da Beira de seu nascimento até sua morte
João Carlos, Príncipe da Beira 6 de março de 1821 –
4 de fevereiro de 1822
Januária do Brasil Januaria of Brazil 1865b.jpg 11 de março de 1822 –
13 de março de 1901
Casou-se com o príncipe Luís Carlos, Conde de Áquila e filho do rei Francisco I das Duas Sicílias. Os dois tiveram quatro filhos. Foi oficialmente reconhecida como uma infanta de Portugal em 4 de junho de 1822,[192] porém foi posteriormente excluída da linha de sucessão portuguesa após a independência do Brasil.[193]
Paula do Brasil Dona Paula Mariana Joana Carlota de Bragança.jpg 17 de fevereiro de 1823
– 16 de janeiro de 1833
Morreu aos nove anos de idade, provavelmente de meningite.[194] Por ter nascido depois da independência do Brasil, ela nunca fez parte da linha de sucessão portuguesa.[195]
Francisca do Brasil Francisca of Braganza 1880.png 2 de agosto de 1824 –
27 de março de 1898
Casou-se com o príncipe Francisco de Orleães, Príncipe de Joinville e filho do rei Luís Filipe I da França. O casal teve três filhos. Por ter nascido depois da independência do Brasil, ela nunca fez parte da linha de sucessão portuguesa.[196]
Pedro II do Brasil Pedro II of Brazil - Brady-Handy.jpg 2 de dezembro de 1825
– 5 de dezembro de 1891
Imperador do Brasil de 1831 até 1889. Casou-se com a princesa Teresa Cristina das Duas Sicílias, filha do rei Francisco I das Duas Sicílias. Os dois tiveram quatro filhos. Por ter nascido depois da independência do Brasil, ele nunca fez parte da linha de sucessão portuguesa.[180]
Com Amélia de Leuchtenberg
Maria Amélia do Brasil Maria Amelia 1849b.jpg 1 de dezembro de 1831
– 4 de fevereiro de 1853
Ela viveu sua vida inteira na Europa e nunca visitou o Brasil. Maria Amélia foi prometida ao arquiduque Maximiliano da Áustria, depois imperador Maximiliano do México, porém ela morreu antes do noivado tornar-se oficial. Por ter nascido anos depois da abdicação de seu pai ao trono português, ela nunca fez parte da linha de sucessão.[197]
Com Maria Benedita de Castro
Rodrigo Delfim Pereira Rodrigo Delfim Pereira 1876b.jpg 4 de novembro de 1823
– 31 de janeiro de 1891
Pedro o reconheceu como seu filho em seu testamento e lhe deu uma parte de sua herança.[198] Pereira acabou se tornando um diplomata brasileiro e viveu a maior parte de sua vida na Europa.[199]
Com Domitila de Castro, Marquesa de Santos
Isabel Maria de Alcântara Brasileira, Duquesa de Goiás Duchess of Goiás 1843b.jpg 23 de maio de 1824 –
3 de novembro de 1898
Ela foi a única filha ilegítima de Pedro que foi oficialmente reconhecida. Isabel Maria recebeu em 24 de maio de 1826 o título de "Duquesa de Goiás", o estilo de "Sua Alteza" e o direito de usar o prefixo honorífico "Dona".[200] Ela foi a primeira pessoa a receber um título de duque no Império do Brasil.[201] Essas honras não lhe deram a condição de princesa ou um lugar na linha de sucessão brasileira. Pedro lhe deu uma porção de sua herança em seu testamento.[198] Ela posteriormente perdeu seu título em 17 de abril de 1843 ao casar-se com um estrangeiro, Ernst Fischler von Treuberg, Conde de Treuberg.[202][203]
Pedro de Alcântara Brasileiro 7 de dezembro de 1825 –
27 de dezembro de 1825
O imperador aparentemente considerou lhe dar o título de "Duque de São Paulo", algo que nunca aconteceu pela morte prematura da criança.[204]
Maria Isabel de Alcântara Brasileira 13 de agosto de 1827 –
25 de outubro de 1828
O imperador considerou lhe dar o título de "Duquesa do Ceará", o estilo de "Sua Alteza" e o prefixo honorífico "Dona". Isso nunca chegou a acontecer pela morte prematura da criança. Mesmo assim, é bem comum encontrar fontes a chamando de Duquesa do Ceará, mesmo não existindo registro oficial de seu título, algo que também não é mencionado na papelada relacionada ao seu funeral.[205]
Maria Isabel de Alcântara Bourbon Countess of Iguaçu 1852b.jpg 28 de fevereiro de 1830
– 5 de setembro de 1896
Condessa de Iguaçu por casamento em 1848 com Pedro Caldeira Brant, filho de Felisberto Caldeira Brant, Marquês de Barbacena.[204] Ela nunca recebeu títulos de seu pai devido seu casamento com Amélia. Entretanto, Pedro a reconheceu em seu testamento, porém não lhe deixou herança, apenas pedindo que sua viúva ajudasse em seu crescimento e educação.[198]
Com Henriette Josephine Clemence Saisset
Pedro de Alcântara Brasileiro 28 de agosto de 1829
– 1902
O imperador o reconheceu como seu filho em seu testamento e lhe deu uma parte de sua herança.[198] Casou-se com Maria Palomares, com quem teve quatro filhos. Ele trabalhou em diversos empreendimentos de negócios nos Estados Unidos, onde serviu como agente consular da França por mais de três décadas.[206]

Ancestrais

Ver também

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons

Notas

  1. Pedro ficou conhecido no Brasil como "o Libertador" devido ao seu papel na independência do país.[1] Ele também ficou conhecido em Portugal como "o Libertador", além de "o Rei Soldado". Ambos os epítetos vieram de seu papel nas guerras contra seu irmão Miguel.[2]
  2. Pedro abriu mão não apenas das coroas portuguesa e brasileira. Menos conhecido é o fato que ele recebeu em abril de 1822 a oferta da coroa da Grécia pelo governo local, que na época estava lutando pela independência. Pedro recusou e os gregos eventualmente escolheram o príncipe Oto da Baviera como monarca.[89] O imperador também recusou ofertas pela coroa da Espanha feitas em 1826 e 1829 por liberais que haviam se rebelado contra o governo absolutista de seu tio Fernando VII. Os liberais tanto em Portugal quanto na Espanha concordaram em 1830 fazer de Pedro o "Imperador da Ibéria". Ele aparentemente também recusou essa oferta já que nada se deu dela.[90] Entretanto, o historiador brasileiro Sérgio Correia da Costa e o português Antônio Sardinha argumentaram, baseados em pouquíssimas evidências, que um dos motivos que teria feito Pedro abdicar do trono brasileiro era destronar seu irmão e seu tio para poder reinar sobre toda a península Ibérica como imperador.[91]
  3. Rumores circularam na época dizendo que Pedro supostamente chutou Maria Leopoldina no útero durante uma discussão acalorada. A briga fora assistida por Domitila e Wenzel Philipp Leopold, Barão von Mareschal. Este último estava servindo como o ministro austríaco no Brasil e assim era inclinado a refletir os interesses da imperatriz, tendo sido a única testemunha a deixar um relato sobre o que realmente aconteceu. De acordo com Mareschal, o casal teve uma briga em que trocaram insultos, porém não há nenhuma menção de violência física.[108] Os historiadores Alberto Rangel,[109] Pedro Calmon,[110] Otávio Tarquínio de Sousa,[111] Sérgio Correia da Costa[112] e Roderick J. Barman[25] rejeitaram a possibilidade de Pedro ter fisicamente atacado a esposa, com todos afirmando que o desentendimento limitou-se a palavras duras. A posterior exumação do corpo de Maria Leopoldina confirmou que sua morte foi resultado de causas naturais.[113] Todavia, calúnias sobre a conduta de Pedro na época da morte de sua primeira esposa ainda estavam circulando por volta de 1831, servindo como uma lembrança duradoura do que as pessoas realmente acreditavam, não importando a natureza infundada das alegações.[111] Barman foi categórico ao afirmar que a morte de Maria Leopoldina tirou de Pedro "qualquer aura restante de santo, tanto em casa quanto no exterior".[114]

Referências

  1. Viana 1994, p. 252
  2. Saraiva, António José (2001). The Marrano Factory. The Portuguese Inquisition and Its new Christians 1536–1765 (Leiden: Brill). p. 378. ISBN 90-04-12080-7. 
  3. Calmon 1950, p. 14; Lustosa 2006, p. 36; Macaulay 1986, p. 6; Sousa 1972a, pp. 10–11
  4. a b Branco 1838, p. XXXVI
  5. Calmon 1975, p. 3
  6. Barman 1999, p. 424
  7. Calmon 1950, pp. 5, 9, 11; Sousa 1972a, pp. 5, 9–10
  8. Calmon 1950, p. 12
  9. Calmon 1950, pp. 12–13; Sousa 1972a, pp. 4, 8, 10, 28
  10. Macaulay 1986, p. 6
  11. Macaulay 1986, p. 3; Sousa 1972a, p. 9
  12. a b c Macaulay 1986, p. 7
  13. Sousa 1972a, p. 12
  14. Costa 1972, pp. 12–13; Lustosa 2006, p. 43; Sousa 1972a, pp. 34, 47
  15. Macaulay 1986, p. 22; Sousa 1972a, pp. 39, 41
  16. Macaulay 1986, p. 29
  17. Sousa 1972a, pp. 125, 128
  18. Macaulay 1986, p. 189
  19. Calmon 1950, p. 33; Macaulay 1986, pp. 22, 33
  20. a b Macaulay 1986, p. 32
  21. Costa 1995, pp. 99–101; Lustosa 2006, p. 70; Sousa 1972a, p. 116
  22. a b Costa 1995, p. 101
  23. Sousa 1972a, p. 121
  24. Sousa 1972b, p. 101
  25. a b Barman 1999, p. 17
  26. a b c Macaulay 1986, p. 46
  27. Lustosa 2006, p. 58
  28. a b Macaulay 1986, p. 36
  29. Macaulay 1986, p. 37
  30. Macaulay 1986, pp. 175, 255; Sousa 1972b, p. 185; Sousa 1972c, p. 121
  31. Macaulay 1986, p. 177
  32. Barman 1988, p. 134
  33. Macaulay 1986, p. 51; Sousa 1972a, p. 252
  34. Lustosa 2006, p. 71; Sousa 1972a, p. 76
  35. Macaulay 1986, p. 53; Sousa 1972a, pp. 78–80
  36. Calmon 1950, p. 44; Costa 1972, p. 42
  37. Sousa 1972a, p. 96
  38. Calmon 1950, p. 49
  39. Barman 1988, p. 64
  40. a b Barman 1988, p. 68
  41. Macaulay 1986, pp. 47–48
  42. Costa 1995, p. 101; Lustosa 2006, p. 70; Sousa 1972a, pp. 121–122
  43. Sousa 1972a, p. 123
  44. a b Macaulay 1986, p. 93
  45. Barman 1988, p. 70; Calmon 1950, pp. 59–62; Sousa 1972a, pp. 158–164; Viana 1994, p. 395
  46. Barman 1988, p. 72; Calmon 1950, pp. 66–67; Sousa 1972a, pp. 203–217; Viana 1994, p. 396
  47. Barman 1988, p. 72
  48. Barman 1988, p. 72; Costa 1972, p. 69; Macaulay 1986, p. 86; Sousa 1972a, p. 227
  49. Sousa 1972a, pp. 232–233
  50. Macaulay 1986, p. 96
  51. Barman 1988, p. 74
  52. a b Lustosa 2006, p. 114
  53. Barman 1988, p. 74; Calmon 1950, pp. 75–76; Lustosa 2006, pp. 113–114
  54. Sousa 1972a, p. 242
  55. Barman 1988, p. 81; Sousa 1972a, p. 264
  56. Barman 1988, p. 82; Sousa 1972a, pp. 264–265
  57. Barman 1988, p. 83; Macaulay 1986, p. 107
  58. Barman 1988, p. 84; Calmon 1950, p. 82; Macaulay 1986, p. 107
  59. Barman 1988, p. 78
  60. Barman 1988, p. 84; Macaulay 1986, pp. 109–110
  61. Calmon 1950, p. 85; Macaulay 1986, p. 116
  62. Barman 1988, pp. 90–91, 96; Macaulay 1986, pp. 119, 122–123
  63. Macaulay 1986, p. 124
  64. Barman 1988, p. 96
  65. Barman 1988, p. 96; Macaulay 1986, p. 125; Sousa 1972b, p. 31
  66. Barman 1988, pp. 104–106; Viana 1994, pp. 420–422
  67. Barman 1988, p. 110; Lustosa 2006, p. 139; Sousa 1972a, p. 307
  68. Barman 1988, p. 101; Macaulay 1986, p. 148; Sousa 1972b, p. 71
  69. Barman 1988, p. 92
  70. Barman 1988, pp. 100, 272; Calmon 1950, p. 93; Macaulay 1986, pp. 121, 129–130
  71. Macaulay 1986, p. 120
  72. Barman 1988, p. 116; Macaulay 1986, pp. 153–154
  73. Barman 1988, p. 117
  74. Barman 1988, p. 118; Macaulay 1986, p. 157; Viana 1994, p. 429
  75. Barman 1988, p. 123; Lustosa 2006, p. 174; Macaulay 1986, p. 162; Sousa 1972b, pp. 166, 168; Viana 1994, p. 430
  76. a b c Macaulay 1986, p. 165
  77. a b Barman 1988, p. 122
  78. Barman 1988, p. 121
  79. a b Macaulay 1986, p. 166
  80. Barman 1988, p. 278
  81. Viana 1994, p. 435
  82. Barman 1988, p. 128; Macaulay 1986, p. 184; Sousa 1972b, p. 193
  83. Barman 1988, pp. 140–141; Macaulay 1986, pp. 184–185; Sousa 1972b, pp. 195–197
  84. Barman 1988, p. 140; Sousa 1972b, p. 195
  85. Barman 1988, p. 141; Macaulay 1986, p. 186
  86. a b Barman 1988, p. 142
  87. Morato 1835, p. 26
  88. a b c d e f g Branco 1838, p. XXXVII
  89. Costa 1995, pp. 172–173
  90. Costa 1995, pp. 195–197
  91. Costa 1995, pp. 197, 199
  92. Barman 1988, p. 148
  93. a b Macaulay 1986, p. 226
  94. Macaulay 1986, p. 295
  95. Macaulay 1986, pp. 255, 295
  96. Barman 1988, pp. 147–148; Macaulay 1986, p. 239
  97. Barman 1988, p. 125
  98. Barman 1988, p. 128
  99. Sousa 1972b, p. 206
  100. Macaulay 1986, p. 190
  101. Macaulay 1986, pp. 168, 190
  102. Barman 1988, p. 146
  103. Barman 1999, p. 16; Lustosa 2006, pp. 192, 231, 236
  104. Barman 1988, p. 136
  105. Macaulay 1986, pp. 201–202
  106. Macaulay 1986, p. 202
  107. Costa 1972, pp. 123–124; Macaulay 1986, p. 202; Rangel 1928, pp. 178–179
  108. Calmon 1975, pp. 14–15; Costa 1995, p. 86; Rangel 1928, pp. 162–163
  109. Rangel 1928, p. 163
  110. Calmon 1950, p. 137; Calmon 1975, p. 14
  111. a b Sousa 1972b, p. 242
  112. Costa 1995, p. 86
  113. Tavares, Ingrid (3 de abril de 2013). «Infecção, e não briga, causou aborto e morte de mulher de Dom Pedro 1º». UOL. Consultado em 3 de abril de 2016. 
  114. a b Barman 1988, p. 147
  115. Barman 1988, p. 151; Macaulay 1986, p. 211
  116. Barman 1999, p. 24
  117. Costa 1995, p. 88; Lustosa 2006, p. 250; Rangel 1928, p. 193; Sousa 1972b, p. 260
  118. Costa 1995, p. 88; Rangel 1928, p. 195
  119. Lustosa 2006, p. 250
  120. Lustosa 2006, p. 262
  121. a b Lustosa 2006, p. 252
  122. Sousa 1972b, p. 320
  123. Sousa 1972b, p. 326
  124. Costa 1995, p. 94; Sousa 1972c, p. 8
  125. Lustosa 2006, p. 285; Sousa 1972c, p. 15
  126. Macaulay 1986, p. 235; Rangel 1928, p. 274
  127. a b c Barman 1988, p. 156
  128. Costa 1995, p. 94; Macaulay 1986, pp. 231, 241; Sousa 1972c, pp. 10, 16–17
  129. Lustosa 2006, p. 283; Macaulay 1986, p. 236
  130. Barman 1988, pp. 114, 131, 134, 137–139, 143–146, 15; Macaulay 1986, pp. 195, 234
  131. Barman 1988, pp. 136–138; Macaulay 1986, p. 229
  132. Macaulay 1986, pp. x, 193, 195, 219, 229, 221; Viana 1994, p. 445
  133. Viana 1994, p. 476
  134. Macaulay 1986, p. 229
  135. Macaulay 1986, p. 244
  136. Calmon 1950, pp. 155–158; Macaulay 1986, p. 243
  137. Macaulay 1986, p. 174
  138. Macaulay 1986, pp. 216–217, 246
  139. Lustosa 2006, pp. 129, 131; Macaulay 1986, p. 215
  140. Lustosa 2006, p. 131; Macaulay 1986, p. 214
  141. Lustosa 2006, pp. 128–129; Macaulay 1986, p. 108
  142. Macaulay 1986, p. 195
  143. a b Barman 1988, p. 159
  144. Sousa 1972c, p. 44
  145. a b Barman 1988, p. 157
  146. Barman 1988, p. 138
  147. Barman 1988, p. 154; Sousa 1972c, p. 127; Viana 1966, p. 24
  148. Barman 1988, p. 158; Macaulay 1986, pp. 246–147
  149. Macaulay 1986, p. 250
  150. Barman 1988, p. 159; Macaulay 1986, p. 251; Sousa 1972c, p. 108
  151. Barman 1988, p. 159; Macaulay 1986, p. 251; Sousa 1972c, p. 110
  152. Barman 1988, p. 159; Calmon 1950, pp. 192–193; Macaulay 1986, p. 252
  153. Macaulay 1986, p. 252; Sousa 1972c, p. 114
  154. Macaulay 1986, pp. 254–257; Sousa 1972c, pp. 117, 119, 142–143
  155. a b Macaulay 1986, p. 257
  156. Sousa 1972c, pp. 149, 151
  157. Macaulay 1986, pp. 257–260, 262
  158. a b Sousa 1972c, p. 158
  159. a b Macaulay 1986, p. 259
  160. Macaulay 1986, p. 267
  161. Barman 1988, p. 281; Calmon 1975, p. 36
  162. Costa 1995, p. 117; Jorge 1972, p. 203
  163. Lustosa 2006, p. 306
  164. Calmon 1950, p. 207; Costa 1995, p. 222; Lustosa 2006, p. 320
  165. Costa 1972, pp. 174–179; Macaulay 1986, pp. 269–271, 274; Sousa 1972c, pp. 221–223
  166. Costa 1995, pp. 222, 224; Macaulay 1986, pp. 268–269; Sousa 1972c, pp. 201, 204
  167. Macaulay 1986, p. 293; Sousa 1972c, p. 287
  168. Calmon 1950, pp. 222–223; Costa 1995, pp. 311–317; Macaulay 1986, pp. 276, 280, 282, 292; Sousa 1972c, pp. 241–244, 247
  169. Macaulay 1986, p. 290
  170. Macaulay 1986, pp. 295, 297–298; Sousa 1972c, pp. 291, 293–294
  171. Lustosa 2006, pp. 72–73
  172. Macaulay 1986, p. 302
  173. Macaulay 1986, p. 304; Sousa 1972c, p. 302
  174. Jorge 1972, pp. 198–199
  175. Costa 1995, p. 312; Macaulay 1986, p. 305; Sousa 1972c, p. 309
  176. a b Macaulay 1986, p. 305
  177. a b Sousa 1972c, p. 309
  178. Barman 1999, p. 433
  179. Macaulay 1986, p. 299
  180. a b Calmon 1975, p. 81
  181. Barman 1988, p. 178
  182. Jorge 1972, p. 204; Sousa 1972c, pp. 309, 312
  183. Armitage, John (1836). The History of Brazil, from the period of the arrival of the Braganza family in 1808, to the abdication of Don Pedro The First in 1831 2 (Londres: Smith, Elder & Co). p. 139–140. 
  184. Calmon 1975, p. 900
  185. Bello, Paola (19 de fevereiro de 2013). «Exumação inédita de Dom Pedro I e suas mulheres permite confrontar registros históricos». Veja. Consultado em 5 de abril de 2016. 
  186. Macaulay 1986, p. x
  187. Rodrigues, José Carlos (1863). A Constituição política do Império do Brasil (Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert). p. 71. 
  188. Palácio de Queluz (1986). D. Pedro d'Alcântara de Bragança, 1798–1834 (Lisboa: Secretária de Estado). p. 24. 
  189. Barman 1999, p. 11
  190. Branco 1838, pp. XXXVI–XXXVII
  191. Barman 1999, p. 438
  192. Morato 1835, p. 17
  193. Morato 1835, pp. 33–34
  194. Barman 1999, p. 42
  195. Morato 1835, pp. 17–18
  196. Morato 1835, pp. 18–19, 34
  197. Morato 1835, pp. 31–32, 35–36
  198. a b c d Rangel 1928, p. 447
  199. Barman 1999, p. 148
  200. Sousa 1972b, p. 229
  201. Viana 1968, p. 204
  202. Rodrigues, José Honório (1975). Independência: revolução e contra-revolução 4 (Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora). p. 22. 
  203. Lira, Heitor (1977). História de Dom Pedro II (1825–1891): Ascenção (1825–1870) 1 (Belo Horizonte: Itatiaia). p. 276. 
  204. a b Viana 1968, p. 206
  205. Viana 1968, p. 205
  206. Rezzutti, Paulo (2015). D. Pedro, a história não contada 1ª ed. (São Paulo: LeYa). p. 369, 432. ISBN 978-85-7734-583-0. 
  207. Barman 1999, p. 8

Bibliografia

  • Barman, Roderick J. (1988). Brazil: The Forging of a Nation, 1798–1852 (Stanford: Stanford University Press). ISBN 978-0-8047-1437-2. 
  • Barman, Roderick J. (1999). Citizen Emperor: Pedro II and the Making of Brazil, 1825–1891 (Stanford: Stanford University Press). ISBN 978-0-8047-3510-0. 
  • Branco, João Carlos Feo Cardoso de Castello (1838). Resenha das familias titulares do reino de Portugal: Acompanhada das notícias biográphicas de alguns indivíduos da mesmas famílias (Lisboa: Imprensa Nacional). 
  • Calmon, Pedro (1950). O Rei Cavaleiro 6ª ed. (São Paulo: Edição Saraiva). 
  • Calmon, Pedro (1975). História de D. Pedro II (Rio de Janeiro: José Olímpio). 
  • Costa, Sérgio Correia (1972). Every Inch a King: A Biography of Dom Pedro I First Emperor of Brazil (Londres: Robert Hale). ISBN 978-0-7091-2974-5. 
  • Costa, Sérgio Correia (1995). As quatro coroas de D. Pedro I (Rio de Janeiro: Paz e Terra). ISBN 978-85-219-0129-7. 
  • Jorge, Fernando (1972). Os 150 anos da nossa independendência (Rio de Janeiro: Mundo Musical). 
  • Lustosa, Isabel (2006). D. Pedro I: um herói sem nenhum caráter (São Paulo: Companhia das Letras). ISBN 978-85-359-0807-7. 
  • Morato, Francisco de Aragão (1835). Memória sobre a soccessão da coroa de Portugal, no caso de não haver descendentes de Sua Magestade Fidelíssima a rainha D. Maria II (Lisboa: Typographia de Firmin Didot). 
  • Macaulay, Neill (1986). Dom Pedro: The Struggle for Liberty in Brazil and Portugal, 1798–1834 (Durham: Duke University Press). ISBN 978-0-8223-0681-8. 
  • Rangel, Alberto (1928). Dom Pedro Primeiro e a Marquesa de Santos 2ª ed. (Tours: Arrault). 
  • Sousa, Otávio Tarquínio de (1972a). A vida de D. Pedro I 1 (Rio de Janeiro: José Olímpio). 
  • Sousa, Otávio Tarquínio de (1972b). A vida de D. Pedro I 2 (Rio de Janeiro: José Olímpio). 
  • Sousa, Otávio Tarquínio de (1972c). A vida de D. Pedro I 3 (Rio de Janeiro: José Olímpio). 
  • Viana, Hélio (1968). Vultos do Império (São Paulo: Companhia Editora Nacional). 
  • Viana, Hélio (1994). História do Brasil: período colonial, monarquia e república 15ª ed. (São Paulo: Melhoramentos). ISBN 978-85-06-01999-3. 


Pedro I do Brasil & IV de Portugal
Casa de Bragança
Ramo da Casa de Avis
12 de outubro de 1798 – 24 de setembro de 1834
Título criado
Reino Unido de Portugal,
Brasil e Algarves
Grandes armas do Brasil.png
Imperador do Brasil
12 de outubro de 1822 – 7 de abril de 1831
Sucedido por
Pedro II
Precedido por
João VI
Coat of Arms of the Kingdom of Portugal (1640-1910).png
Rei de Portugal e Algarves
10 de março de 1826 – 2 de maio de 1826
Sucedido por
Maria II
Coat of Arms of the Prince of Portugal (1481-1910).png
Príncipe Real de Portugal
9 de janeiro de 1817 – 10 de março de 1826
Sucedido por
Pedro V