Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos
Nascimento 17 de outubro de 1688
Morte 1756 (68 anos)

Dom Pedro Miguel de Almeida Portugal e Vasconcelos (17 de outubro de 16881756), 3.° Conde de Assumar, 1.º Marquês de Castelo Novo e 1.° Marquês de Alorna, 3.° Governador e Capitão-mor da Capitania de São Paulo e Minas do Ouro, no Brasil, e ainda 44.º Vice-Rei da Índia.

Foi indicado pela Coroa de Portugal como terceiro governador da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro (Real Capitania das Minas de Ouro e dos Campos Gerais dos Cataguases), visando manter a ordem entre os mineiros da região e garantir as rendas da Coroa.

Chegou ao Brasil em Julho de 1717, desembarcando no Rio de Janeiro, onde permaneceu por alguns dias, seguindo viagem por mar até Santos e depois por terra até São Paulo, onde tomou posse da Capitania a 4 de Setembro, em cerimônia na Igreja do Carmo. No final desse mês iniciou visita de inspeção às Minas Gerais

Durante o seu governo no Brasil, herdou de seu pai o título de Conde de Assumar (1718).

Uma de suas ações mais conhecidas na história do Brasil foi a repressão praticada contra a Sedição de Vila Rica, popularmente conhecida como Revolta de Felipe dos Santos (1720), onde, após ter simulado concordar com as reivindicações estabelecendo a paz com os revoltosos, ordenou às suas tropas a invasão do arraial, tendo feito deter os cabeças. Felipe dos Santos foi amarrado a um cavalo e arrastado até à morte pelas ruas do arraial, enquanto as casas dos implicados eram incendiadas.

Em 1744 foi nomeado Vice-Rei da Índia, onde derrotou o rajá Bounsoló, com a tomada da Fortaleza de Alorna, pela qual foi lhe dado o título de marquês.

Foi ele que disse a célebre frase "Sepultar os mortos, cuidar dos vivos e fechar os portos", que serviu de mote à reconstrução de Lisboa após o terrível terramoto de 1755, como à pergunta do rei D. José I de Portugal sobre o que fazer perante a catástrofe[1] .

Referências

Precedido por
Brás Baltazar da Silveira
Governador da capitania de
São Paulo e Minas do Ouro

14 de Setembro de 1717 — 4 de Setembro de 1721
Sucedido por
Rodrigo César de Meneses
Precedido por
Conselho de Governo Interino: Francisco de Vasconcelos, Lourenço de Noronha e Luís Caetano de Almeida
Vice-Rei da Índia Portuguesa
1744 — 1750
Sucedido por
Francisco de Assis de Távora
Precedido por
João de Almeida
Conde de Assumar
(3.º)

1733 — 1756
Sucedido por
João de Almeida Portugal
Precedido por
nova criação
Marquês de Castelo Novo
(1.º)

24 de Março de 1744 — 1756
Sucedido por
título substituído pelo
de Marquês de Alorna
Precedido por
nova criação
Marquês de Alorna
(1.º)

9 de Novembro de 1748 — 1756
Sucedido por
João de Almeida Portugal


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.