Pedro Gondim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pedro Moreno Gondim)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o político brasileiro. Se procura o bairro de João Pessoa, veja Pedro Gondim (João Pessoa).
Pedro Moreno Gondim
30° Governador da  Paraíba
Período 4 de janeiro de 1958 até
18 de março de 1960
Antecessor(a) Flávio Ribeiro Coutinho
Sucessor(a) José Fernandes de Lima
32° Governador da  Paraíba
Período 31 de janeiro de 1961 até
31 de janeiro de 1966
Antecessor(a) José Fernandes de Lima
Sucessor(a) João Agripino Filho
Vice-governador da  Paraíba
Período 31 de janeiro de 1956 até
4 de janeiro de 1958
Vida
Nascimento 1 de maio de 1914
Alagoa Nova,  Paraíba
Morte 26 de julho de 2005 (91 anos)
João Pessoa,  Paraíba
Dados pessoais
Progenitores Mãe: Eulina Moreno Gondim
Pai: Inácio Costa Gondim
Prole Nilda Gondim
Alma mater Faculdade do Recife
Partido Partido Social Democrático, Arena, PMDB
Profissão Advogado e político

Pedro Moreno Gondim (Alagoa Nova, 1 de maio de 1914João Pessoa, 26 de julho de 2005) foi um político brasileiro.

Filho de Inácio Costa Gondim e de Eulina Moreno Gondim, cursou o primário em Alagoa Nova e o curso secundário no Lyceu Paraibano, na capital, bacharelou-se em direito, em 1938, na Faculdade do Recife. Exerceu a advocacia, atuando na Paraíba e nos estados vizinhos.

Foi um dos fundadores do Partido Social Democrático (PSD), tendo em 1946 sido eleito deputado estadual, reelegendo-se para um segundo mas não exerceu por ter sido designado pelo governador José Américo de Almeida para ser secretário da Agricultura, Viação e obras Públicas do estado da Paraíba.

Foi também eleito vice-governador, e no período, 1958-1960 assumiu o governo do estado pois o governador Flávio Ribeiro Coutinho afastou-se por motivos de saúde. Em 1960 afasta-se do governo para candidatar-se ao cargo de governador sendo eleito, derrotando Janduhy Carneiro.

Com o golpe de 1964, ainda continua no cargo até 1966 quando se candidata a deputado federal pela Arena e repassa o cargo ao então governador eleito João Agripino porém são cassados seus direitos políticos por dez anos e perde seu mandato de deputado e somente em 1979 é anistiado pelo presidente João Figueiredo.

Retoma as atividades políticas, filiando-se ao PMDB e candidatou-se ao Senado Federal, atendendo aos apelos de amigos e às conveniências do partido. Não tendo alcançado a vitória, afastou-se da política, continuando, como ele próprio afirmou "colaborador e não postulante". Em 1985, ocupou uma diretoria do Banco do Nordeste, deixando o cargo ao término do mandato em 1990.

Suaa família ainda teve representantes na política e hoje ainda tem forte influência política no estado.

Seus herdeiros políticos são:


Precedido por
Flávio Ribeiro Coutinho
Governador da Paraíba
1958 — 1960
Sucedido por
José Fernandes de Lima
Precedido por
José Fernandes de Lima
Governador da Paraíba
1961 — 1966
Sucedido por
João Agripino