Pedro Nuno Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pedro Nuno Santos
Retrato oficial de Pedro Nuno Santos
Ministro(a) de Portugal
Período 18 de fevereiro de 2019
a 26 de outubro de 2019

XXI Governo Constitucional

Período 26 de outubro de 2019
a atualidade

XXII Governo Constitucional

Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares de Portugal
Período 26 de novembro de 2015
a 18 de fevereiro de 2019

XXI Governo Constitucional

Dados pessoais
Nascimento 13 de abril de 1977 (44 anos)
São João da Madeira, São João da Madeira, Portugal
Nacionalidade Português
Partido Partido Socialista

Pedro Nuno de Oliveira Santos (São João da Madeira, São João da Madeira, 13 de abril de 1977) é um economista, político e ministro português do Partido Socialista.

É licenciado em Economia, pelo ISEG-UTL.

Foi secretário-geral da Juventude Socialista, de 2004 a 2008. Deputado à Assembleia da República na X e XII Legislatura. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, de novembro de 2015 a fevereiro de 2019.

Em fevereiro de 2019 foi nomeado ministro das Infraestruturas e da Habitação, cargo que manteve no XXII Governo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Maria Augusta Leite de Oliveira Santos e de Américo Augusto dos Santos, empresário do grupo Tecmacal, do ramo do calçado e de equipamento industrial, de São João da Madeira,[1][2] e durante algum tempo vereador pelo PS na Câmara Municipal dessa cidade.[3]

No campo associativo, foi Presidente da Associação de Estudantes da Escola Secundária Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira, Presidente da Mesa da Reunião Geral de Alunos (RGA) do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa e Membro da Direcção da Associação de Estudantes do mesmo, onde se licenciou em Economia.[4]

Serviu um mandato como Presidente da Assembleia de Freguesia de São João da Madeira, Deputado da Assembleia Municipal de São João da Madeira, Presidente da Federação de Aveiro da Juventude Socialista e Secretário-Geral da Juventude Socialista (2004-2008).

Foi Deputado na X e XII Legislatura, tendo sido, na última Legislatura, responsável pela Comissão de Economia e pela Comissão Parlamentar de Inquérito ao caso BES e foi Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista e membro da Comissão Permanente da Assembleia da República. Foi Presidente da Federação de Aveiro do Partido Socialista.

No primeiro governo de António Costa, ocupou o cargo de Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e foi o responsável pela coordenação com os partidos que formaram a solução governativa conhecida como "geringonça" e que juntou Partido Socialista, Partido Comunista Português, Bloco de Esquerda e Partido Ecologista Os Verdes).

Desde os tempos em que era líder da JS que Pedro Nuno Santos defende entendimentos entre os partidos da esquerda portuguesa. Visto como o verdadeiro pivô dessa solução governativa, contou no currículo com a aprovação de quatro orçamentos do Estado.

Manifesta-se sempre orgulhoso desta solução governativa e convencido de que ela salvou não só o PS de seguir o caminho de outros partidos socialistas europeus, como salvou também o país de ver florescer partidos populistas. Já como ministro das Infraestruturas e da Habitação e com o PS a governar em minoria, Pedro Nuno Santos tem defendido esses acordos à esquerda. [5]

É uma das caras da ala mais à esquerda do PS, frequentando inclusive a Festa do Avante!.[6], embora já tenha dito numa entrevista que “antes havia uma ala esquerda no PS, hoje há uma pequena ala direita (Jornal Sol, 08outubro2016)

É o atual Ministro das Infraestruturas e da Habitação no XXII Governo Constitucional.

A aposta na ferrovia tem estado no centro das suas preocupações e desde que tomou posse são vários os investimentos feitos nesta área, desde logo com a execução do Ferrovia 2020. Na CP tem sido responsável por um novo plano de recuperação de material circulante, que tem permitido colocar ao serviço dezenas de carruagens e locomotivas encostadas há muitos anos.

Foi ele o rosto da solução encontrada para salvar a TAP, através de um apoio público aprovado em Bruxelas, no valor de 1200 milhões de euros, que permitiu ao Estado ficar com 72,5% da companhia aérea nacional.

Tem sido defensor da construção do novo aeroporto de Lisboa no Montijo, e perante a oposição das autarquias do Seixal e da Moita a essa obra, veio afirmar que a lei que dá esse poder aos municípios deveria ser alterada.[7]

Pagamento da dívida soberana[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2011, num jantar de Natal do PS em Castelo Branco, Pedro Nuno Santos sugeriu que Portugal poderia ameaçar não pagar a sua dívida soberana naquelas condições, tendo defendido que o Governo deveria questionar as exigências dos credores internacionais, nomeadamente os banqueiros Alemães, ou renegociar a dívida para poupar os portugueses aos sacrifícios da austeridade.[8][9] Ironicamente, havia sido condecorado dois anos antes pelo próprio Governo Alemão.

Condecorações[10][editar | editar código-fonte]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Pedro Nuno Santos tem-se afirmado como possível candidato a líder do PS, na sucessão a António Costa.[11][12]

Tem 1,88 m de altura e é namorado de Ana Catarina Gamboa, chefe de Gabinete do secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Parlamentares.[13][14]

Referências

  1. José Pedro Mozos, Rita Tavares e Sónia Simões (31 de julho de 2019). «Pai de Pedro Nuno Santos também fez negócios com o Estado com o filho no Governo». Observador. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  2. Tecmacal
  3. Alberto Oliveira e Silva (29 de março de 2009). «S. João da Madeira: Pedro Nuno Santos vai tentar conquistar Câmara para o PS». Portal d'Aveiro. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  4. Página de biografia no Parlamento
  5. «Pedro Nuno Santos defende acordo formal com partidos da esquerda». TSF Rádio Notícias. 18 de julho de 2020. Consultado em 26 de março de 2021 
  6. Lusa (7 de setembro de 2018). «Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares sábado na Festa do Avante!». Jornal Público. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  7. Ana Suspiro (10 de fevereiro de 2020). «Câmaras podem chumbar aeroporto do Montijo. Ministro diz que "quadro legal tem obviamente de ser revisto"». Observador. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  8. «Declarações de Pedro Nuno Santos sobre a dívida foram "infelizes", diz Marques Guedes». Jornal Público 
  9. Deputado do PS propõe ameaçar não pagar a dívida ao estrangeiro (15.12.2011)
  10. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "Pedro Nuno de Oliveira Santos". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 12 de janeiro de 2021 
  11. São José Almeida (14 de junho de 2019). «Pedro Nuno Santos: Afirmar-se para suceder a Costa, demarcando-se dele». Jornal Público. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  12. Pedro Nuno Santos sugere a Cavaco que vote no PCP
  13. «Mulher do ministro Pedro Nuno Santos no governo». Jornal de Notícias. 16 de março de 2019. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 
  14. Octávio Lousada Oliveira e Bruno Faria Lopes (10 de novembro de 2017). «Secretário de Estado põe Porsche à venda». Sábado. Consultado em 29 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Carlos Costa Neves
(como ministro dos Assuntos Parlamentares)
Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares
XXI Governo Constitucional
2015 – 2019
Sucedido por
Duarte Cordeiro
(como Secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro e dos Assuntos Parlamentares)
Precedido por
Pedro Marques
(como ministro do Planeamento e das Infraestruturas)
Cargo vago
(pasta da Habitação)
Anterior titular:
José Luís Arnaut
(2004–2005)
(como Ministro das Cidades, Administração Local,
Habitação e Desenvolvimento Regional)
Ministro das Infraestruturas e da Habitação
XXI e XXII Governo Constitucional
2019 – presente
Sucedido por
Em funções
Ícone de esboço Este artigo sobre um político português é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.