Pedro Paulo Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pedro Paulo Dias de Carvalho
6.º Governador do Amapá Amapá
Período 4 de abril de 2010
até 31 de dezembro de 2010
Antecessor(a) Waldez Góes
Sucessor(a) Camilo Capiberibe
Vice-governador do Amapá Amapá
Período 1 de janeiro de 2003
4 de abril de 2010
Antecessor(a) Dalva Figueiredo
Sucessor(a) Doralice Nascimento
Dados pessoais
Nascimento 29 de junho de 1959 (58 anos)
Chaves,PA
Nacionalidade brasileiro(a)
Progenitores Mãe: Adair Dias de Carvalho
Pai: Elpídio Magalhães de Carvalho
Cônjuge Lívia Carvalho
Partido PP
Religião Católico
Profissão Médico

Pedro Paulo Dias de Carvalho (Chaves, 29 de junho de 1959) é um médico e político brasileiro, ex-governador do Estado do Amapá.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na Ilha Caviana, município de Chaves, no Pará. Filho do agricultor Elpídio Magalhães de Carvalho e da dona de casa Adair Dias de Carvalho, é o oitavo de uma família de nove filhos.

Pedro Paulo chega ainda criança na cidade de Macapá, capital do então Território Federal do Amapá, onde cursou o ensino fundamental nos Colégios Barão do Rio Branco e Colégio Amapaense. Aos 16 anos de idade foi matriculado na Escola Agrotécnica de Manaus, no curso de Técnicas Agrícolas, em regime de internato, onde concluiu o ensino médio.

Em 1978 ingressou na antiga Faculdade Estadual de Medicina do Pará (FEMP), na época pertencente à antiga Fundação Educacional do Pará (FEP), hoje Universidade do Estado do Pará (UEPA), concluindo o curso em 1983. Posteriormente, mudou para São Paulo e, como médico residente, conclui duas especializações: uma em urologia e outra em cirurgia geral.

Em 1987 iniciou suas atividades médicas no Hospital Geral de Macapá, hoje Hospital de Clínicas Alberto Lima (HCAL), tendo sido nomeado pelo então governador do Amapá, Annibal Barcellos, no início da década de 1990, diretor clínico do Pronto-Socorro Oswaldo Cruz, hoje Hospital de Emergências.

Pedro Paulo fundou, juntamente com seus irmãos também médicos (Raimundo, Elpídio e Benedito), a Clínica Santa Rita, em fevereiro de 1988, passando a ganhar visibilidade na política amapaense, apoiando nos bastidores as eleições de seus irmãos Fernando Dias (vereador de Macapá em 1988 e 1992), João Dias (deputado estadual em 1990 e 1994) e Benedito Dias (deputado federal em 1998 e 2002), e sendo indicado candidato a vice-governador na chapa encabeçada pelo então ex-deputado estadual Antônio Waldez Góes da Silva, que havia sido derrotado no segundo turno por João Capiberibe nas eleições para governador em 1998, e por Annibal Barcellos, nas eleições para prefeito de Macapá em 1996.

No ano de 2002, Pedro Paulo foi eleito vice-governador do Estado do Amapá, cargo para o qual foi reeleito nas eleições de 2006, assumindo, em seguida, a presidência do Diretório Regional do Partido Progressista (PP) no Amapá.

Em 2007, foi nomeado secretário de Estado da Saúde do Amapá, em meio a uma séria crise na área, durante o primeiro ano do segundo mandato do governador Waldez Góes. Permaneceu no cargo até abril de 2010, quando assumiu o cargo de governador do Estado do Amapá, com a renúncia do titular que, na época, lançava-se candidato ao Senado Federal. Em junho daquele ano, foi lançada a sua candidatura à reeleição, tendo como candidato a vice-governador Alberto Góes do Partido Democrático Trabalhista (PDT), mas foi derrotado, ficando em quarto lugar na votação geral para governador.

Em 10 de setembro de 2010, foi preso pela Polícia Federal, junto de outras 17 pessoas, durante a Operação Mãos Limpas, todos acusados de integrar uma organização criminosa que desviava recursos públicos da educação do estado do Amapá e da União estimados em R$ 300 milhões.[1] Foi solto da carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, em 20 de setembro,[2] reassumindo o cargo de governador.

Em janeiro de 2011, transmitiu o cargo de governador a Camilo Capiberibe, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), voltando às suas atividades como médico-cirurgião no Hospital São Camilo e São Luís e no Hospital de Clínicas Alberto Lima (HCAL), na cidade de Macapá[3].

Referências

  1. «Ex-governador do Amapá Waldez Goés também é preso, diz advogado». G1. 10 de setembro de 2010. Consultado em 29 de outubro de 2010 
  2. Alcinéa Cavalcante (20 de setembro de 2010). «Solto pela PF, Pedro Paulo reassume governo do AP». O Estado de S. Paulo. Consultado em 29 de outubro de 2010 
  3. http://www.doctoralia.com.br>medicos>urologistas.macapa


Precedido por
Waldez Góes
Governador do Amapá
2010
Sucedido por
Camilo Capiberibe


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.