Pedro de Lucena Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pedro Lucena
Replace this image male.png
Pedro Lucena
Deputado federal pelo Rio Grande do Norte
Período 1971-1983
Deputado estadual pelo Rio Grande do Norte
Período 1963-1971
Dados pessoais
Nascimento 23 de outubro de 1921
Pirpirituba, PB
Morte 4 de março de 2019 (97 anos)
Natal, RN
Alma mater Universidade Federal de Pernambuco
Cônjuge Maria das Neves Lucena
Partido PTN, MDB, PP, PMDB, PFL, PT
Profissão médico, professor

Pedro de Lucena Dias (Pirpirituba, 23 de outubro de 1921Natal, 4 de março de 2019), foi um médico, professor e político brasileiro que representou o Rio Grande do Norte como deputado federal.[1][2][3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Eustáquio Dias Fernandes e Noêmia de Lucena Dias. Médico formado em 1953 pela Universidade Federal de Pernambuco, especializou-se em cirurgia plástica no ano seguinte na mesma instituição. Também em 1954 voltou à Paraíba onde permaneceu por sete anos e neste período foi chefe do serviço médico do Departamento de Correios e Telégrafos (DCT) e encarregado do Dispensário Estadual da Lepra no governo Dinarte Mariz,[4] sendo que concluiu, em 1961, o curso do Serviço Nacional da Lepra em João Pessoa e após migrar para o Rio Grande do Norte foi professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.[1]

Ambientado à política potiguar, elegeu-se deputado estadual via PTN em 1962, ingressou no MDB quando o Regime Militar de 1964 impôs o bipartidarismo graças ao Ato Institucional Número Dois sendo reeleito em 1966. Neste mesmo ano assumiu a vice-presidência do diretório estadual do MDB, onde permaneceu por dez anos.[3] Correligionário de Aluizio Alves, foi eleito deputado federal em 1970, 1974 e 1978, integrou o PP mediante o fim do bipartidarismo e pouco depois filiou-se ao PMDB,[2][5] sendo candidato a vice-governador quando Alves foi candidato ao Palácio Potengi[nota 1] em 1982, mas foram derrotados pela chapa do PDS liderada por José Agripino Maia e Radir Pereira de Araújo.[1][2]

Com a instauração da Nova República, Wilma de Faria[nota 2] foi candidata a prefeita de Natal pelo PDS tendo Pedro Lucena como candidato a vice-prefeito pelo PFL,[6] mas a vitória coube ao PMDB com Garibaldi Alves Filho e Roberto Furtado. Em 1986 Lucena disputou sua última eleição figurando como suplente de deputado estadual via PFL.[2] Desde então dedicou-se apenas à medicina.

Conforme o Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getulio Vargas, em 2009 seu nome constava num edital de convocação expedido pelo PT para regularizar sua inscrição no cadastro nacional de filiados à legenda.[1]

Notas

  1. Atualmente a sede do governo potiguar fica no Centro Administrativo Lagoa Nova enquanto o Palácio Potengi abriga a Pinacoteca do Estado do Rio Grande do Norte.
  2. Por ocasião das eleições municipais em Natal em 1985, Wilma de Faria usava o nome de "Wilma Maia" por conta de seu casamento com Lavoisier Maia.

Referências

  1. a b c d «Biografia de Pedro Lucena no CPDOC/FGV». Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  2. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  3. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Pedro Lucena». Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  4. Tribuna do Norte (4 de março de 2019). «Ex-deputado e médico Pedro Lucena morre aos 97 anos». tribunadonorte.com. Tribuna do Norte. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  5. PP e PMDB decidem unir-se (online). Folha de S.Paulo, São Paulo (SP), 21/12/1981. Capa. Página visitada em 30 de dezembro de 2019.
  6. Natal saiu na frente com Vilma (sic) (online). Diário de Natal, Natal (RN), 13/08/1985. Capa. Página visitada em 30 de dezembro de 2019.