Pedro Paixão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pedro paixão)
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o integrante do grupo Moonspell, veja Pedro Paixão (músico).
Pedro Paixão
Nascimento
Lisboa,  Portugal
Género literário Romance, fotografia

Pedro José de Carvalho Paixão (Lisboa, 7 de Fevereiro de 1956) é um escritor e fotógrafo português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho dum engenheiro agrónomo, originário da Beira Alta, e duma farmacêutica natural de Pawtucket, Rhode Island, embora luso-descendente, Pedro Paixão estudou no Lyceé Français Charles Lepierre e no Liceu Normal de Pedro Nunes, após o que foi estudar Economia no Instituto Superior de Economia da Universidade Técnica de Lisboa. Ao fim de três anos optaria pela Filosofia, partindo para a Bélgica, onde se licenciou (1983) e doutorou (1986), pela Universidade Católica de Lovaina. A sua tese de doutoramento versou o conceito de vida.

Ainda nos tempos de estudante foi membro da JEC e de uma organização política clandestina, que estaria na base do MES; mas abandonou aquela estrutura ainda em 1974.

Leccionou na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa e na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Quando deixou a vida académica, em 2004, era professor auxiliar nesta última Faculdade, leccionando as disciplinas de Filosofia Contemporânea e Estudos Aprofundados de Fenomenologia.

Em 1988, com Miguel Esteves Cardoso, fundou a empresa de publicidade Massa Cinzenta, de que foi sócio-gerente, até 1995. Também, por volta de 1987-88, ao lado de Miguel Esteves Cardoso e Paulo Portas, ajudou a fundar o jornal O Independente, integrando o seu Conselho de Direcção nos primeiros sete números. Ainda hoje colabora com a imprensa, ocasionalmente com Público e, mensalmente, na revista Playboy.

Estreou-se na literatura com A Noiva Judia, em 1992. Tem publicados ao todo dezoito livros, dois álbuns de fotografia, duas peças de teatro e um texto para ópera, além de ter escrito também guiões para filmes. A temática do amor, quase sempre frustrado ou à beira da frustração, ocupa uma grande parte do universo ficcional do autor. A mulher, nas suas diversas manifestações (musa, demónio, aparição, sonho e tentação) aparece na vida dos seus personagens para logo desaparecer, permanentemente ou não. Segue-se a busca, a procura dessas personagens, ora etéreas, ora matérias. O paradoxo entre Filosofia e Religião é constante.

Pedro Paixão afirma nunca ter recebido qualquer prémio ou ter sido convidado para representar o seu país «onde quer que fosse». Não é membro de qualquer associação, clube, partido ou igreja. Afirma também nunca ter votado. É casado pela quarta vez, sendo pai de um filho, e vive em Santo António do Estoril[1]. Sofre de doença bipolar desde os 19 anos.

Lista de publicações[editar | editar código-fonte]

(sem preocupações cronológicas)

  • A Noiva Judia (1992)
  • Vida de Adulto (1992)
  • Boa Noite (1993)
  • Histórias Verdadeiras (1994)
  • Viver Todos os Dias Cansa (1995)
  • Muito, meu amor (1996)
  • Nos Teus Braços Morreríamos (1998)
  • Amor Portátil (1999)
  • Barely Legal (com fotos - 1999)
  • Saudades de Nova York (2000)
  • 47 W 17 (com fotos- 2000) [2]
  • Do Mal o Menos (2000) – 8 livros reunidos
  • A cidade depois (2001)
  • PortoKioto (2001) - Cotovia
  • 11 dias em Jerusalém (2002) - Cotovia
  • Girls in Bikini (2002) - Oficina do Livro
  • Cala a Minha Boca Com a Tua (2002) - Cotovia [3]
  • Quase Gosto da Vida Que Tenho (2004) - Quetzal ISBN 972-564-605-3
  • Ladrão de Fogo (2005) - PrimeBooks ISBN 972-88-20-54-2
  • Os Corações Também se Gastam(2005) - PrimeBooks ISBN 972-8820-73-9[4]
  • Asfixia (2006) - Quetzal ISBN 972-564-674-6
  • O Mundo É Tudo o que Acontece (2008) - Quetzal
  • A rapariga errada (2011);
  • Espécie de amor (2014);
  • O céu na boca (2014);

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Pedro Paixão