Pegada de carbono

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A pegada de carbono explicada
Emissões de CO₂ por região do mundo (Our World In Data)

Uma pegada de carbono é o total de emissões de gases de efeito estufa (GEE) causadas por um indivíduo, evento, organização, serviço, local ou produto, expresso em dióxido de carbono equivalente (CO2e).[1] Os gases do efeito estufa, incluindo os gases contendo carbono, como dióxido de carbono e metano, podem ser emitidos através da queima de combustíveis fósseis, desmatamento e produção e consumo de alimentos, bens manufaturados, materiais, madeira, estradas, edifícios, transporte e outros serviços.[2]

Na maioria dos casos, a pegada de carbono total não pode ser calculada exatamente devido ao conhecimento inadequado dos dados sobre as interações complexas entre os processos contribuintes, incluindo a influência de processos naturais que armazenam ou liberam dióxido de carbono. Por esta razão, Wright, Kemp e Williams propuseram a seguinte definição de pegada de carbono:

Uma medida da quantidade total de emissões de dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4) de uma população, sistema ou atividade definida, considerando todas as fontes, sumidouros e armazenamento relevantes dentro do limite espacial e temporal da população, sistema ou atividade de interesse. Calculado como equivalente de dióxido de carbono usando o potencial de aquecimento global relevante de 100 anos (GWP100).[3]

O Protocolo do Gás de Efeito Estufa ampliou a gama de gases

A norma abrange a contabilização e comunicação de sete gases de efeito estufa cobertos pelo Protocolo de Quioto – dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O), hidrofluorcarbonetos (HFCs), perfluorcarbonetos (PCFs), hexafluoreto de enxofre (SF6) e trifluoreto de nitrogênio (NF3).[4]

A pegada de carbono anual média global por pessoa em 2014 foi de cerca de cinco toneladas de CO2e.[5] Embora existam muitas maneiras de calcular uma pegada de carbono, a Nature Conservancy sugere que a pegada de carbono média para um cidadão americano é de dezesseis toneladas.[6] Esta é uma das taxas mais altas do mundo,[7] levando a novas políticas implementadas para reduzir a pegada de carbono. Estudiosos estimam que a cidade de Nova Iorque pode eliminar a pegada de carbono de seus edifícios até 2050. Com base em documentos da cidade e estatísticas nacionais, uma medida significativa diretamente controlada por Nova Iorque é a eliminação das emissões de carbono do aquecimento do distrito municipal, que pode representar até 30% das emissões de carbono relatadas da cidade de Nova Iorque e 58% das emissões de carbono relacionadas à energia.[8]

O uso de calculadoras domésticas de pegada de carbono originou-se quando a produtora de petróleo BP contratou a Ogilvy para criar uma campanha de "propaganda eficaz" para transferir a responsabilidade da poluição causadora das mudanças climáticas das corporações e instituições que criaram uma sociedade onde as emissões de carbono são inevitáveis ​​e para o estilo de vida pessoal escolhas. O termo "pegada de carbono" também foi popularizado pela BP.[9][10]

Referências

  1. «What is a carbon footprint?». Consultado em 24 de julho de 2009. Arquivado do original em 11 de maio de 2009 
  2. «The CO2 list (and original sources cited therein)». Consultado em 18 de março de 2011. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2021 
  3. Wright, L.; Kemp, S.; Williams, I. (2011). «'Carbon footprinting': towards a universally accepted definition». Carbon Management. 2 (1): 61–72. doi:10.4155/CMT.10.39 
  4. «Corporate Standard Greenhouse Gas Protocol». Consultado em 29 de julho de 2022 
  5. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :4
  6. «What is your carbon footprint?». The Nature Conservancy (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2021 
  7. «What is your carbon footprint?». The Nature Conservancy (em inglês). Consultado em 25 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2021 
  8. Zeng, Liyun; Li, Rita Yi Man; Mao, Yunyi; Chen, Hong; Zeng, Huiling (2022). «A comparative study on LinkedIn and Sina Weibo users' perceptions of the carbon-neutral city». Frontiers in Environmental Science. 10. ISSN 2296-665X. doi:10.3389/fenvs.2022.962367Acessível livremente  Text was copied from this source, which is available under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.
  9. Turner, James Morton (fevereiro de 2014). «Counting Carbon: The Politics of Carbon Footprints and Climate Governance from the Individual to the Global». Global Environmental Politics. 14 (1): 59–78. ISSN 1526-3800. doi:10.1162/glep_a_00214 
  10. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :3

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Association, Press (2014-09-09). "Greenhouse gas emissions rise at fastest rate for 30 years". The Guardian. ISSN 0261-3077. Retrieved 2017-11-03.
  • Climate change 2014. (2015). Retrieved from INTERGOVERNMENTAL PANEL website: http://www.ipcc.ch/pdf/assessment-report/ar5/syr/SYR_AR5_FINAL_full_wcover.pdf
  • "CO₂ and other Greenhouse Gas Emissions". Our World in Data. Retrieved 2017-11-03.
  • Division, US EPA, Office of Air and Radiation, Office of Atmospheric Programs, Climate Change. "Household Carbon Footprint Calculator". www3.epa.gov. Retrieved 2017-11-01
  • EPA, OA, US. "Climate Change Indicators: Greenhouse Gases | US EPA". US EPA. Retrieved 2017-11-08
  • EPA, OA, US. "Global Greenhouse Gas Emissions Data | US EPA". US EPA. Retrieved 2017-11-03.
  • EPA, OA, US. "Overview of Greenhouse Gases | US EPA". US EPA. Retrieved 2017-11-01
  • Holli, Riebeek, (2010-06-03). "Global Warming : Feature Articles". earthobservatory.nasa.gov. Retrieved 2017-11-03.
  • Howarth, Robert W. (2014-06-01). "A bridge to nowhere: methane emissions and the greenhouse gas footprint of natural gas". Energy Science & Engineering. 2 (2): 47–60. doi:10.1002/ese3.35. ISSN 2050-0505
  • Snyder, C. S.; Bruulsema, T. W.; Jensen, T. L.; Fixen, P. E. (2009-10-01). "Review of greenhouse gas emissions from crop production systems and fertilizer management effects". Agriculture, Ecosystems & Environment. Reactive nitrogen in agroecosystems: Integration with greenhouse gas interactions. 133 (3): 247–266. doi:10.1016/j.agee.2009.04.021.
  • "The Carbon Dioxide Greenhouse Effect". history.aip.org. Retrieved 2017-11-01.