Pegada ecológica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Países por pegada ecológica bruta per capita (2018)
Excedente ou déficit ecológico nacional, medido como a biocapacidade de um país por pessoa (em hectares globais) menos sua pegada ecológica por pessoa (também em hectares globais). Dados de 2013.[1]
           
                             
−9 −8 −7 −6 −5 −4 −3 −2 −1 0 2 4 6 8

A pegada ecológica é um método promovido pela Global Footprint Network para medir a demanda humana em capital natural, ou seja, a quantidade de natureza necessária para sustentar as pessoas ou uma economia.[2][3][4] Acompanha essa demanda por meio de um sistema de contabilidade ecológica. As contas contrastam a área biologicamente produtiva que as pessoas usam para seu consumo com a área biologicamente produtiva disponível dentro de uma região ou do mundo (biocapacidade, a área produtiva que pode regenerar o que as pessoas exigem da natureza). Em suma, é uma medida do impacto humano no meio ambiente.

A pegada e a biocapacidade podem ser comparadas à escala individual, regional, nacional ou global. Tanto a pegada quanto a biocapacidade mudam a cada ano com o número de pessoas, consumo por pessoa, eficiência da produção e produtividade dos ecossistemas. Em escala global, as avaliações da pegada mostram quão grande a demanda da humanidade é comparada ao que a Terra pode renovar. A Global Footprint Network estima que, a partir de 2014, a humanidade está usando o capital natural 1,7 vezes mais rápido do que a Terra pode renová-lo, o que eles descrevem como significando que a pegada ecológica da humanidade corresponde a 1,7 planeta Terra.[1][5][6]

A análise da pegada ecológica é amplamente utilizada em todo o mundo para apoiar as avaliações de sustentabilidade.[7] Ele permite que as pessoas meçam e gerenciem o uso de recursos em toda a economia e explorem a sustentabilidade de estilos de vida individuais, bens e serviços, organizações, setores industriais, bairros, cidades, regiões e nações.[2]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

A primeira publicação acadêmica sobre pegadas ecológicas foi escrita por William Rees em 1992.[8] O conceito de pegada ecológica e o método de cálculo foram desenvolvidos como tese de doutorado de Mathis Wackernagel, sob supervisão de Rees na Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, Canadá, de 1990 a 1994.[9] Originalmente, Wackernagel e Rees chamaram o conceito de "capacidade de carga apropriada".[10] Para tornar a ideia mais acessível, Rees criou o termo "pegada ecológica", inspirado por um técnico de informática que elogiou a "pequena pegada na mesa" de seu novo computador.[11] Em 1996, Wackernagel e Rees publicaram o livro Our Ecological Footprint: Reducing Human Impact on the Earth.[12]

A maneira mais simples de definir uma pegada ecológica é a quantidade de recursos ambientais necessários para produzir os bens e serviços que sustentam o estilo de vida particular de um indivíduo.[13]

O modelo é um meio de comparar o consumo e os estilos de vida, e verificar isso com a biocapacidade. A ferramenta pode informar a política examinando até que ponto uma nação usa mais (ou menos) do que está disponível em seu território, ou até que ponto o estilo de vida da nação seria replicável em todo o mundo. A pegada também pode ser uma ferramenta útil para educar as pessoas sobre o consumo excessivo, com o objetivo de alterar o comportamento pessoal. As pegadas ecológicas podem ser usadas para argumentar que muitos estilos de vida atuais não são sustentáveis. As comparações país a país mostram as desigualdades de uso de recursos neste planeta.

A pegada de GEE ou a pegada de carbono mais estreita são um componente da pegada ecológica. Muitas vezes, quando apenas a pegada de carbono é relatada, ela é expressa em peso de CO2 (ou CO2e representando o potencial de aquecimento de GEE), mas também pode ser expressa em áreas terrestres como pegadas ecológicas. Ambos podem ser aplicados a produtos, pessoas ou sociedades inteiras.[14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Home page». footprintnetwork.org. Global Footprint Network. Consultado em 10 de outubro de 2018 
  2. a b «Ecological Footprint: Overview». footprintnetwork.org. Global Footprint Network. Consultado em 16 de abril de 2017 
  3. Wackernagel, Mathis; Lin, David; Evans, Mikel; Hanscom, Laurel; Raven, Peter (2019). «Defying the Footprint Oracle: Implications of Country Resource Trends». Sustainability (em inglês). 11 (7). 2164 páginas. doi:10.3390/su11072164Acessível livremente 
  4. Yasin, Iftikhar; Ahmad, Nawaz; Chaudhary, M. Aslam (22 de julho de 2019). «Catechizing the Environmental-Impression of Urbanization, Financial Development, and Political Institutions: A Circumstance of Ecological Footprints in 110 Developed and Less-Developed Countries». Social Indicators Research (em inglês). 147 (2): 621–649. ISSN 0303-8300. doi:10.1007/s11205-019-02163-3 
  5. Lin, D; Hanscom, L; Murthy, A; Galli, A; Evans, M; Neill, E; Mancini, MS; Martindill, J; Medouar, F-Z; Huang, S; Wackernagel, M. (2018). "Ecological Footprint Accounting for Countries: Updates and Results of the National Footprint Accounts, 2012–2018". Resources. 7(3): 58. https://doi.org/10.3390/resources7030058
  6. UK Government Official Documents, February 2021, "The Economics of Biodiversity: The Dasgupta Review Headline Messages" p. 1
  7. Lyndhurst, Brook (junho de 2003). «London's Ecological Footprint A review» (PDF). Mayor of London. Greater London Authority (commissioned by GLA Economics) 
  8. Rees, William E. (outubro de 1992). «Ecological footprints and appropriated carrying capacity: what urban economics leaves out». Environment & Urbanization. 4 (2): 121–130. doi:10.1177/095624789200400212Acessível livremente 
  9. Wackernagel, M. (1994). Ecological Footprint and Appropriated Carrying Capacity: A Tool for Planning Toward Sustainability (PDF) (Tese de PhD). Vancouver, Canada: School of Community and Regional Planning. The University of British Columbia. OCLC 41839429 
  10. Wackernagel, Mathis, 1991. "Land Use: Measuring a Community's Appropriated Carrying Capacity as an Indicator for Sustainability"; and "Using Appropriated Carrying Capacity as an Indicator, Measuring the Sustainability of a Community." Report I & II to the UBC Task Force on Healthy and Sustainable Communities, Vancouver.
  11. William Safire, On Language: Footprint, New York Times Magazine, February 17, 2008
  12. Wackernagel, M. and W. Rees. 1996. Our Ecological Footprint: Reducing Human Impact on the Earth. Gabriola Island, BC: New Society Publishers. ISBN 0-86571-312-X.
  13. «Ecological Footprint». WWF. Consultado em 11 de maio de 2020 
  14. Benn, Hilary; Miliband, Ed. «Guidance on how to measure and report your greenhouse gas emissions» (PDF). GOV.UK. Department for Environment, Food and Rural Affairs (UK). Consultado em 9 de novembro de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Rees, W. E. and M. Wackernagel (1994) Ecological footprints and appropriated carrying capacity: Measuring the natural capital requirements of the human economy, in Jansson, A. et al. Investing in Natural Capital: The Ecological Economics Approach to Sustainability. Washington D.C.:Island Press. ISBN 1-55963-316-6
  • Wackernagel, M; Schulz, NB; Deumling, D; Linares, AC; Jenkins, M; Kapos, V; Monfreda, C; Loh, J; et al. (2002). «Tracking the ecological overshoot of the human economy». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 99 (14): 9266–71. Bibcode:2002PNAS...99.9266W. PMC 123129Acessível livremente. PMID 12089326. doi:10.1073/pnas.142033699Acessível livremente 
  • Lenzen, M. and Murray, S. A. 2003. The Ecological Footprint – Issues and Trends. ISA Research Paper 01-03
  • Chambers, N., Simmons, C. and Wackernagel, M. (2000), Sharing Nature's Interest: Ecological Footprints as an Indicator of Sustainability. Earthscan, London ISBN 1-85383-739-3 (see also http://www.ecologicalfootprint.com)
  • Raudsepp-Hearne C, Peterson GD, Tengö M, Bennett EM, Holland T, Benessaiah K, MacDonald GM, Pfeifer L (2010). «Untangling the Environmentalist's Paradox: Why is Human Well-Being Increasing as Ecosystem Services Degrade?». BioScience. 60 (8): 576–589. doi:10.1525/bio.2010.60.8.4 
  • Ohl, B.; Wolf, S.; & Anderson, W. (2008). «A modest proposal: global rationalization of ecological footprint to eliminate ecological debt». Sustainability: Science, Practice, & Policy. 4 (1): 5–16. doi:10.1080/15487733.2008.11908010Acessível livremente 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Scholia logo.svg
O Scholia tem um perfil para Pegada ecológica.