Penitente (formação de neve)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Penitentes perto da cimeira do Cabo Água Negra na fronteira entre o Chile e a Argentina.

Penitentes, ou nieve penitentes (do espanhol "penitentes de neve"), são formações de neve encontradas em altitudes elevadas. Eles tomam a forma de lâminas alongadas e finas feitas de neve ou gelo endurecido, bem espaçadas e apontando para o sol.[1]

O nome vem da semelhança a um campo de penitentes, uma multidão de pessoas ajoelhadas fazendo penitência. A formação evoca os hábitos altos e pontudos usados ​​pelos irmãos das ordens religiosas nas Procissões da Penitência durante a Semana Santa da Espanha. Em particular, os chapéus dos irmãos são altos, estreitos e brancos, com um topo pontudo.

Estes picos de neve e gelo crescem sobre todas as áreas glaciais e cobertas de neve dos Andes acima de 4.000 metros ou 13.120 pés.[2][3][4] Eles variam em tamanho de alguns centímetros a mais de 5 metros ou 16 pés.[4][5]

Primeira descrição[editar | editar código-fonte]

Os penitentes foram descritos pela primeira vez em literatura científica por Charles Darwin em 1839.[6] Em 22 de março de 1835, ele teve que atravessar campos de neve cobertos de penitentes perto do Passe Piuquenes, no caminho de Santiago, no Chile, até a cidade argentina de Mendoza, e relatou a crença local que eles foram formados pelos fortes ventos dos Andes.

Formação[editar | editar código-fonte]

Louis Lliboutry observou que a condição climática ideal que leva à formação de penitentes é que o ponto de orvalho está sempre abaixo de zero. Assim, a neve vai sublimar. Uma vez que o processo de ablação diferencial começa, a geometria da superfície do penitente em evolução produz um mecanismo de regeneração positivo, e a radiação é presa por múltiplas reflexões entre as paredes. As cavidades tornam-se quase um corpo preto para a radiação, enquanto o vento reduzido leva a saturação do ar, aumentando a temperatura do ponto de orvalho e o início do derretimento. Desta forma, os picos, onde a perda de massa deve-se apenas à sublimação, permanecerá, bem como as paredes íngremes, que interceptam apenas um mínimo de radiação solar. Nas cubas, a ablação é reforçada, levando a um crescimento descendente de penitentes. Um modelo matemático do processo foi desenvolvido por Betterton,[7] embora os processos físicos no estágio inicial do crescimento penitente, da neve granular aos micropenitentes, ainda não estejam claros. O efeito dos penitentes sobre o equilíbrio energético da superfície da neve e, portanto, seu efeito no derretimento da neve e nos recursos hídricos também foi estudado.[8][9]

Penitentes podem estar presentes em Europa, um satélite de Júpiter.[10] De acordo com um estudo recente, a New Horizons da NASA descobriu penitentes em Plutão[11] em uma região informalmente chamada Tartarus Dorsa.[12][13]

Referências

  1. information@eso.org. «Planetary analogue». www.eso.org (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2017 
  2. Lliboutry, Louis. «Le massif du Nevado Juncal (Andes de Santiago). Ses pénitents et ses glaciers.». Revue de géographie alpine (em francês). 42 (3): 465–495. doi:10.3406/rga.1954.1142 
  3. Lliboutry, L. (1954b). "The origin of penitentes". Journal of Glaciology. 2: 331–338.
  4. a b Lliboutry, L. (1965). Traité de Glaciologie, Vol. I & II (em francês). Paris, France: Masson.
  5. Naruse, R.; Lieva, J.C. (1997). "Preliminary study on the shape of snow penitents at Piloto Glacier, the Central Andes". Bulletin of Glacier Research15: 99–104.
  6. Darwin, C. (1839). Journal of researches into the geology and natural history of the various countries visited by H. M. S. Beagle, under the command of Captain Fitz Roy, R.N., 1832 to 1836. London, UK: H. Colburn.
  7. Betterton, M. D. (26 de abril de 2001). «Theory of structure formation in snowfields motivated by penitentes, suncups, and dirt cones». Physical Review E. 63 (5). 056129 páginas. doi:10.1103/PhysRevE.63.056129 
  8. Corripio, J.G. (2003). Modelling the energy balance of high altitude glacierised basins in the Central Andes (PDF) (PhD. thesis). Edinburgh, UK: University of Edinburgh. p. 151. Retrieved 7 September 2013.
  9. Corripio, J.G.; Purves, R.S. (2005). "Surface Energy Balance of High Altitude Glaciers in the Central Andes: the Effect of Snow Penitentes". In de Jong, C.; Collins, D.; Ranzi, R. Climate and Hydrology in Mountain Areas[ligação inativa] (PDF). London, UK: Wiley & Sons. p. 18. Retrieved 7 September 2013.
  10. «Europa's surface may be covered by blades of ice». scitation.aip.org (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2017 
  11. «Icy ridges only before seen on Earth are found on Pluto». Mail Online 
  12. Talbert, Tricia (4 de janeiro de 2017). «Scientists Offer Sharper Insight into Pluto's Bladed Terrain». NASA (em inglês) 
  13. Moores, John E.; Smith, Christina L.; Toigo, Anthony D.; Guzewich, Scott D. «Penitentes as the origin of the bladed terrain of Tartarus Dorsa on Pluto». Nature. 541 (7636): 188–190. doi:10.1038/nature20779