Pequena Petra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pequena Petra
Siiq al-Bariid (سيق البريد)
البتراء الصغيرة
Triclínio em Pequena Petra
Localização atual
Pequena Petra está localizado em: Jordânia
Pequena Petra
Localização na Jordânia
Coordenadas 30° 22' 31.01" N 35° 27' 8.21" E
País Jordânia
Área 450 m²
Dados históricos
Fundação século I
Civilização Nabateus
Notas
Escavações 1957-1983
Arqueólogos Diana Kirkbride,

Brian Byrd

Estado de conservação Ruínas
Acesso público Sim

Pequena Petra (em árabe: البتراء الصغيرة; transl.: al-batrā aṣ-ṣaġïra), também conhecido como Sical Baride (em árabe: سيق البريد, lit. "o cânion frio") é um sítio arqueológico localizado ao norte de Petra e a cidade de Uádi Muça na província de Ma'an da Jordânia. Como Petra, é um sítio nabateu, com construções esculpidas nas paredes dos canyons de arenito; mas, como o próprio nome sugere, é muito menor, consistindo de três áreas abertas mais amplas conectadas por um cânion de 450 metros. Faz parte do Parque Arqueológico de Petra, embora seja acessado separadamente, é incluído na inscrição de Petra como Patrimônio Mundial da UNESCO.[1] É frequentemente visitado por turistas em conjunto com a própria Petra, uma vez que é gratuito e geralmente menos lotado.[2]

Como Petra, foi, provavelmente, construída durante o auge da influência dos Nabateus durante o século I. Embora o propósito de algumas das construções não é clara, os arqueólogos acreditam que todo o complexo foi um subúrbio de Petra, a capital nabateu, significava abrigar comerciantes visitantes na Rota da Seda. Após o declínio dos Nabateus, ela estava vaga, usada apenas por Beduínos nômades, por séculos. Junto com a vizinha Beidha, Pequena Petra foi escavada no final do século XX por Diana Kirkbride e Brian Byrd.

Em 2010, descobriu-se que um biclínio, ou sala de jantar, em uma das cavernas tinha sobrevivido a arte interior representando uvas, videiras e putto em grande detalhe, provavelmente em homenagem ao deus grego Dioniso e ao consumo de vinho. Os afrescos do teto de 2 000 anos de idade, no estilo helenístico, foram restaurados desde então. Embora eles não sejam apenas o único exemplo conhecido de pintura figurativa de nabateus in situ, exemplo muito raro em larga escala da pintura helenística, considerada superior até mesmo a pinturas romanas posteriores semelhantes em Herculano.[3]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Petra». UNESCO. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  2. «Little Petra». The Rough Guide. 2015. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  3. Alberge, Dalya (21 de agosto de 2010). «Discovery of ancient cave paintings in Petra stuns art scholars». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077