Perdida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Perdida
 Brasil
1976 •  cor •  77 min 
Direção Carlos Alberto Prates Correia
Elenco Maria Sílvia
Helber Rangel
Álvaro Freire
Género drama
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Perdida é um filme brasileiro de 1976, do gênero drama, dirigido e roteirizado por Carlos Alberto Prates Correia, vencedor de diversos prêmios, incluindo o Golfinho de Ouro de 1977.[1] Músicas originais de Tavinho Moura, Murilo Antunes e Zézinho da Viola. Produção executiva do diretor e de Zelito Viana.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Estela é uma humilde doméstica constantemente abusada pelos patrões em Rio Verde. Não suportando mais, ela sai sem rumo e vai parar num restaurante de estrada quando resolve aceitar ajuda do caminhoneiro Julio César. Ela se apaixona por ele mas o homem não quer compromisso e a deixa no prostíbulo de Dona Emília, onde se torna a prostituta conhecida como Janete. Um dos clientes, o jornalista local e aspirante a poeta Zeca de Oliva se apaixona por ela e quer se casar, mas a moça ainda espera pelo caminhoneiro. Ocorre uma tragédia então Estela resolve novamente mudar de vida e vai trabalhar numa fábrica até que se reencontra com Júlio, que quer que ela volte ao prostíbulo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Vencedor do Golfinho de Ouro de 1977, Coruja de Ouro de 1977 (melhor filme, trilha sonora e prêmio especial) e Prêmio Governador do Estado de São Paulo de 1978 (direção, roteiro, ator, atriz e trilha musical).

Referências