Perdido em Marte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Martian
Perdido em Marte (PT/BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2015 •  cor •  141 min 
Direção Ridley Scott
Produção Simon Kinberg
Ridley Scott
Aditya Sood
Michael Schaefer
Mark Huffam
Roteiro Drew Goddard
Baseado em The Martian, de Andy Weir
Elenco Matt Damon
Jessica Chastain
Kristen Wiig
Jeff Daniels
Michael Peña
Kate Mara
Sean Bean
Sebastian Stan
Aksel Hennie
Chiwetel Ejiofor
Gênero Ficção científica
Música Harry Gregson-Williams
Direção de arte Arthur Max
Direção de fotografia Dariusz Wolski
Figurino Janty Yates
Edição Pietro Scalia
Companhia(s) produtora(s) Scott Free Productions
Kinberg Genre
TSG Entertainment
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Brasil/Portugal 1 de outubro de 2015
Estados Unidos 2 de outubro de 2015
Idioma Inglês
Orçamento US$ 108 milhões[1]
Receita US$ 630.161.890[1]
Página no IMDb (em inglês)

The Martian (Perdido em Marte no Brasil e Portugal) é um filme norte-americano de ficção científica dirigido por Ridley Scott, escrito por Drew Goddard baseado no romance homônimo escrito por Andy Weir.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A tripulação da missão espacial Ares 3 recolhem material em Acidalia Planitia no planeta Marte em Sol 18. Devido a uma forte tempestade são obrigados a abortar a missão. Na evacuação, um deles, Mark Watney, é atingido por destroços. Os outros acreditam que ele morreu e partem. A NASA informa ao público o ocorrido e seu funeral simbólico é realizado. Porém, Watney sobreviveu: um pedaço de antena e sangue seco tamparam o furo em seu traje. Medica-se e passa registrar seu cotidiano em vídeo.

Mesmo sem possibilidade de sobreviver a vista, recorre a ciência. Primeiramente como botânico graduado pela Universidade de Chicago, improvisa uma estufa no interior do alojamento com fezes, solo marciano e água produzida a partir de hidrazina para o cultivo de batatas. Pensando a longo prazo, planeja alcançar a cratera Schiaparelli, distante 3.200 km onde pousará a tripulação da próxima missão, a Ares IV, dali a quatro anos. Aumenta a autonomia do rover pegando as baterias do outro rover danificado e não acionando o aquecimento interno, ao instalar um perigoso gerador termoelétrico de radioisótopos bem atrás de si.

Enquanto isso, no Centro Espacial Lyndon Johnson, Mindy Park nota diferenças nas imagens vindas do local da missão no planeta e informa ao Dr. Vincent Kapoor - diretor das missões a marte. Convencido que Mark Watney ainda está vivo, reúne-se com o administrador da NASA, Teddy Sanders, o diretor de controle de vôo da nave Hermes, Mitch Henderson e a diretora de Relações públicas, Annie Montrose. Decidem não revelar a tripulação da Hermes, contra a opinião de Henderson, para não distraí-los em sua jornada de volta a Terra.

Numa tentativa de comunicar-se com a NASA, dirige-se ao local de pouso da sonda Mars Pathfinder lançada em 1997 e inativa desde então para resgata-la. Seus deslocamentos são acompanhados pelo controle da missão e Kapoor percebe a intenção de Watney. Dirige-se a sede do Laboratório de Propulsão a jato para examinar uma réplica da sonda. Em Sol 109 Watney retorna ao alojamento e consegue reativar a Pathfinder. Por meio da câmera da sonda estabelece uma comunicação rudimentar com a réplica do Laboratório utilizado-se do sistema hexadecimal. A partir daí obtém instruções de hackear o rover para este conectar-se a Pathfinder e esta com a NASA. A comunicação é estabelecida e fica aborrecido ao saber que a tripulação da Hermes não foi informada que ainda vive.

Enquanto isso, ouve a contragosto a música disco dos pertences da comandante da missão Melissa Lewis. O planejamento parece que irá dar certo: a comida durará até a próxima missão de suprimentos. Porém em Sol 134 um compartimento do alojamento sofre uma infiltração e a plantação é totalmente destruída. A NASA diminui ao máximo o prazo para o envio da missão de suprimentos ignorando até as inspeções de segurança. O lançamento da sonda, no entanto, falhou. A agência espacial chinesa CNSA oferece ajuda disponibilizado seu foguete Taiyang Shen. Enquanto isso, um especialista em Astrodinâmica do Laboratório de propulsão, Rich Purnell, elabora uma trajetória para a Hermes retornar a Marte mais rapidamente com combustível e suprimentos do foguete chinês em Sol 561. Apesar de achar o plano viável, Teddy Sanders o rejeita priorizando a segurança do retorno da Ares III. O plano é enviado anonimamente a tripulação da Hermes, que concorda por unanimidade, e altera suas coordenadas a revelia da NASA. Esta acaba cedendo.

Sete meses depois, em Sol 461, Watney deixa o alojamento a bordo do rover em direção a cratera Schiaparelli. Chega em Sol 538 onde está instalada o VAM, o veículo de ascensão a Marte. Seguindo as instruções da NASA de tornar o VAM o mais leve possível, livra-se de todo o peso prescindível, inclusive do bico e das janelas, cobrindo-a apenas com lona. Em Sol 561 ele decola do planeta para a interceptação com a Hermes.

De volta a terra, Watney torna-se instrutor da NASA para aspirantes a astronautas. A missão Ares V é lançada.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O produtor Simon Kinberg começou a desenvolver o projeto logo depois da 20th Century Fox ter comprado em março de 2013 os direitos do romance original. Goddard adaptou o livro em um roteiro e inicialmente seria também o diretor, porém o filme acabou não seguindo em frente. Scott acabou assumindo a posição e a produção foi aprovada com Damon como o protagonista.

As filmagens começaram em 10 de novembro de 2014, com locações em Budapeste[2][3] e no sul da Jordânia, em Wadi Rum, também conhecido como o Vale da Lua, uma paisagem icônica usada em filmes antigos como Lawrence da Arábia. O local foi usado anteriormente para paisagens marcianas para cenas passadas no planeta como nos filmes planeta vermelho e Os Últimos Dias em Marte.[4]

The Martian estreou em 11 de setembro de 2015 no Festival Internacional de Cinema de Toronto. O lançamento comercial começou em 2 de outubro nos formatos 2D, 3D, IMAX 3D e 4DX. O filme foi muito bem recebido pela crítica e foi um sucesso comercial, arrecadando 630 milhões de dólares mundialmente, tornando-se a maior bilheteria da carreira de Scott e a décima maior do ano de 2015.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

As canções utilizadas no filme, todas dos anos 1970, por ordem de aparição:[5]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

The Martian foi aclamado pela crítica, recebendo uma classificação de 93% no Rotten Tomatoes, baseado em 280 opiniões críticas com uma classificação média de 7.9, por parte do público recebeu 92%.[6] Metacritic,[7] que atribui uma pontuação média ponderada de 100 a opiniões de críticos convencionais, deu ao filme uma pontuação de 80, baseada em 46 reviews, indicando "geralmente favoráveis". Os usuários do IMDb[8] deram uma pontuação aclamada de 8,0. O crítico Renato Hermsdorff do site AdoroCinema deu 4,5 de 5: "Se você, saudoso fã de Blade Runner, o Caçador de Andróides, vivia cabisbaixo porque há tempos Ridley Scott não entregava um bom trabalho, seus problemas acabaram! Com Perdido em Marte, o diretor de Alien, o 8.º Passageiro volta à melhor forma em termos de entretenimento".

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Foi premiado com o Globo de Ouro de Melhor Filme – Musical ou Comédia, além de sete indicações ao Oscar, incluindo Melhor Filme e Melhor Roteiro Adaptado. Por sua atuação, Matt Damon recebeu diversas indicações, como o Oscar de Melhor Ator e o BAFTA de Melhor Ator, vencendo o Globo de Ouro de Melhor Ator em Musical ou Comédia.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]