Perseu de Cítio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Perseu de Cítio (em grego: Περσαῖος; 306 a.C.243 a.C.[1]), filho de Demetrius, foi uma filósofo estoico, amigo e estudante de Zenão de Cítio.

Viveu na mesma casa que Zenão.[2] Escritores posteriores escreveram que seria escravo de Zenão,[3] que teria possivelmente sido um amanuense e enviado a Zenão pelo rei Antígono II Gónatas;[4] no entanto, a fonte desta história parece ser devida a uma observação sarcástica sobre Perseu efectuada por Bíon de Borístenes, que após ter visto uma estátua de Perseu com a inscrição: "Perseu, discípulo de Zenão", escarneceu do facto, tendo dito que poderia ter sido: "Perseu, servo de Zenão"[5]

É sabido que Antígono II Gónatas convidou Zenão para a sua corte em Pela[6] por volta de 276 a.C.. Zenão terá recusado devido à sua idade avançada e enviou os seus alunos Perseu e Filónides de Tebas.[7] Perseu tornou-se uma importante figura na corte macedónia. Depois de Antígono ter conquistado Corinto por volta de 244 a.C., Perseu tomou conta da cidade como arconte. Perseu morreu em 243 a.C., defendendo a cidade contra o ataque liderado por Arato de Sicião.[8]

Nenhum dos escritos de Perseu sobreviveram com excepção de alguns fragmentos. Diógenes Laércio lista as seguintes obras como tendo sido escritas por Perseu:[4]

  • Ἠθικαῖς σχολαῖς - Escola Ética.
  • Περὶ βασιλείας - Sobre a Monarquia.
  • Πολιτεία Λακωνική - Constituição de Esparta.
  • Περὶ γάμου - Sobre o Casamento.
  • Περὶ ἀσεβείας - Sobre a Impiedade.
  • Θυέστης - Tiestes.
  • Περὶ ἐρώτων - Sobre o Amor.
  • Προτρεπτικοί - Exortações.
  • Διατριβῶν - Conversações.
  • Χρειῶν -
  • Ἀπομνημονεύματα - Reminiscências.
  • Πρὸς τοὺς Πλάτωνος νόμους - Leis de Platão.

Referências

  1. Tiziano Dorandi, Chapter 2: Chronology, in Algra et al. (1999) The Cambridge History of Hellenistic Philosophy, page 50. Cambridge.
  2. Diógenes Laércio, vii. 13
  3. cf. eg. Aulo Gélio, Noites Áticas, ii. 18. 8
  4. a b Diógenes Laércio, vii. 36
  5. Ateneu, Dipnosofistas, iv. 162
  6. Diógenes Laércio, vii. 6
  7. Diógenes Laércio, vii. 9
  8. Pausânias, Descrição da Grécia, Livro II: Corinto, ii. 8. 4