Perspetiva hierárquica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Representação desproporcional (personagens do primeiro plano mais pequenas que a figura em fundo) por Piero della Francesca (Virgem da Misericórdia, Sansepolcro).

A perspetiva hierárquica (por vezes dita «simbólica» embora toda a representação em perspetiva passe pela simbolização[1]) é a representação da perspetiva gráfica na qual as personagens têm uma dimensão que varia consoante a sua importância.

É sobretudo usada na pintura do Antigo Egito, da Idade Média e bizantina, tendo sido progressivamente abandonada na Renascença (desde os primitivos italianos) onde, já por influência do Humanismo, as personagens passaram a adotar um tamanho apenas relacionado com a profundidade da perspetiva da escola ocidental sobre o ponto de vista, dita monofocal centrada.

Vários pintores foram mestres da teoria da nova perspetiva (como Piero della Francesca) e continuaram a praticá-la em obras estilizadas conforme se usava na época medieval.

O uso de figuras de dimensão relativa à sua posição hierárquica não deve ser confundido com a ausência de conhecimentos técnicos e artísticos que se observa na arte naïf ou na arte infantil.


Referências

  1. Erwin Panofsky, La Perspective comme forme symbolique
Ícone de esboço Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço relacionado ao Projeto Arte. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.