Pessoa gramatical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em línguas românicas como o espanhol, a pessoa gramatical afeta a conjugação verbal.
Nesta imagem em que o verbo correr está conjugado em espanhol, cada linha representa uma pessoa e número: Primeira pessoa, Segunda pessoa informal, Segunda pessoa formal e terceira pessoa.
As colunas representam tempo verbal (nos pares conceituais manhã/passado, meio-dia/presente, noite/futuro).

Em linguística, a pessoa gramatical é a categoria gramatical que diz respeito às referências dêiticas aos participantes do discurso, permitindo distinguir que papel ocupam, no mesmo, o falante, o ouvinte ou outras pessoas que se posicionam em relação à predicação. A pessoa gramatical é, tipicamente, definida pelos pronomes pessoais, mas também podem ser marcadas em afixos verbais.

As pessoas[editar | editar código-fonte]

A divisão mais comum marca três pessoas gramaticais (chamadas primeira, segunda e terceira pessoa/não pessoa), em seus números singular, plural e, em alguns casos, dual, como o hebraico bíblico e o inglês antigo. Além disso, a marcação de terceira pessoa costuma, comumente, acompanhar também marcação de gênero: masculino, feminino e neutro.

Primeira pessoa[editar | editar código-fonte]

A primeira pessoa, também chamada de falante , locutor ou emissor, é a pessoa que fala, que enuncia o discurso. Em língua portuguesa, a primeira pessoa é representada, no singular, pelos pronomes eu, me, mim, migo e, no plural, pelos pronomes nós, nos, nosco, a gente.[1][2].

Muitas línguas fazem a distinção entre primeira pessoa plural inclusiva e exclusiva, marcando a diferença entre quando a segunda pessoa está incluída (eu e você, nós e você(s)) ou excluída (muitos de nós, mas não você) no plural. Línguas desse tipo incluem diversas línguas americanas como tupi, guarani, aimará, quechua, tsotsil e outras. Em português, nós é, frequentemente, usado de forma inclusiva, enquanto as expressões nós outros e a gente tendem a ser exclusivas.[3][4]

Segunda pessoa[editar | editar código-fonte]

A segunda pessoa, também chamada de interlocutor , receptor ou ouvinte, é a pessoa com quem se fala, que recebe, ouve o discurso. Em língua portuguesa, a segunda pessoa é representada, no singular, pelos pronomes tu, te', ti, tigo e, no plural, pelos pronomes vós, vos, vosco.[1][2].

Muitas línguas fazem, na segunda pessoa, a conhecida distinção T-V, entre pronomes do tipo T, que indicam proximidade, intimidade e familiaridade, e pronomes do tipo V, que indicam afastamento, deferência e respeito. Essa distinção é muito comum entre as línguas indo-europeias: no espanhol tu versus usted, no francês tu versus vous, no alemão du versus Sie, no russo ты (ty) versus Вы (Vy), no persa to versus shomâ. No português, a divisão pode ser representada pelos pronomes tu e você. Embora produtiva em Portugal, a divisão não se aplica mais a alguns dialetos do português falado no Brasil, nos quais "você" se aplica a todos os níveis de formalidade[2].

Terceira pessoa[editar | editar código-fonte]

A terceira pessoa, também chamada de referente , assunto ou mensagem, refere-se à pessoa de quem se fala, ao assunto ou pessoa.[2] Ela corresponde, em português, aos pronomes singulares ele, ela, (você)[5][6] o, a, lo, la, lhe, e aos plurais eles, elas, (vocês)[5][6] os', as, los, las, lhes[1].

Algumas línguas, como as algonquianas ou as derivadas da língua de sinais francesa, dividem, ainda, as marcas de terceira pessoa entre proximais, para pessoas mais tópicas no discurso, e obviativas.

Relações entre as pessoas do discurso e seus respectivos pronomes

Reto Oblíquo Possessivo Demonstrativo
Eu Me, mim, comigo Meu, minha, meus, minhas Este, esta,

estes, estas

Tu Te, ti, contigo Teu, tua, teus, tuas Esse, essa,

esses, essas

Ele Se, si, consigo, o, a, lhe Seu, sua, seus, suas

Dele, dela, deles, delas

Aquele, aquela,

aqueles, aquelas

Nós Nos, nós, conosco Nosso, nossa, nossos, nossas Este, esta, estes, estas
Vós Vos, vós, convosco Vosso, vossa, vossos, vossas Esse, essa, esses, essas
Eles Se, si, consigo, os, as, lhes Seu, sua, seus, suas

Dele, dela, deles, delas

Aquele, aquela, aqueles, aquelas
Pessoa do discurso Indefinido Interrogativo Relativo
3ª pessoa Algum, alguma, alguns, algumas Que Que
Nenhum, nenhuma, nenhuns, nenhumas Quem Quem
Todo, toda, todos, todas O Onde
Outro, outra, outros, outras Qual, quais Cujo, cuja, cujos, cujas
Muito, muita, muitos, muitas Quanto, quanta, quantos, quantas Quanto, quantos, quantas
Pouco, pouca, poucos, poucas O qual, a qual, os quais, as quais
Certo, certa, certos, certas Como
Tanto, tanta, tantos, tantas Quando
Quanto, quanta, quantos, quantas
Bastante, bastantes
Qualquer, quaisquer
Algo, nada, tudo (usados para coisas)
Alguém, ninguém, outrem, cada, fulano, sicrano, beltrano (usados para pessoas)
  1. a b c «Gramática - Pronomes». Ferramentas para a Língua Portuguesa 
  2. a b c d Bagno, Marcos (2013). Gramática de Bolso do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola 
  3. Ednalvo Apóstolo Campos. «O uso do pronomes nós e a gente no gênero entrevista da mídia televisiva – uma análise do português culto falado em Belém.» (PDF) 
  4. Célia Regina dos Santos Lopes (1998). «Nós e a gente no português falado culto do Brasil». DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada. 14 (2) 
  5. a b «"você" é 2ª ou 3ª pessoa? (você é 3º pessoa gramatical, embora seja a 2ª do discurso)» 
  6. a b «Pronomes de tratamento são de terceira pessoa (gramatical)»