Peter Brook

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Peter Brook
Nome completo Peter Stephen Paul Brook
Nascimento 21 de março de 1925 (95 anos)
Londres
Nacionalidade Reino Unido Britânico
Ocupação Dramaturgo

Peter Stephen Paul Brook é um Diretor de teatro e cinema britânico (21/03/1925-). Estudou no Magdalen College, na Universidade de Oxford. Um dos mais respeitados profissionais de teatro da atualidade. Nasce em Londres e estuda em Oxford. Começa a se interessar por teatro ainda na universidade, época em que é influenciado pelo trabalho de dramaturgos como Bertolt Brecht e Antonin Artaud. Propõe um teatro de caracterização psicológica dos personagens que torne visível a "invisível" alma humana.

Procura também imprimir caráter crítico e polêmico às montagens, substituindo a passividade do espectador pela participação do público no espetáculo. Faz sucesso a partir de 1955, quando dirige o ator Laurence Olivier na montagem de Titus Andronicus, de Shakespeare. A partir de 1962, torna-se co-diretor da tradicional Royal Shakespeare Company, ao lado de Peter Hall.

Nos anos 70, funda em Paris o Centro de Pesquisa Teatral, o qual dirige até hoje. Sua carreira é marcada por encenação de peças no circuito teatral nova-iorquino do West End e da Broadway, além de em Paris e Londres. Leva o teatro e a literatura para o cinema com A Sombra da Forca (1953), peça de John Gay, Moderato Cantabile (1960), romance de Marguerite Duras, e O Senhor das Moscas (1962), romance de William Styron. Em 1966 monta Marat-Sade, de Peter Weiss, cuja filmagem também dirige.

Em 1968 transfere-se para Paris e funda o Centro Internacional de Criação Teatral, no qual trabalha até hoje na direção de atores e em novas montagens. Seu último sucesso no cinema é o filme Marabharata, de 1995.

Tem dois filhos: Irina Brook e Simon Brook.

A 26 de abril de 1991, foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, de Portugal.[1]

Principais trabalhos[editar | editar código-fonte]

Peças teatrais[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

("É um dos dois maiores épicos clássicos da Índia, onde conta a história da Batalha de Kurukshetra")

Autobiografia[editar | editar código-fonte]

  • 1988 - The Shifting Point

Memórias[editar | editar código-fonte]

  • 1998 - Threads of Time

The empty space

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • 1999 - Evoking Shakespeare

Referências

  1. «Entidades Estrangeiras Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Peter Brook". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 9 de setembro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Brook, Peter (2007), O Espaço Vazio, Lisboa: Orfeu Negro.

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.