Petro Poroshenko

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Petro Oleksiyovych Poroshenko
Petro Oleksiyovych Poroshenko
Presidente da Ucrânia Ucrânia
Período 7 de junho de 2014
até a atualidade
Antecessor(a) Oleksandr Turtchynov (interino)
2° Ministro do Comércio e Desenvolvimento Econômico
Período 8 de fevereiro de 2005
até 8 de setembro de 2005
9° Ministro de Relações Exteriores
Período 9 de outubro de 2009
até 11 de março de 2010
9° Secretário da Segurança Nacional e Conselho da Defesa
Período 23 de março de 2012
até 24 de dezembro de 2012
Dados pessoais
Nascimento 26 de setembro de 1965 (52 anos)
Bolgrad, Odessa
Religião Cristã, Igreja Ortodoxa
Profissão Economista, Político

Petro Oleksiyovych Poroshenko, em ucraniano: Петро Олексійович Порошенко (Bolgrad, 26 de setembro de 1965), é um empresário bilionário e político ucraniano. É o quinto e atual presidente de seu país, já tendo servido como ministro dos Negócios Estrangeiros e ministro do Comércio e Desenvolvimento Econômico.

Poroshenko é o fundador e presidente da Ukrprominvest, uma empresa de capital aberto, de um grupo de empresas ucranianos. Ele serve como um governador do Banco do Comércio e Desenvolvimento do Mar Negro.[1] Foi considerado como o principal doador da oposição, sendo uma das dez pessoas mais ricas da Ucrânia.[2]

Poroshenko é casado e tem 4 filhos.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vida inicial e educação[editar | editar código-fonte]

Petro Poroshenko nasceu no óblast de Odessa. Entre 1982 e 1989, estudou Relações Internacionais e Direito Internacional na Universidade Estadual de Kiev Taras Shevchenko. Graduou-se em 1989 com diploma na especialidade de economista especialista em assuntos internacionais. Entre 1989 e 1992 fez pós-graduação e foi assistente na cadeira de pesquisa económica internacional na Universidade Estadual de Kiev Taras Shevchenko.

Carreira do negócio[editar | editar código-fonte]

Após a formatura, Poroshenko começou seu próprio negócio de venda com grãos de cacau. Em 1990, ele havia adquirido o controle sobre várias empresas de confeitaria. Posteriormente, ele uniu as suas participações que teve na indústria, no grupo Roshen, a maior fabricante de confeitaria na Ucrânia,[4] um trocadilho do seu próprio sobrenome Poroshenko. As fortunas que ele fez na indústria de chocolate renderam-lhe o apelido de "Rei Chocolate". De fevereiro de 2007 até março 2012, Poroshenko chefiou o conselho de administração do Banco Nacional da Ucrânia (Національний банк України). Ele é dono do canal de televisão "5"[5]

O império de negócios de Poroshenko inclui várias plantas de carros e ónibus, o estaleiro Leninska Kuznya, o canal de televisão "Canal 5", que apoiou os protestos do Maidan medialmente. Em Julho de 2014 Forbes estimou sua fortuna em US$ 1,3 bilhão.[3]

Eleições presidenciais[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o presidente Viktor Yanukovych foi derrubado por uma revolução civil liderada inicialmente por estudantes, conhecido por EuroMaidan por se ter dado na praça com o mesmo nome (Maidan Nezalezhnosti) do centro de Kiev. Foi eleito em 25 de maio de 2014 com 54% dos votos e foi empossado em 7 de junho de 2014.

Presidente da Ucrânia[editar | editar código-fonte]

Quando sua vitória se tornou clara na noite do dia de eleição, em 25 de maio de 2014, Poroshenko anunciou a Bacia do Donets como seu primeiro destino presidencial após o levante da República Popular de Donetsk e República Popular de Lugansk por manifestantes pró-russos. Poroshenko também comprometeu-se a manter as operações militares contra a insurgência: "As operações anti-terroristas não podem durar dois ou três meses. Deveriam e irão durar apenas algumas horas." Na ocasião, comparou os manifestantes pró-russos aos piratas somalis e defendeu negociações com a Rússia desde que sob mediação internacional. Em resposta, o governo russo afirmou que não aceitaria um mediador internacional em suas relações com a Ucrânia. Como presidente-eleito, Poroshenko prometeu recuperar a Crimeia, anexada pela Rússia em março de 2014.

Posse presidencial[editar | editar código-fonte]

A cerimônia de posse presidencial de Poroshenko ocorreu em 7 de junho de 2014. Em seu discurso inaugural, o presidente afirmou que a Ucrânia não desistiria da Crimeia e destacou a luta pela unidade do país. Poroshenko prometeu anistia "àqueles que não tiverem sangue em suas mãos", aos separatistas e aos insurgentes pró-russos e aos grupos nacionalistas opositores de seu governo, acrescentando: "Negociar com mafiosos e assassinos não está em nossos próximos passos". O presidente ainda defendeu eleições regionais na região oriental do país e anunciou a assinatura do Acordo de Associação à União Europeia, sendo este a primeira etapa da adesão ucraniana à organização. Durante a cerimônia, Poroshenko afirmou acreditar no "ucraniano como única língua do país", mas também falou sobre "garantia de desenvolvimento do russo e outros idiomas", uma vez que parte de seu próprio discurso foi em russo.

A posse contou com a presença de 50 delegações estrangeiras, incluindo o Vice-presidente estadunidense Joe Biden, o presidente polonês Bronisław Komorowski, Alexander Lukashenko, Dalia Grybauskaitė, Didier Burkhalter, Joachim Gauck, Giorgi Margvelashvili, Stephen Harper, Herman Van Rompuy, entre outros dignatários.

Política interna[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Website oficial, recuperado 30 de março 2014
  2. Forbes: Petro Poroshenko, recuperado 30 de março 2014
  3. a b «"Petro Poroshenko"». Forbes. Consultado em 10 de Julho de 2014. 
  4. Pagina oficial da Roshen, recuperado em 30 de março 2014
  5. Pagina oficial Canal 5, recuperado 30 de março 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]