Petrobras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Petrobras
Petróleo Brasileiro S.A.
Petrobras horizontal logo (international).svg
Petrobrasdirection.jpg
Sede da empresa
Slogan O desafio é a nossa energia.
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação BM&F Bovespa: PETR3, PETR3
NYSE: PBR, PBR.A
Latibex: XPBR, XPBRA
BCBA: APBR, APBRA
Indústria Petróleo
Gás
Energia
Biocombustível
Gênero Sociedade de economia mista
Fundação 3 de outubro de 1953 (62 anos)
Fundador(es) Brasil sob a presidência de Getúlio Vargas, tendo como articulador principal o presidente
Sede Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro,  Brasil
Áreas servidas Mundo
Proprietário(s) Governo Federal do Brasil
Presidente Aldemir Bendine[1]
Pessoas-chave Ivan de Souza Monteiro (Diretor da Área Financeira e de Relacionamento com Investidores)
Empregados 81 111[2] (2014)
Produtos Combustíveis
Derivados de Petróleo
GLP
Subsidiárias Transpetro
Petrobras Distribuidora
Pré-Sal Petróleo
Braskem
Liquigás
Petrobras Biocombustível
Gaspetro
Petrobras Argentina
Acionistas Governo Federal do Brasil (64%)
Valor
de mercado
Aumento R$ 83,076 bilhões (jan/2016)[3]
LAJIR Aumento R$ 80,437 bilhões (2014)[4]
Faturamento Aumento R$ 337,260 bilhões (2014)
Renda líquida Aumento US$10.0 bilhões (2013)
Página oficial www.petrobras.com.br

Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras) é uma empresa de capital aberto (sociedade anônima), cujo acionista majoritário é o Governo do Brasil (União). É, portanto, uma empresa estatal de economia mista.[5] Com sede no Rio de Janeiro, opera atualmente em 25 países, no segmento de energia, prioritariamente nas áreas de exploração, produção, refino, comercialização e transporte de petróleo, gás natural e seus derivados. O seu lema atual é "Uma empresa integrada de energia que atua com responsabilidade social e ambiental".

A empresa foi instituída em 3 de outubro de 1953 e deixou de monopolizar a indústria petroleira no Brasil em 1997, mas continua a ser uma importante produtora do produto, com uma produção diária de mais de 2 milhões de barris (320 mil metros cúbicos). A multinacional é proprietária de refinarias, petroleiros e é uma grande distribuidora de derivados de petróleo.[6] A Petrobras é líder mundial no desenvolvimento de tecnologia avançada para a exploração petrolífera em águas profundas e ultraprofundas.[7] [8]

A Petrobras estava em 2011 no quinto lugar na classificação das maiores petrolíferas de capital aberto do mundo.[9] Em valor de mercado, foi a segunda maior empresa do continente americano[10] e a quarta maior do mundo, no ano de 2010.[11] Em setembro de 2010, passou a ser a segunda maior empresa de energia do mundo, sempre em termos de valor de mercado, segundo dados da Bloomberg e da Agência Brasil.[12] [13] [14]

Em outubro de 2010 a empresa ficou conhecida internacionalmente por efetuar a maior capitalização em capital aberto da história: 72,8 bilhões de dólares (a época 127,4 bilhões de reais),[15] praticamente o dobro do recorde até então, que era da Nippon Telegraph and Telephone (NTT), com 36,8 bilhões de dólares capitalizados em 1987.[16]

Em 2014 a Petrobras teve um prejuízo de 21,587 bilhões de reais,[17] é o maior prejuízo desde do ano de 1986[18] e o primeiro prejuízo da empresa desde 1991,[19] a perda de dinheiro por causa corrupção em 2014 foi de 6,194 bilhões de reais.[20] Em 2015 a Petrobras registrou um prejuízo de R$34,8 bilhões, em decorrência de fatores relacionados à baixas nos campos de petróleo, o preço internacional do barril, a crise referente a Operação Lava Jato, dentre outros. [21]

Nome

Question book.svg
Esta seção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Originalmente Petrobrás, o nome fantasia da empresa foi alterado para Petrobras, apesar da terminação oxítona em 'a', (seguida de 's'), obedecendo à Lei nº 7.565 de 1971, em acordo com a Academia Brasileira de Letras e a Academia das Ciências de Lisboa, segundo as quais nenhuma sigla é acentuada na língua portuguesa. Em dezembro de 2000 foi anunciada uma alteração: o novo nome fantasia seria Petrobrax, que alegadamente seria mais adequado à pronúncia na língua inglesa, já que a empresa tornava-se importante internacionalmente. Seria também uma maneira de expandir a sua operação de varejo na América Latina (postos de gasolina) contornando uma negativa imagem imperialista que o Brasil exerce sobre seus vizinhos[carece de fontes?]. No entanto, houve uma forte rejeição no meio político e entre os funcionários da empresa, bem como entre a população brasileira em geral, pois isso representaria o abandono do sufixo bras (de Brasil). No início de 2001 a diretoria abandonou definitivamente os planos de alterar o nome fantasia da empresa.

Em 1998, a marca da Petrobras para uso fora da América do Sul foi modificada. A cor do logotipo Petrobras foi alterada de verde para um azul da escala especial pantone. Entretanto, devido à continuidade do processo de internacionalização da companhia - particularmente no segmento Abastecimento -, com a abertura das primeiras estações de serviço na Bolívia, em 2001 e a compra da Perez Companc Energía (PECOM Energía S.A.), a segunda maior empresa petroleira da Argentina, com operações também no Peru e Venezuela em 2002, um novo ajuste foi realizado, passando-se a utilizar fora do Brasil somente o logotipo Petrobras em azul, sem símbolo BR.

História

NoFonti.svg
Esta seção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Antecedentes

Getúlio Vargas sancionou a Lei Federal 2004 em 3 de outubro de 1953.

Após a Segunda Guerra Mundial iniciou-se no Brasil um intenso debate sobre a melhor maneira de explorar o petróleo no país. O assunto era polêmico uma vez que envolvia diversos aspectos políticos, tais como a soberania nacional, a importância dos recursos minerais estratégicos, a política de industrialização e os limites de atuação das empresas multinacionais no país, e foi um dos mais marcantes na História do Brasil nas décadas de 1940 a 1960. Para debatê-lo, constituíram-se dois grupos com posições distintas: um que defendia a abertura do setor petrolífero à iniciativa privada, nacional e estrangeira, e outro, que desejava o monopólio estatal do petróleo.

Ao ser promulgada, a Constituição brasileira de 1946 estabelecia que a regulamentação sobre a exploração de petróleo no país fosse feita por meio de lei ordinária, criando assim a possibilidade da entrada de empresas estrangeiras no setor petrolífero.

Em 1948, o então presidente da República, Eurico Gaspar Dutra, enviou ao Congresso Nacional do Brasil um anteprojeto do Estatuto do Petróleo que, se aprovado, permitiria a participação da iniciativa privada na indústria de combustíveis. À época não existiam no país empresas nacionais com recursos financeiros, nem com tecnologia necessária, para a exploração de petróleo. Isso levou a que os chamados "nacionalistas" não concordassem com aquele anteprojeto de lei, por entenderem que a sua aprovação significaria simplesmente a entrega da estratégica exploração do petróleo brasileiro aos interesses das multinacionais: a produção mundial de petróleo era, naquela época, dominada por um oligopólio constituído pelas chamadas "Sete irmãs", das quais cinco eram estadunidenses. Para defender a tese do monopólio estatal do petróleo organizaram um amplo movimento popular, a campanha "O petróleo é nosso!", em que se destacou, entre outros, o nome do escritor Monteiro Lobato. A mobilização popular conseguiu impedir a tramitação do Anteprojeto do Estatuto do Petróleo no Congresso Nacional e muito contribuiu para a aprovação da Lei 2004 de 3 de outubro de 1953, que estabeleceu o monopólio estatal do petróleo e instituiu a Petrobras.

Fundação

Logomarca dos anos 1950.

A empresa foi instituída pela Lei nº 2004, sancionada pelo então presidente da República, Getúlio Vargas, em 3 de outubro de 1953. A lei dispunha sobre a política nacional do petróleo, definindo as atribuições do Conselho Nacional do Petróleo (CNP), estabelecendo o monopólio estatal do petróleo e a criação da Petrobras.

As atividades da empresa foram iniciadas com o acervo recebido do antigo Conselho Nacional do Petróleo, que manteve a função fiscalizadora sobre o setor.

As operações de exploração e produção de petróleo, bem como as demais atividades ligadas ao setor de petróleo, gás natural e derivados, à exceção da distribuição atacadista e da revenda no varejo pelos postos de abastecimento, foram conduzidas pela Petrobras de 1954 a 1997, período em que a empresa tornou-se líder na comercialização de derivados no país. Nos primeiros anos a companhia frustou as expectativas com descobertas tida inicialmente como promissoras: em 1955 jorrou petróleo em Nova Olinda do Norte, às margens do Rio Madeira. Ali foram abertos três poços que não se mostraram em condições de produzir comercialmente. Outro achado foi na Bacia do Tucano, no Maranhão que igualmente não se mostrou produtivo.[22] Durante seis anos, o projeto de exploração da Petrobras foi chefiado pelo geólogo norte-americano Walter Link cuja falta de resultados levou a que deixasse às pressas o país, em 1960 sob acusações de políticos e jornalistas.[22] Nessa época ele escreveu quatro cartas sobre os resultados de seu trabalho (três em 1960 e uma em 1961), que ficaram conhecidas como Relatório Link.

Depois de exercer por mais de 40 anos, em regime de monopólio, o trabalho de exploração, produção, refino e transporte do petróleo no Brasil, a Petrobras passou a competir com outras empresas estrangeiras e nacionais em 1997, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso sancionou a Lei N° 9.478, de 6 de agosto de 1997. Tal lei regulamentou a redação dada ao artigo 177, §1º da Constituição da República pela Emenda Constitucional nº9 de 1995, permitindo que a União contratasse empresas privadas para exercê-lo.

A partir daí foram criadas a Agência Nacional do Petróleo (ANP), responsável pela regulação, fiscalização e contratação das atividades do setor e o Conselho Nacional de Política Energética, órgão encarregado de formular a política pública de energia.

Período contemporâneo

Posto da Petrobras em Santiago, Chile
Bomba de petróleo desativada (Unidade de Bombeio Mecânico vulgarmente conhecido por "cavalo de pau") da empresa em exibição na Universidade Federal do Rio Grande do Norte em Natal.

Em 2000, foi lançado o PROCAP-3000 (Programa Tecnológico da Petrobras em Sistemas de Exploração em Águas Ultraprofundas), o marco para chegar à descoberta do Pré-Sal.[23] Em 2001, a empresa recebeu da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a concessão para explorar o bloco BM-S-10 na Bacia de Santos, onde perfuraria o primeiro poço do Pré-sal, com mais de 5 mil metros de profundidade.[24] Em 2002, aconteceu a compra da Perez Companc Energía (PECOM Energía S.A.), a segunda empresa petroleira da Argentina, com operações na Bolívia, Peru, Venezuela e Brasil.[25] Em 2003, coincidindo com a comemoração dos seus 50 anos, a Petrobras dobrou a sua produção diária de óleo e gás natural, ultrapassando a marca de 109 milhões de barris, no Brasil e no exterior. Em 2004, a Petrobras assinou um contrato para explorar um bloco petrolífero no Irã, onde investiu 178 milhões de dólares até devolver a concessão, em 2009.[26]

A partir de 2005, a Petrobras chegou pela primeira vez na camada do Pré-sal, com a perfuração de poço de 6 915 metros de profundidade, no bloco BM-S-10 na Bacia de Santos, ainda em caráter experimental (não comercial), com a retirada de petróleo considerado de boa qualidade.[24] Em 2006, o Brasil alcançou a autossuficiência temporária em petróleo e iniciou-se a produção da plataforma P-50, no Campo de Albacora Leste, na Bacia de Campos.[27] Em abril do mesmo ano, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu início à produção da plataforma P-50, no Campo de Albacora Leste, na Bacia de Campos. Nesta época, após 53 anos de operação e trabalho da empresa, o Brasil chegou a atingir uma temporária autossuficiência em petróleo, posteriormente perdida devido ao aumento de consumo.

Em 2007, foi descoberta pela estatal a maior jazida de óleo e gás natural do país, no campo petrolífero de Tupi, na Bacia de Santos, com volume de aproximadamente 5 bilhões a 8 bilhões de barris, ou 12 bilhões de barris de óleo equivalente (boe - medida que engloba óleo e gás). No ano seguinte, a Petrobras ficou em primeiro lugar no ranking como a petroleira mais sustentável do mundo, com a pontuação de 92,25%, conforme pesquisa da Management & Excellence (M&E). Foram descobertas as acumulações de óleo leve de Tiro-Sídon, em águas rasas na Bacia de Santos, e em 2 de setembro do mesmo ano, o navio-plataforma P-34 iniciou a primeira produção no pré-sal no campo de Jubarte, na Bacia de Campos, no litoral sul do estado do Espírito Santo. A produção iniciou-se através do poço 1-ESS-103A, com um volume diário de 18 mil barris.[28]

Em 2009, a empresa passou do vigésimo para o quarto lugar entre as empresas mais respeitadas do mundo, de acordo com o Reputation Institute[29] e, em maio do mesmo ano, iniciou a produção de petróleo em Tupi,[30] com uma interrupção em julho.[31] e retomada em setembro.[32]

Em 2014, a Petrobras devolveu a área em que realizou a primeira perfuração do pré-sal. O bloco BM-S-10, na Bacia de Santos, foi entregue à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), após a estatal não ter cumprido os prazos para declaração de comercialidade da área.[24]

Além das atividades da holding, o Sistema Petrobras também inclui subsidiárias - empresas com diretorias próprias, interligadas à sede. Além disso, há o Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Miguez de Mello (CENPES), que adquiriu renome internacional nas últimas décadas pelas tecnologias que desenvolve.

Petrobras em números

Dados referentes a 2013[2]

  • Exploração - 63 sondas de perfuração (terra e mar)
  • Reservas - 16,57 bilhões de barris de óleo e gás equivalente (boe)
  • Poços produtores - 13 174
  • Plataformas de produção em operação - 134
  • Produção diária - 2 539  barris por dia - bpd de petróleo e LGN e 58,7 milhões m³ de gás natural (média de dezembro de 2010)
  • Produção de derivados - 2 124  barris por dia
  • Dutos - 34 639 km
  • Frota de navios - 326 (57 de propriedade da Petrobras)
  • Postos de combustível – 7 710 (incluindo Ipiranga)
  • Energia eólica: 4 usinas
  • Lucro líquido: 23,57 bilhões de reais
  • Empregados: 86 111

Desempenho operacional e acionário

Gráfico mostrando informações sobre as operações globais da Petrobras.

Em 2006, a Petrobras entrou para o seleto grupo de empresas cujo valor de mercado em bolsa superava cem bilhões de dólares.[33] A empresa estatal Petrobras foi a empresa de capital aberto mais lucrativa da América Latina nos nove primeiros meses do ano de 2007, constatou a consultoria Economática. De janeiro a setembro desse ano, a Petrobras lucrou 8,951 bilhões de dólares. O segundo lugar foi da mineradora Vale do Rio Doce, com 8,481 bilhões de dólares.[34]

Em 2007, a Petrobras obteve um lucro de 21,7 bilhões de reais, uma queda de 17% em relação ao de 2006,[35] que foi o maior lucro da história da empresa e, segundo análise da consultoria Economática, foi o maior lucro nos últimos 20 anos jamais obtido dentre todas as empresas de capital aberto na América Latina.[36] O valor das ações da Petrobras subiu 1200% entre maio de 1997 e junho de 2007 e a empresa obteve um lucro recorde em 2006 de 25,9 bilhões de reais,[37] ano em que se tornou a oitava maior empresa de petróleo do mundo.[38]

Arranha-céu da Petrobras na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo.

No dia 8 de novembro de 2007, após o anúncio da descobertas das reservas de Tupi,[39] o valor internacional de mercado da Petrobras subiu 48,3 bilhões de reais (28,3 bilhões de dólares) num único dia, com a confirmação da megarreserva de petróleo leve na Bacia de Santos. Seu novo valor internacional de mercado, 385,1 bilhões de reais (221,9 bilhões de dólares),[40] alçou então a Petrobras à sexta posição entre as maiores companhias nos Estados Unidos, à frente de gigantes como Procter & Gamble, Google, Berkshire Hathaway e Cisco Systems.[40]

Em 2008 a Petrobras ultrapassou a Microsoft, tornando-se a terceira maior empresa do continente americano em valor de mercado, segundo a consultoria Economática.[10] No mesmo ano, a estatal tornou-se a terceira empresa mais lucrativa das Américas, exceto o Canadá, superando a Vale.[41] Em setembro de 2010, de maneira a conseguir financiamento próprio para a exploração da camada de pré-sal,[42] a Petrobras realizou uma capitalização de 120 bilhões de reais, através da oferta de ações no mercado financeiro, a maior já realizada no mundo.[43] Em agosto de 2011 a empresa quebrou mais dois recordes de lucro líquido, 10,94 bilhões de reais no segundo trimestre do ano, e também o recorde de 21,9 bilhões de reais no primeiro semestre do ano.[44]

Em outubro de 2013, no entanto, a empresa foi classificada como a mais endividada do mundo, segundo relatório do Merrill Lynch.[45] Em junho de 2015, a dívida da estatal subiu para mais 100 bilhões de reais em razão da alta do dólar que havia superado os R$ 4,00. As estimativas foram feitas pela consultoria Economática.[46]

Em setembro de 2015, a Petrobras teve um prejuízo de 3,8 bilhões de reais. De acordo com a Petrobras, o prejuízo ocorreu por uma série de fatores, como os efeitos da depreciação cambial, que geraram maiores despesas financeiras. Houve também peso com processos trabalhistas e tributários, no total de R$ 2,3 bilhões. Outro ponto destacado pela estatal foi o total de gastos com "baixas de poços secos e subcomerciais", de R$ 668 milhões, e ainda uma despesa adicional, de R$ 270 milhões, com a devolução de campos à Agência Nacional de Petróleo (ANP).[47]

Resultados financeiros e operacionais

Ano Lucro líquido
(R$ bilhões)
Receita líquida
(R$ bilhões)
Ativos
(R$ bihões)
Endividamento
(R$ bilhões)
Produção de petróleo
(bpd milhões)
2013[48] Lucro 23,57 Aumento 304,89[49] 752[49] 249[50] Baixa 1,931
2012[51] Lucro 21,18 Baixa 281,37[49] 669[49] 181[50] Baixa 1,980
2011[52] Lucro 33,31 Baixa 244,18[53] 599[53] 136,6[50] Aumento 2,170
2010[48] Lucro 35,19 Aumento 211,84[53] 516[53] 100,9[50] Aumento2,156
2009[48] Lucro 28,98 Baixa 182,71[54] 350[55] 86,9[50] Aumento2,113
2008[48] Lucro 32,99 Aumento 215,12[54] 292[55] 50,9[56] Aumento1,980

Estrutura

Fachada do edifício-sede da empresa no Rio de Janeiro.

Diretoria Executiva

A Diretoria Executiva da Petrobras é constituída pelo Presidente da empresa e sete diretores:[57]

  • Diretor de Governança, Risco e Conformidade
  • Diretor da Área Financeira e de Relacionamento
  • Diretor de Gás e Energia
  • Diretor de Exploração e Produção
  • Diretor de Abastecimento
  • Diretor de Engenharia, Tecnologia e Materiais
  • Diretor Corporativo e de Serviços

Conforme o organograma da companhia, a cada uma das diretorias, estão subordinadas várias gerências.[58]

Principais empresas do Grupo

  • Petrobras Distribuidora S/A - BR, atua na distribuição de derivados de petróleo
  • Petrobras Biocombustível, PBIO, atua na produção e comercialização de biodiesel e etanol.
  • Petrobras Energía Participaciones S.A.
  • Petrobras Gás S/A - GASPETRO, subsidiária responsável pela comercialização do gás natural nacional e importado
  • Petrobras Transporte S/A (TRANSPETRO), cuja finalidade é operar a rede de transportes.
  • Petrobras International Finance Company - PIFCo

Pessoal

Por ser parte da administração pública indireta, a Petrobras contrata pessoal através de concursos públicos.

Data de abertura Data das provas Organizadora Nível Médio/Técnico Nível Superior
Vagas Cadastro Vagas Cadastro
20 de fevereiro de 2014[59] [60] 18 de maio de 2014 Fundação Cesgranrio 89 1000 11 132
28 de maio de 2015[61] 2 de agosto de 2015 Fundação Cesgranrio 0 0 13 145

Exploração de petróleo em águas profundas

Plataforma petrolífera P-51 da Petrobras, a primeira 100% brasileira.[carece de fontes?]
Plataforma petrolífera P-20, da Petrobras: a exploração de petróleo em águas profundas tornou a empresa numa referência mundial.
Cerimônia de batismo da Plataforma P-52 da Petrobras em Angra dos Reis (RJ).
Plataforma da empresa próximo à Ponte Rio-Niterói

A Petrobras é referência internacional na exploração de petróleo em águas profundas, para a qual desenvolveu tecnologia própria, pioneira no mundo, sendo a líder mundial deste setor. O seu projeto Roncador recebeu, em março de 2001, o "Distinguished Achievement Award - OTC'2001", tornando-se uma referência tecnológica para o mundo do petróleo e confirmando a liderança da Petrobras em águas profundas.[62]

A Petrobras bateu sucessivos recordes de profundidade por lâmina de água em extração de petróleo:

  • 174 m em 1977 no campo Enchova EN-1 RJS,
  • 189 m em 1979 no campo Bonito RJS-36,
  • 293 m em 1983 no campo Piraúna RJS-232,
  • 383 m em 1985 no campo Marimbá RJS-284,
  • 492 m em 1988 no campo Marimbá RJS-3760,
  • 781 m em 1992 no campo Marlim MRL-9,
  • 1 027 m em 1994 no campo Marlim MRL-4,
  • 1 709 m em 1997 no campo Marlim MLS-3,
  • 1 853 m em 1999 no campo Roncador RJS-436,
  • 1 877 m em 2000 no campo Roncador RO-8 e
  • 1 886 m em 2003 no campo Roncador RO-21.

Em 2007 a Petrobras manteve o recorde mundial de profundidade em perfuração no mar, com um poço em lâmina d'água de 2 777 metros. A Petrobras exporta tecnologia de exploração em águas profundas para vários países - a maioria dos métodos de colocação de tubos a grandes profundidades, como a instalação de risers flexíveis sem mergulhadores e os métodos de colocação vertical de sistemas de conexão em forma de "J" previamente amarrados à Árvore de Natal Molhada (ANM); na verdade, foram desenvolvidos em estreita colaboração com a Petrobras, e foram patenteados pela empresa francesa Coflexip.[63]

Plataforma P-50

A P-50 é um FPSO, sigla de Floating, Production, Storage and Offloading, unidade que possui a característica de produzir, processar, armazenar e escoar óleo e gás. Localizada no campo de Albacora Leste, ao norte da Bacia de Campos (RJ), a P-50 é a unidade flutuante de maior capacidade do Brasil, podendo produzir até 180 mil barris diários de petróleo e apresentando capacidade para comprimir seis milhões de metros cúbicos de gás natural e estocar 1,6 milhão de barris de petróleo. A plataforma tem comprimento de 337 metros, calado (altura submersa) de 21 metros e 55 metros de altura total (equivalente à de um prédio de dezoito andares).

Plataforma P-55

A P-55, a maior do tipo semissubmersível, atuará no Campo de Roncador, localizado na Bacia de Campos, onde ficará ancorada em profundidade de 1 800 metros e terá, no total, 18 poços a ela ligados. É destinada à produção de 180 mil barris de óleo por dia e 4,5 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. Em sua construção, estão sendo investidos quase 2 bilhões de dólares.

O casco foi montado no estaleiro em Suape (Pernambuco) e levado para o estaleiro em Rio Grande, onde atualmente se encontra em fase final de montagem,[64] com a união do casco com as outras partes pré-montadas, como o convés, cujo peso é estimado em 17 mil toneladas. O projeto segue os moldes da P-53 e da P-58, as primeiras plataformas cujas montagens - embora parciais - foram realizadas no solo brasileiro.[65]

Campo petrolífero de Tupi

Ver artigo principal: Campo petrolífero de Tupi
Localização do Campo petrolífero de Tupi em relação ao estado do Rio de Janeiro.

A Petrobras foi a primeira empresa petrolífera do mundo a explorar a camada pré-sal, uma camada que fica sob cerca de 2 000 metros de sal, depositado no subsolo do leito oceânico.[66]

A Petrobras já identificou pelo menos dez reservas potenciais para explorar petróleo sob a crosta de sal, contendo reservas prováveis de 12 bilhões de barris de óleo equivalente ("boe" - medida que inclui óleo e gás). No bloco BM-S-11, onde estão os poços gigantes Tupi e Tupi Sul, outros dois reservatórios já foram encontrados, e batizados de Iara e Iracema. A empresa portuguesa Petrogal tem participação de 10% em Tupi. Além de Tupi, Tupi Sul, Iara e Iracema, a Petrobras e seus parceiros encontraram petróleo no poço Carioca (BM-S-9). As três últimas descobertas ainda não foram alçadas à categoria de campos petrolíferos, sendo chamados de prospectos, isto é, áreas onde há boas indicações da existência de reservas.[67]

A Petrobras anunciou, em 22 de agosto de 2008, que o custo de extração por barril das reservas de petróleo do pré-sal será "extremamente econômico", de acordo com Antonio Carlos Pinto, gerente de concepção de projetos da empresa.[68] Porém, para sua extração, o preço do petróleo no mercado mundial precisa estar em um certo patamar, caso contrário a retirada de petróleo no pré-sal será inviável economicamente.[69]

Em 1 de maio de 2009, a empresa iniciou a produção de petróleo do pré-sal em Tupi, como parte do procedimento chamado "teste de longa duração". A produção foi interrompida em julho, mas foi retomada em setembro de 2009, sem efeitos concretos até o momento.[70]

Campo petrolífero Carioca

O consultor da área de petróleo Arthur Berman, em um artigo na revista World Oil, estimou que o potencial do o bloco BM-S-9, conhecido como "Carioca", seria cinco vezes maior que o megacampo de Tupi, ou cerca de 33 bilhões de barris, reconhecendo que esse número é "altamente especulativo", mas "um palpite crível".[71] Em uma conferência que proferiu no dia 14 de abril de 2008, o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Haroldo Lima, revelou esses dados aos brasileiros. Lima ressaltou que as informações eram preliminares, oriundas de fontes da Petrobras. O BM-S-9 é operado pelo consórcio Petrobras, que tem 45% do campo, a British Gas, com 30%, e a Repsol, com 25%. Lima declarou que "...seria a maior descoberta feita no mundo nos últimos 30 anos e seria também o terceiro maior campo do mundo na atualidade." Este comentário gerou na ocasião grande especulação no mercado de petróleo.

No dia 14 de abril de 2008, a Agência Nacional de Petróleo divulgou que a Petrobras poderia ter descoberto o terceiro maior campo de petróleo do mundo.[71] [72] O megacampo estaria localizado no bloco exploratório conhecido como Carioca, ou BM-S-9. A notícia, no entanto, ainda teria que ser confirmada. Antes mesmo da confirmação, as ações da empresa, que operavam em queda na Bolsa de Valores de São Paulo, chegaram a subir 6%.

Refinarias

REPLAN, em Paulínia, a maior refinaria em processamento de petróleo da Petrobras.

Região Norte

Região Nordeste

Região Sudeste

Região Sul

Exterior

Outras unidades

Em construção

Em estudo

Centrais termelétricas

A partir de 2000, a Petrobras começou a construir termelétricas, visando complementar o abastecimento nacional de energia elétrica, especialmente nos períodos de pico de consumo. Atualmente, as usinas em operação, próprias e alugadas, são as seguintes, com as respectivas capacidades:[73]

  • TermoCeará (UTE-TCE, Caucaia, CE): 220 MW
  • Bahia I (UTE-BA-I, Camaçari, BA): 32 MW
  • Rômulo Almeida (UTE-RA, Camaçari, BA): 138 MW
  • Celso Furtado (UTE-CF, São Francisco do Conde, BA): 186 MW
  • Jesus Soares Pereira (UTE-JSP, Alto do Rodrigues, RN): 323 MW
  • Aureliano Chaves (UTE-ACH, Ibirité, MG): 226 MW
  • Juiz de Fora (Juiz de Fora, MG): 87 MW
  • Luiz Carlos Prestes (UTE-LCP, Três Lagoas, MS): 386 MW
  • Mário Lago (UTE-MLG, Macaé, RJ): 923 MW
  • Governador Leonel Brizola (UTE-GLB, Duque de Caxias, RJ): 1 058 MW
  • Barbosa Lima Sobrinho (UTE-BLS, Seropédica, RJ): 386 MW
  • Piratininga (São Paulo, SP): 219 MW
  • Fernando Gasparian (UTE-FEG, Pedreira, SP): 576 MW
  • UEG Araucária (Araucária, PR): 484 MW
  • Sepé Tiaraju (UTE-ST, Canoas, RS): 161 MW
  • Tambaqui (Manaus, AM): 95 MW
  • Jaraqui (Manaus, AM): 76 MW
  • Arembepe (Camaçari, BA): 150 MW
  • Cuiabá (Cuiabá, MT): 529 MW
  • Muricy (Camaçari, BA): 152 MW
  • Baixada Fluminense (UTE-BF, Seropédica, RJ): 344 MW

Em 2013, foram gerados 4 043 MW médios de energia elétricos para o Sistema Inerligado Nacional (SIN).[74]

Patrocínio

O Edifício Horta Barbosa - EDIHB - próximo ao Maracanã, no Rio de Janeiro, é um dos prédios da Petrobras na cidade.

A Petrobras foi a primeira patrocinadora do Clube de Regatas do Flamengo. Foi parceira do clube de 1984 até 2 de abril de 2009, quando o Flamengo oficializou a saída do patrocinador;[75] esta foi a parceria mais longa do futebol brasileiro.[76] Também patrocina o clube argentino Club Atlético River Plate, que, assim como o Flamengo, possui o nome do óleo Lubrax estampado em seu uniforme.

Na F-1, a estatal forneceu combustível e lubrificantes em 1981-1982 para a equipe Fittipaldi. Entre 1998 a 2008, patrocinou a equipe Williams (1998-2008) e forneceu lubrificantes para a Jordan (2001-2002). Um novo contrato foi assinado com a Williams, pelo qual as duas empresas trabalharão em conjunto com a Mercedes a partir da temporada de 2015, para desenvolver um novo combustível automobilístico e lubrificantes.[77]

Além da F-1, a Petrobras também patrocina/patrocinou equipes da Stock Car, Fórmula Truck, F-3 Sul-Americana e a CART Series.[78] [79]

Ainda na área de competições a motor, mantém equipe no famoso Rali Dakar desde 1987, nas categorias Caminhões, Carros e Motocicletas, sob a denominação de Equipe Petrobras Lubrax, a marca internacional da companhia mais utilizada no meio automobilístico. A mesma equipe também contabiliza participação em todas as edições do brasileiro Rally dos Sertões. Nas duas competições, coleciona diversas vitórias.[80]

A empresa também conta com diversas ações de patrocínio nas áreas sociais, culturais e ambientais, tendo papel de destaque nas ações empresariais de responsabilidade social, no Brasil. Além dessas, a própria empresa patrocina o Campeonato Brasileiro de Futebol das Séries A e B desde 2011.[81]

Polêmicas

O caso BR em 1989

Em 1989 a mídia divulgou supostos casos de corrupção na estatal, a repercussão rendeu aos jornalistas Ricardo Boechat, Aluízio Maranhão, Suely Caldas e Luiz Guilhermino o Prêmio Esso de Jornalismo de 1989[82] [83] .

Nacionalização na Bolívia

Refinaria em Cochabamba, Bolívia, vendida a YPFB em 2007.

Em maio de 2006, o presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou a nacionalização de todos os campos de petróleo e gás no país. Evo Morales ordenou a ocupação de todos os campos pelo exército boliviano. A Petrobras foi profundamente afetada pela nacionalização. Na época, a subsidiária boliviana tinha grande importância na economia do país: a empresa representava 24% dos impostos industriais bolivianos, 18% do produto interno bruto (PIB) do país e 20% dos investimentos estrangeiros; a estatal brasileira operava em 46% das reservas de petróleo da Bolívia e era responsável por 75% das exportações de gás para o Brasil; a Petrobras investiu, entre 1994 e 2005, 1,5 bilhão de dólares na economia boliviana.[84]

A nacionalização afetou negativamente a relação entre a Petrobras e o governo boliviano. Em 28 de outubro de 2006, depois de uma longa negociação, Petrobras e Bolívia chegaram a um acordo, pelo qual a empresa passaria a receber apenas 18% dos lucros (antes recebia 50%) e o governo boliviano ficaria com o restante.[85]

Refinaria Pasadena no Texas

Ver artigo principal: Pasadena Refinery System Inc

Em 2006, a Petrobras pagou 360 milhões de dólares por 50% da refinaria de Pasadena. Em 2008, a Petrobras e a Astra Oil, empresa belga de petróleo, se desentenderam e uma decisão judicial obrigou a estatal brasileira a comprar a parte que pertencia à Astra Oil. A aquisição da refinaria de Pasadena acabou custando 1,18 bilhão de dólares à Petrobras, mais de 27 vezes o que a Astra teve de desembolsar.[86] A refinaria texana de Pasadena foi a única a registrar lucro dentro do grupo Petrobras, no primeiro semestre de 2014. O lucro da unidade foi de aproximadamente US$ 130 milhões, devido ao benefício do uso do petróleo não convencional produzido nos Estados Unidos.[87]

Operação Lava Jato

Operação Lava Jato[nota 1] é o nome de uma investigação da Polícia Federal do Brasil iniciada em 17 de março de 2014 para apurar um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar mais de 10 bilhões de reais, atualmente estimado em mais de R$20 bilhões.[89] A operação recebeu esse nome devido ao uso de uma rede de lavanderias e postos de combustíveis pela quadrilha para movimentar os valores de origem ilícita.[90]

Até abril de 2014, a operação já contava com 46 pessoas indiciadas pelos crimes de formação de organização criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro[91] e 30 presas,[92] dentre elas o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa.[93] Pedro Barusco disse que o esquema de pagamento de propinas na Petrobras começou em 1997.[94] Em depoimento na CPI da Petrobras em março, Barusco declarou: "Iniciei a receber propina em 1997 e 1998. Foi uma iniciativa pessoal, junto com o representante da empresa. De forma mais ampla, (receber propina) foi a partir de 2004, não sei precisar a data, mas foi a partir dali"[95]

Em 14 de novembro de 2014, novos mandados de prisão foram cumpridos, sendo presos os presidentes e diretores de grandes empresas do Brasil, como Construtora OAS, IESA Óleo e Gás, Camargo Corrêa Construções, UTC Engenharia e Construtora Queiroz e Galvão. Segundo as investigações do Ministério Público Federal, o esquema de cartel das empreiteiras em obras da Petrobras existe há pelo menos 15 anos, se institucionalizando a partir de 2004.[96]

Em outubro de 2015, a força-tarefa da Lava Jato identificou R$10 bi em propinas[97] , recuperou R$870 milhões, bloqueou outros R$2,4 bilhões e prendeu 105 envolvidos no escândalo.[98] [99]

Em novembro de 2015, a PF estimou que o prejuízo da Petrobras com corrupção pode ser de R$ 42 bi, tendo sido R$6 bi divulgados oficialmente pela empresa, um número considerado conservador. A estimativa tem como base um laudo da perícia criminal baseado em tabelas que mostram os pagamentos indevidos envolvendo as 27 empresas apontadas como integrantes do cartel na Petrobras. [100]

Acidentes e vazamentos

2001

Em 20 de março de 2001 afundou a plataforma P-36, considerada, até então, a maior do mundo. Segundo a agência nacional de petróleo (ANP) do Brasil, o acidente foi causado por "não-conformidades quanto a procedimentos operacionais, de manutenção e de projeto"[101] .

2012

2013

2015

  • Em 11 de fevereiro de 2015, uma explosão na casa de bombas do navio-plataforma FPSO Cidade de São Mateus, causada por um vazamento de gás, matou nove pessoas e deixou 26 feridas.[119] [120] Segundo relatório interno da Petrobras sobre o acidente, meses antes uma peça fora da especificação necessária foi instalada num circuito de transferência de água e óleo. No dia do acidente essa peça não suportou a pressão causada por um erro na abertura e fechamento das válvulas, ocasionando o vazamento de gás que gerou a explosão.[119] O relatório ainda aponta como erro grave a orientação de enviar equipes de funcionários para áreas com atmosfera inflamável.[119]

Investimentos estrangeiros

Em 1 de abril de 2015, a Petrobras anunciou ter fechado um investimento de U$ 3,5 bilhões (R$ 11,2 bilhões), com o Banco de Desenvolvimento da China. É o primeiro contrato dentro de um acordo de cooperação que vai vigorar entre 2015 e 2016. Assim, a empresa tenta se reequilibrar financeiramente depois das difíceis crises dos últimos anos e dos escândalos de corrupção.[121] .

Ver também

Notas

  1. A expressão gramaticalmente correta é "Lava A Jato" ("a jato" é uma locução adverbial de modo; não se trata de um jato que está a ser lavado.[88]

Referências

  1. Portal G1 (: ). «Petrobras confirma Bendine como sucessor de Graça Foster». Consultado em 06 de fevereiro de 2015. 
  2. a b Petrobras (: ). «Dados». Consultado em 16 de setembro de 2014. 
  3. http://www.bloomberg.com/quote/PETR4:BZ
  4. http://br.advfn.com/noticias/BOV/2015/artigo/66539350
  5. Petrobras (: ). «Composição do Capital Social». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  6. Petrobras, : (11 de agosto de 2014). «Produção Mensal de Óleo e Gás Natural - Brasil e Internacional». Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  7. «The devil in the deep-sea oil» The Economist [S.l.] 5 de novembro de 2011. Consultado em 13 de março de 2012. 
  8. Chandler, Graham (Novembro de 2008). «Petrobras Deepwater Discovery Success». Earth Explorer. Consultado em 13 de março de 2012. 
  9. Petrobras (: ). «About us». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  10. a b BARBOSA, Rodolfo e ALVES, Aluísio (19 de maio de 2008). Reuters, : . «Petrobras ultrapassa Microsoft em valor de mercado, diz estudo». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  11. «Petrobras pode se tornar a quarta maior empresa do mundo.». O Estado de S. Paulo. 25 de setembro de 2010. Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  12. O Globo, : (24 de setembro de 2010). «Com capitalização, Petrobras vira segunda maior petrolífera do mundo.». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  13. Vinicius Konchinski. Agência Brasil, : . «Capitalização torna Petrobras segunda maior empresa do mundo em valor de mercado». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  14. «Petrobras is world's 2nd largest after fundraising.». Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  15. Veja.com, : (24 de setembro de 2010). «Lula: euforia no 'momento mais auspicioso do capitalismo'». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  16. Blog Planalto, : (24 de setembro de 2010). «A maior capitalização da história da humanidade». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  17. http://noticias.r7.com/internacional/petrobras-teve-prejuizo-de-r-21587-bilhoes-em-2014-22042015
  18. http://economia.ig.com.br/empresas/2015-04-23/prejuizo-da-petrobras-e-o-maior-desde-1986-aponta-economatica.html
  19. «Petrobras perde R$6,2 bilhões com corrupção e registra 1º prejuízo desde 1991». Estadão economia. 22 de abril de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  20. http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=194486
  21. http://oglobo.globo.com/economia/petrobras-registra-prejuizo-de-348-bilhoes-em-2015-18927735%7Cpublicado=Oglobo%7Cacessodata=21 de março de 2016|data=21 de março de 2016|título=Petrobras registra prejuízo de R$ 34,8 bilhões em 2015
  22. a b COTTA,Pery - O petróleo é nosso? - Guavira Editores - 1975 - Rio de Janeiro - pgs. 30,129
  23. «PROCAP 3000: próxima fronteira de exploração em águas ultraprofundas». Consultado em 14 de outubro de 2014. 
  24. a b c O Estado de S. Paulo, : (22 de abril de 2014). «Petrobras devolve pela 1ª vez uma área do pré-sal». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  25. O Estado de S. Paulo, : (17 de outubro de 2002). «Petrobras compra Pérez Companc por US$ 1,027 bilhão». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  26. United States Government Accountability Office, : (23 de março de 2010). «GAO-10-515R Iran’s Oil, Gas, and Petrochemical Sectors» (PDF). Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  27. Revista Istoé, : (26 de abril de 2006). «O valor de uma conquista». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  28. Portal Brasil (: ). «Petróleo e Gás Natural - Resultados 2007 a 2010». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  29. «Petrobras é a quarta empresa mais respeitada do mundo». Site da Petrobras. Consultado em 15 de setembro de 2009. 
  30. Júnior, Cirilo. (1 de maio de 2009). "Petrobras inicia produção em Tupi nesta sexta-feira". Visitado em 15 de setembro de 2009.
  31. Nielmar de Oliveira (6 de Julho de 2009). «Petrobras interrompe produção do Campo de Tupi na região do pré-sal». Agência Brasil. Consultado em 15 de setembro de 2009. 
  32. «Brasil: Produção retomada em campo petrolífero participado pela Galp». Visão. 8 de setembro de 2009. Consultado em 15 de setembro de 2009. 
  33. O Dia Online, : (4 de janeiro de 2007). «Petrobras entra no grupo de empresas com valor de mercado superior a cem bilhões de dólares». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  34. Valor Online, : (16 de novembro de 2007). «Petrobras é a empresa mais lucrativa, mas uma das menos rentáveis da América Latina, aponta estudo.». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  35. Agência Estado, : (3 de março de 2008). LIMA,Kelly. «Lucro da Petrobras cai 17% em 2007, para R$ 21,5 bilhões» Verifique |url= (Ajuda). Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  36. UOL, : (13 de fevereiro de 2007). «Petrobras obtém lucro de 25,9 bilhões de reais em 2006, resultado recorde na América Latina.». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  37. Petrobras, : (13 de fevereiro de 2007). «Petrobras alcança lucro recorde de 25,9 bilhões de reais em 2006». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  38. Petrobras, : (31 de janeiro de 2007). «Petrobras é oitava empresa de petróleo com ações em bolsa». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  39. ESCOBAR, Herton (18 novembro de 2007). O Estado de S. Paulo, : . «2 km de sal desafiam tecnologia». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  40. a b Agência Estado, : (9 de novembro de 2007). «Valor da estatal sobe R$ 48 bi». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  41. Reuters, : (12 de agosto de 2008). «Petrobras é 3ª mais lucrativa das Américas--Economática». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  42. Folha de S.Paulo, : (24 de setembro de 2010). «Capitalização da Petrobras "destrava" Bolsa e câmbio; estatal captou R$ 120,4 bi». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  43. O Globo, : (24 de setembro de 2010). «Capitalização da Petrobras atinge R$ 120 bilhões». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  44. G1, : (agosto de 2008). «Petrobras tem lucro líquido de R$ 10,9 bilhões no trimestre». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  45. O Estado de S. Paulo, : (19 de outubro de 2013). «Petrobras é a empresa com mais dívidas no mundo». Consultado em 30 de novembro de 2013. 
  46. ANTONIO PITA e VINICIUS NEDER (22 de setembro de 2015). «Dívida da Petrobrás sobe mais R$ 100 bi». Estadão. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  47. «Petrobras tem prejuízo de R$3,8 bi no 3º tri». O Globo. 12 de novembro de 2015. Consultado em 13 de novembro de 2015. 
  48. a b c d G1 (25 de fevereiro de 2013). «Lucro da Petrobras sobe 11% e alcança R$ 23,6 bilhões em 2013». Consultado em 26 de fevereiro de 2013. 
  49. a b c d «Relatório da Administração 2013, página 64». Petrobras. Consultado em 12 de janeiro de 2016. 
  50. a b c d e «Relatório da Administração 2013, página 5». Petrobras. Consultado em 12 de janeiro de 2016. 
  51. G1 (4 de fevereiro de 2013). «Petrobras tem lucro líquido de R$ 21,18 bilhões em 2012, queda de 36%». Consultado em 19 de fevereiro de 2014. 
  52. Exame (09 de fevereiro de 2012). «No quarto trimestre de 2011, lucro da Petrobras cai 52,38%». Consultado em 19 de março de 2014. 
  53. a b c d «Relatório de Atividades 2011, Análise Financeira, pág.1». Petrobras. Consultado em 12 de janeiro de 2016. 
  54. a b «Lucro da Petrobras cai 12% em 2009, para R$ 28,98 bilhões». G1. 19 de março de 2010. Consultado em 12 de janeiro de 2016. 
  55. a b Demonstrações Financeiras Padronizadas 2010
  56. «Relatório de Atividades 2011, página 5». Petrobras. Consultado em 12 de janeiro de 2016. 
  57. Petrobras. Nossa Diretoria
  58. Petrobras. Organograma
  59. «Petrobras abre concurso para 1.232 vagas». G1. 20 de fevereiro de 2014. Consultado em 20 de fevereiro de 2014. 
  60. Fundação Cesgranrio, : (2014). «Concurso Petrobras 2014». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  61. «Petrobras encerra inscrições para 158 vagas; Cesgranrio é a organizadora». G1. 18 de junho de 2015. 
  62. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), : (2 de setembro de 2003). «Petrobras na Vanguarda Tecnologia desenvolvida para o campo de Roncador conquista prêmio OTC 2001 Revista Power». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  63. Gonsen, Ruby (1996). Revista Espacios, : . «A Trajetória Tecnológica da Petrobras na Produção Offshore 6/6». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  64. Jornal Agora, : (23 de fevereiro de 2012). «Estrutura de montagem para P-55 chega a dique seco». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  65. «Casco da P-55 atraca no Estaleiro Rio Grande». Jornal Agora. 16 de janeiro de 2012. Consultado em 16 de janeiro de 2011. 
  66. «Petrobras deve instalar projeto-piloto em Tupi entre 2010 e 2011». Revista Exame. 8 de novembro de 2007. Consultado em 15 de agosto de 2014. 
  67. PAMPLONA, Nicola. Petrobras e Petrogal miram pelo menos dez reservas no megacampo. Rio de Janeiro: Economia & Negócios, O Estado de S. Paulo, 18 de novembro de 2007, p. B10
  68. «PETROBRAS: custo de extração do pré-sal é "econômico". Rio de Janeiro». Agência Reuters. 22 de agosto de 2008. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  69. O Globo, : (10 de outubro de 2008). «Pré-sal só vale a pena com petróleo acima de 50 dólares o barril». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  70. «Petrobras inicia exploração do pré-sal». 28 de outubro de 2010. Consultado em 14 de outubro de 2015.  Texto "Portal Brasil" ignorado (Ajuda)
  71. a b BBC Online, : (30 de abril de 2008). «Petrobras está confiante em reserva Carioca, diz 'FT'». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  72. Folha de S.Paulo, : (14 de abril de 2008). «Bloco na Bacia de Santos pode ser cinco vezes maior que Tupi». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  73. Petrobras (: ). «Termelétricas». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  74. «Sistema Interligado Nacional» (PDF). Senado. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  75. Revista Veja, : (2 de abril de 2009). «Flamengo rompe com a Petrobras». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  76. iG, : (2 de abril de 2009). «Surpreendida, Petrobras lamenta fim da parceria com o Flamengo». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  77. Petrobras (: ). «Atuação no esporte». Consultado em 18 de setembro de 2014. 
  78. http://www.stockcar.com.br/Noticias/2015/03/18/petrobras-e-a-nova-fornecedora-de-combustivel-da-stock-car%7Cpublicado=stockcar%7Ctítulo=PETROBRAS É A NOVA FORNECEDORA DE COMBUSTÍVEL DA STOCK CAR|acessodata=14 de outubro de 2015}}
  79. «Os finalistas da Seletiva de Kart Petrobras 2013: Paulo Victor, mineiro, 14 anos». UOL Grande prêmio. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  80. «Equipe Petrobras Lubrax conquista sua melhor colocação no Rally Dakar». Site Oficial da Petrobras. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  81. «O primeiro patrocínio de grandes clubes de futebol». Com atitude. 16 de fevereiro de 2011. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  82. «Ao comentar operação Lava Jato, Boechat chama FHC de ‘oportunista’». Revista Fórum. 18 de novembro de 2014. Consultado em 8 de fevereiro de 2015. 
  83. . Premio esso http://www.premioesso.com.br/site/premio_principal/index.aspx?year=1989. Consultado em 8 de fevereiro de 2015.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  84. UOL, : (02 de maio de 2006). «Saiba o tamanho da Petrobras na economia da Bolívia, e a importância da Bolívia para a Petrobras». Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  85. «Acordo com Bolívia garante rentabilidade para Petrobras, diz Silas». 29 de outubro de 2006. Consultado em 13 de agosto de 2014. 
  86. G1, : (março de 2014). "Entenda a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras http://g1.globo.com/economia/noticia/2014/03/entenda-compra-da-refinaria-de-pasadena-pela-petrobras.html="Entenda a compra da refinaria de Pasadena pela Petrobras Verifique |url= (Ajuda). Consultado em 29 de abril de 2014.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  87. Jornal O Tempo, : (15 de agosto de 2014). foi a única a obter lucro no grupo Petrobras http://www.otempo.com.br/capa/economia/pasadena-foi-a-%C3%BAnica-a-obter-lucro-no-grupo-petrobras-1.900683=Pasadena foi a única a obter lucro no grupo Petrobras Verifique |url= (Ajuda). Consultado em 17 de agosto de 2014.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  88. «Lava jato ou lava a jato?». Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  89. «Propinas investigadas pela Lava Jato chegam a R$ 10 bilhões, diz procurador». EBC. 9 de outubro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  90. Polícia Federal do Brasil. «Entenda a Operação Lava Jato». Consultado em 9 de outubro de 2014. 
  91. Polícia Federal do Brasil. «Operações». Consultado em 10 de outubro de 2014. 
  92. Polícia Federal do Brasil. «Operações». Consultado em 10 de outubro de 2014. 
  93. ZH Economia. «Justiça decreta prisão preventiva de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras». Consultado em 10 de outubro de 2014. 
  94. Brian Winter. «ENTREVISTA-FHC diz que Lula tem mais responsabilidade política em caso Petrobras do que Dilma». agência internacional de notícias Thomson Reuters. Consultado em 23 de março de 2015. 
  95. «Comecei a receber propina em 1997 por iniciativa pessoal, diz delator». UOL. 10 de março de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  96. «Perguntas e respostas da Operação Lava Jato». CartaCapital. Consultado em 17/11/2014. 
  97. «Propina chega a R$ 10 bilhões, estima procurador da Lava-Jato». O Globo. 9 de outubro de 2015. Consultado em 14 de outubro de 20154. 
  98. «Lava Jato completa 500 dias com a recuperação de R$ 870 milhões». G1 Parana. 30 de julho de 2015. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  99. «A Lava Jato em números». Site Oficial da Lava Jato, do Ministério Público Federal. Consultado em 14 de outubro de 2015. 
  100. «PF estima que prejuízo da Petrobras com corrupção pode ser de R$ 42 bi». G1 Parana. 12 de novembro de 2015. Consultado em 21 de março de 2016. 
  101. Explosão na P-36 foi causada por erros de manutenção e projeto, diz ANP Folha Online, 2001
  102. «Vazamento de óleo diesel atinge a praia de Maresias em São Sebastião». G1. Consultado em 7 de abril de 2013. 
  103. «Secretário fala sobre vazamento de óleo diesel em São Sebastião». G1. Consultado em 7 de abril de 2013. 
  104. «Petrobras é multada por vazamento de óleo diesel em São Sebastião». G1. Consultado em 9 de abril de 2013. 
  105. «Vazamento de combustível interdita nove praias em São Sebastião (SP)». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de abril de 2013. 
  106. «Vazamento de combustível chega à Enseada de Caraguatatuba (SP)». Folha de S.Paulo. Consultado em 7 de abril de 2013. 
  107. «Óleo vaza e São Sebastião interdita nove praias». Estadão. Consultado em 7 de abril de 2013. 
  108. «Vazamento de óleo atinge pelo menos três praias de Caraguatatuba». G1. Consultado em 8 de abril de 2013. 
  109. «Vazamento em São Sebastião (SP) foi de 3.500 litros, diz Petrobras». UOL. Consultado em 9 de abril de 2013. 
  110. «Um dia após conclusão de limpeza, praias de SP ainda têm óleo». Folha de S. Paulo. Consultado em 10 de abril de 2013. 
  111. «Cetesb multa Petrobras em R$ 10 mi por vazamento no litoral de São Paulo». G1. Consultado em 9 de abril de 2013. 
  112. «Volume de óleo que vazou no rio chega a 49 mil litros, diz Transpetro». G1. Consultado em 9 de maio de 2013. 
  113. «Vazamento de óleo em SP prejudica abastecimento de água no RJ». Estadão. Consultado em 7 de maio de 2013. 
  114. «Vazamento de óleo diesel interrompe abastecimento de água no Sul do RJ». G1. Consultado em 7 de maio de 2013. 
  115. «Escolas do Sul do RJ cancelam aulas por problema na captação de água». G1. Consultado em 9 de maio de 2013. 
  116. «Vazamento de óleo diesel atinge Rio Sesmaria, em Resende, no RJ». G1. Consultado em 7 de maio de 2013. 
  117. «Vazamento de diesel da Transpetro atinge Rio Paraíba do Sul». G1. Consultado em 7 de maio de 2013. 
  118. «Explosão compromete produção em refinaria da Petrobras no Paraná». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de novembro de 2013. 
  119. a b c «Relatório interno da Petrobras revela causas de explosão em navio no ES». G1. 11 de junho de 2015. 
  120. Terra. «Acidente com navio-plataforma da Petrobras deixa 3 mortos». 
  121. «Folha de S.Paulo - Petrobrás consegue financiamento de U$ 3,5 bilhões na China». 01 de abril de 2015. Consultado em 01 de abril de 2015. 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Meta-Wiki Meta-Wiki