Philippe Pinel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Philippe Pinel
Nascimento 20 de abril de 1745
Saint André
Morte 25 de outubro de 1826 (81 anos)
Paris
Nacionalidade França Francês
Ocupação Psiquiatria

Philippe Pinel (Saint André, 20 de abril de 1745Paris, 25 de outubro de 1826) nasceu nas colinas de Jonquières, França. Ele era filho e sobrinho de médicos. Depois de receber um diploma da faculdade de medicina em Toulouse, estudou mais quatro anos na Faculdade de Medicina de Montpellier. Ele chegou a Paris em 1778 e é considerado por muitos o pai da psiquiatria.

Notabilizou-se por ter considerado que os seres humanos que sofriam de perturbações mentais eram doentes e que ao contrário do que acontecia na época, deviam ser tratados como doentes e não de forma violenta. Foi o primeiro médico a tentar descrever e classificar algumas perturbações mentais, demência precoce ou esquizofrenia.

A obra mais importante escrita por Pinel foi "Traité médico-philosophique sur l’aliénation mentale ou la manie".

Pinel considerava emigrar para a América. Em 1784 ele se tornou editor da não muito prestigiosa revista médica The Gazette de santé, um semanário de quatro páginas. Ele também era conhecido entre os cientistas naturais como um colaborador regular do Jornal de physique. Polímata, estudou matemática, traduziu obras médicas para o francês e empreendeu expedições botânicas.

Por volta desta mesma época, começou a desenvolver um grande interesse pelo estudo da doença mental. O incentivo foi uma questão pessoal. Um amigo havia desenvolvido uma "melancolia nervosa" que se "degenerou em mania" e resultou em suicídio. Pinel considerou o evento uma tragédia desnecessária, causada por uma péssima gestão da situação, o que parece tê-lo assombrado. Isso o levou a procurar emprego em um dos sanatórios particulares mais conhecidos de Paris, o qual era voltado ao tratamento da demência. Lá permaneceu por cinco anos antes da Revolução, reunindo observações sobre loucura e começando a formular a sua opinião sobre a natureza e o tratamento do fenômeno.

Pinel era um ideólogo, um discípulo de Abbé de Condillac. Além disso, como médico, acreditava que a verdade médica derivaria essencialmente da experiência clínica. Hipócrates foi o seu modelo.

Gui Benoit e Georges Daumézon[1] escreveram que Pinel, então responsável pelo serviço de alienados do hospício de Bicêtre, desde o começo teve como preocupações fundamentais:

  • distinguir a confusão existente entre os alienados e os melancólicos;
  • transformar a atitude brutal e repressiva em uma atitude compreensiva que denominou tratamento moral;
  • introduzir no tratamento princípios que reduzem a importância da lesão anatômica.

Referências

  1. Gui Benoit e Georges Daumézon. Masson, ed. "Apport de la Psychanalyse à la sémiologie psychiatrique". 1970. [S.l.: s.n.] pp. p.38 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.