Phineas Gage

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Phineas Gage
Nome completo Phineas P. Gage
Nascimento 9 de julho de 1823[1]
Lebanon, New Hampshire
Morte 21 de maio de 1861 (37 anos)
cercanias de São Francisco, Califórnia

Phineas Gage (9 de julho de 1823 - 21 de maio de 1860) foi um operário americano que, num acidente com explosivos, teve seu cérebro perfurado por uma barra de metal, sobrevivendo apesar da gravidade do acidente.

Após o ocorrido, Phineas, que aparentemente não tinha sequelas, apresentou uma mudança acentuada de comportamento, sendo objeto para estudos de caso muito conhecidos entre neurocientistas.

O caso de Phineas Gage[editar | editar código-fonte]

Às 16h30 de 13 de setembro de 1848 um grupo de operários estava dinamitando um rochedo para construir uma estrada de ferro. Gage foi o encarregado de colocar a pólvora para dentro de um profundo buraco aberto na rocha. No momento em que ele pressionou a pólvora para o buraco, o atrito fez uma faísca, fazendo-a explodir.

A explosão resultante projetou a barra, de 1 metro e meio de comprimento, contra seu crânio em alta velocidade. Esta barra entrou pela bochecha esquerda destruindo seu olho, atravessando, na sequência, a parte frontal do cérebro e saindo pelo topo do crânio, do lado direito

Gage surpreendentemente permaneceu consciente imediatamente depois do acidente. Sendo levado ao médico local, John Harlow, que o socorreu.

Incrivelmente, ele estava falando e podia até caminhar. Perdeu muito sangue, mas depois de alguns problemas de infecção ele não só sobreviveu à lesão, como também se recuperou fisicamente muito bem.

Gage depois do acidente[editar | editar código-fonte]

Durante três semanas a ferida foi tratada pelos médicos. Em novembro, Gage já podia circular pela vila. Mas estava diferente. Alegadamente teria se transformado num homem de mau gênio, grosseiro, desrespeitoso com os colegas e incapaz de aceitar conselhos. Os seus planos futuristas foram abandonados e ele passou a agir sem pensar nas consequências. A sua transformação foi tão grande que todos diziam que "Gage deixou de ser ele mesmo".

Foi demitido de seu emprego por indisciplina e não conseguiu mais ter um emprego fixo. Chegou a ser atração de circo e até mesmo tentar a vida no Chile, voltando posteriormente aos Estados Unidos. Morreu em vinte e um de maio de 1861[2].

Importância deste caso clínico para a Neurociência[editar | editar código-fonte]

O caso de Gage é considerado como uma das primeiras evidências científicas que indicavam que a lesão nos lóbulos frontais pode alterar a personalidade, emoções e a interação social. No entanto, o cérebro de Gage só foi estudado quatro anos após sua morte, quando o doutor Harlow descobriu que ele havia falecido e pediu autorização para a sua irmã para exumar o corpo e preservar o crânio[2].

Antes deste caso os lóbulos frontais eram considerados estruturas silentes (sem função) e sem relação com o comportamento humano.

Uso teórico indevido[editar | editar código-fonte]

O Gage que aparece nos livros de psicologia contemporânea é simplesmente uma criatura misturada ... um exemplo impressionante dos usos ideológicos das histórias de casos e de sua reconstrução mitológica.

Rhodri Hayward[3]

Embora Gage seja considerado o "caso índice de mudança de personalidade devido a danos no lobo frontal",[4][5][6][7][8] a extensão incerta da sua lesão cerebral[7][9][8] e a compreensão limitada de suas mudanças comportamentais[nota 1] o tornam "de interesse mais histórico do que neurológico". Assim, Macmillan escreve: "Vale a pena recordar a história de Phineas [principalmente] porque ilustra com que facilidade um pequeno estoque de fatos se transforma em mito popular e científico",[17] a escassez de evidências tendo permitido "a adequação de quase qualquer teoria [desejada] ao pequeno número de fatos que temos".[8] Uma preocupação semelhante foi expressa em 1877, quando o neurologista britânico David Ferrier (escrevendo para Henry Pickering Bowditch, de Harvard, na tentativa de "resolver definitivamente esse caso") reclamou que "Ao investigar relatórios sobre doenças e lesões do cérebro, fico constantemente impressionado com a inexatidão e a distorção a que estão sujeitos por homens que têm alguma teoria predileta para apoiar. Os fatos padecem de maneira assustadora..."[8][18] Mais recentemente, o neurologista Oliver Sacks refere-se às "interpretações e más interpretações de [Gage] a partir de 1848 para o presente",[19] e Jarrett discute o uso de Gage para promover "o mito, encontrado em centenas de livros de psicologia e neurociência, peças teatrais, filmes, poemas e esquetes do YouTube[:] A personalidade está localizada nos lobos frontais ... e uma vez danificados, a pessoa muda para sempre."[20]

Localização cerebral[editar | editar código-fonte]

No debate do século XIX, sobre se as várias funções mentais estão localizadas ou não em regiões específicas do cérebro (ver Especialização funcional), ambos os lados conseguiram recrutar Gage para apoiar suas teorias.[4][8] Por exemplo, depois que Eugene Dupuy escreveu que Gage provou que o cérebro é não localizado (caracterizando-o como um "caso marcante de destruição do chamado centro de fala sem afasia consequente"), Ferrier respondeu usando Gage (junto com as xilogravuras de seu crânio e ferro do artigo de 1868 de Harlow) para apoiar sua tese de que o cérebro é localizado (localizacionismo das funções em áreas cerebrais).[21]​​​​[22][8][23]

Frenologia[editar | editar código-fonte]

Os frenologistas sustentaram que a destruição dos "órgãos" mentais da Veneração e Benevolência causou mudanças comportamentais de Gage. Harlow pode ter acreditado que o Órgão da Comparação também foi danificado.

Ao longo do século XIX, adeptos da frenologia sustentaram que as mudanças mentais de Gage (sua profanidade, por exemplo) resultaram da destruição de seu "órgão da Benevolência" —‌como os frenologistas o viam, a parte do cérebro responsável por "bondade, benevolência, o caráter gentil ... [e] a dispor homem a conduzir-se de maneira conforme à manutenção da ordem social"—e/ou o 'órgão de Veneração" adjacente—relacionado à religião e Deus, e com o respeito a pares e àqueles que têm autoridade.[8][24][25][26] A frenologia considerou que os órgãos das "paixões mais grosseiras e mais animais estão perto da base do cérebro; literalmente o mais baixo e próximo do homem animal, [enquanto] mais alto e longe do sensual estão os sentimentos morais e religiosos, como se fosse mais próximo do céu". Assim, Veneração e Benevolência estariam no ápice do crânio—a região de saída da barra de ferro de Gage.[27]

Harlow escreveu que Gage, durante sua convalescença, não "calculava com precisão tamanho ou dinheiro[,] não receberia US$1000 por algumas pedrinhas" e não se particularizava sobre preços ao visitar uma loja local;[15] Por esses exemplos, Harlow pode estar implicando danos ao "Órgão de Comparação" da frenologia.[nota 2]

Psicocirurgia e lobotomia[editar | editar código-fonte]

Afirma-se frequentemente que o que aconteceu com Gage desempenhou um papel no desenvolvimento posterior de várias formas de psicocirurgia—‌ particularmente lobotomia[28][29][8]—‌ ou mesmo que o acidente de Gage constituiu "a primeira lobotomia".[30][31] Fora a questão de por que as mudanças desagradáveis geralmente (se hiperbolicamente) atribuídas a Gage inspirariam imitação cirúrgica,[32] não existe essa ligação, segundo Macmillan:

Simplesmente não há evidências de que nenhuma dessas operações tenha sido deliberadamente projetada para produzir os tipos de mudanças causadas por seu acidente, nem que o conhecimento do destino de Gage fazia parte da justificativa para elas[10] ... O que seu caso demonstrou veio apenas do fato de ele ter sobrevivido ao acidente: grandes operações [como tumores] poderiam ser realizadas no cérebro sem que o resultado fosse necessariamente fatal.[8]

Hipótese do marcador somático[editar | editar código-fonte]

Placa comemorativa, Cavendish, Vermont

Antonio Damasio, em apoio à sua hipótese do marcador somático (relacionando a tomada de decisões às emoções e seus fundamentos biológicos), traça paralelos entre os comportamentos que atribui a Gage e os de pacientes modernos com danos no córtex orbitofrontal e na amígdala.[33][34] Mas a representação de Gage por Damasio[33] foi severamente criticada, por exemplo por Kotowicz:

Damasio é o principal perpetrador do mito de Gage, o psicopata ... Damasio muda a narrativa [de Harlow], omite fatos e acrescenta livremente ... Seu relato dos últimos meses de Gage [é] uma fabricação grotesca [insinuante] de que Gage era algum canalha que em seus últimos dias se dirigiu para a Califórnia para beber e brigar até a morte ... Parece que o crescente compromisso com a doutrina das emoções do lobo frontal levou Gage à ribalta e molda como ele é descrito.[35]

Como Kihlstrom disse, "Muitos comentaristas modernos exageram a extensão da mudança de personalidade de Gage, talvez se envolvendo em um tipo de reconstrução retrospectiva baseada no que sabemos agora, ou que pensamos que sabemos, sobre o papel do córtex frontal na autoregulação."[36] Macmillan[8] faz críticas detalhadas às várias apresentações de Antonio Damasio sobre Gage (algumas das quais são trabalho conjunto com Hannah Damasio e outros).

Notas

  1. Macmillan[8][10][11] compara os relatos de Gage entre si e contra os fatos conhecidos, além de contrastar a celebridade de Gage‍—‌ele é mencionado em 91% de uma amostra de livros introdutórios de psicologia publicados de 2012 a 2014[12]—‌com o que era, até recentemente, a falta de qualquer estudo importante sobre ele e a escassez de artigos, exclusiva ou principalmente sobre ele.[8] Até 2008[13][14] as fontes disponíveis que oferecem informações significativas sobre Gage, e para as quais existe alguma evidência (mesmo que meramente a reivindicação da própria fonte) de contato com Gage ou sua família, estavam limitadas a Harlow (1848, 1849, 1868);[15] Bigelow (1850); e Jackson (1849, 1870). Macmillan observa que as descrições do comportamento de Gage totalizam apenas 300 palavras e enfatiza a primazia das três publicações de Harlow como fontes.[8] (as notas de caso originais de Harlow não foram localizadas.[8] Um curador do Warren Museum se referia à "elegância imponente" dos escritos de Harlow sobre Gage.)[16] No entanto, todas essas fontes eram difíceis de obter antes de 2000[12]—‌por exemplo, Macmillan conseguiu identificar algo mais do que 21 cópias do artigo de Harlow em 1868[15] em todo o mundo[8]—‌e Macmillan acredita que isso ajudou a permitir que descrições distorcidas de Gage floresçam.[14] Macmillan & Lena[13] apresentam fontes previamente desconhecidas encontradas desde 2008.
  2. No entanto, isso se contradiz um pouco pela afirmação de Harlow de que Gage pagou "com sua precisão habitual" em uma visita a uma loja.[8][15]

Referências

  1. Macmillan (2000), p.16
  2. a b «Phineas Gage | Superinteressante». Superinteressante 
  3. Hayward, Rhodri (December 2002). "An Odd Kind of Fame: Stories of Phineas Gage by Malcolm Macmillan". British Journal for the History of Science. 35 (4): 479–81. JSTOR 4028281.
  4. a b Barker, F. G. II (1995). "Phineas among the phrenologists: the American crowbar case and nineteenth-century theories of cerebral localization". Journal of Neurosurgery. 82 (4): 672–82. doi:10.3171/jns.1995.82.4.0672. PMID 7897537. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014.
  5. Stuss, D. T.; Gow, C. A.; Hetherington, C. R. (1992). "'No longer Gage': Frontal lobe dysfunction and emotional changes". Journal of Consulting and Clinical Psychology. 60 (3): 349–359. doi:10.1037/0022-006X.60.3.349. PMID 1619089.
  6. Hockenbury, Don H.; Hockenbury, Sandra E. (2008). Psychology. p. 74. ISBN 978-1-429-20143-8.
  7. a b Fuster, Joaquin M. (2008). The prefrontal cortex. Elsevier/Academic Press. p. 172. ISBN 978-0-12-373644-4.
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p Macmillan, Malcolm B. (2000). An Odd Kind of Fame: Stories of Phineas Gage. MIT Press. ISBN 978-0-262-13363-0. (hbk, 2000) (pbk, 2002). • Ver também "An Odd Kind of Fame § Corrections".
  9. Cobb, Stanley (1940). "Review of neuropsychiatry for 1940". Archives of Internal Medicine. 66 (6): 1341–54. doi:10.1001/archinte.1940.00190180153011. p. 1349.
  10. a b Macmillan, Malcolm B. (2012). "The Phineas Gage Information Page". The University of Akron. Recuperado em 16 de maio de 2016
  11. Macmillan, Malcolm B. (2000). "Restoring Phineas Gage: A 150th Retrospective". Journal of the History of the Neurosciences. 9 (1): 46–66. doi:10.1076/0964-704X(200004)9:1;1-2;FT046. PMID 11232349
  12. a b Griggs, Richard A. (2015). "Coverage of the Phineas Gage Story in Introductory Psychology Textbooks: Was Gage No Longer Gage?". Teaching of Psychology. 42 (3): 195–202. doi:10.1177/0098628315587614.
  13. a b Macmillan, Malcolm B.; Lena, M. L. (2010). "Rehabilitating Phineas Gage". Neuropsychological Rehabilitation. 20 (5): 641–58. doi:10.1080/09602011003760527. PMID 20480430
  14. a b Macmillan, Malcolm B. (Setembro de 2008). "Phineas Gage‍—‌Unravelling the myth". The Psychologist. 21 (9): 828–31.
  15. a b c d Harlow, John Martyn (1868). "Recovery from the Passage of an Iron Bar through the Head". Publications of the Massachusetts Medical Society. 2 (3): 327–47 Reprinted: David Clapp & Son (1869). [scan]
  16. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :10
  17. Macmillan (2008), p. 831; Macmillan (2000), chs. 5–6, 9–14; Macmillan (1996), pp. 251–9.
  18. Ferrier, David (1877–79). Correspondence with Henry Pickering Bowditch. H MS c5.2, Harvard Medical Library in the Francis A. Countway Library of Medicine. Transcrito em Macmillan (2000), pp. 464–65.
  19. Sacks, Oliver (1995). An Anthropologist on Mars. pp. 59–61. ISBN 978-0-679-43785-7. OCLC 30810706.
  20. Jarrett, Christian (2014). Great Myths of the Brain. John Wiley & Sons. pp. 38–39. ISBN 978-1-118-31271-1.
  21. Dupuy, Eugene (1877). "A critical review of the prevailing theories concerning the physiology and the pathology of the brain: localisation of functions, and mode of production of symptoms. Part II". Medical Times & Gazette. II: 356–58.
  22. Ferrier, David (1878). "The Goulstonian lectures on the Localisation of Cerebral Disease. Lecture I (concluded)". British Medical Journal. 1 (900): 443–47. doi:10.1136/bmj.1.900.443. PMC 2220379. PMID 20748815
  23. Macmillan, Malcolm B. (1996). Code, C.; Wallesch, C. W.; Lecours, A. R.; Joanette, U. (eds.). "Phineas Gage: A Case for All Reasons". Classic Cases in Neuropsychology. London: Erlbaum. pp. 243–62.
  24. Gall, Franz Joseph (1835). Capen, Nahum (ed.). On the functions of the brain and of each of its parts: with observations on the possibility of determining the instincts, propensities, and talents, or the moral and intellectual dispositions of men and animals, by the configuration of the brain and head. The phrenological library. Translated from the French by Winslow Lewis Jr. Boston: Marsh, Capen & Lyon • Sizer, Nelson (1888). Forty years in phrenology; embracing recollections of history, anecdote, and experience. New York: Fowler & Wells. p. 194.
  25. "Alive from the Dead, Almost". North Star. Danville, Vermont. November 6, 1848. p. 1, col. 2. Transcrito em Macmillan (2000), pp. 39–40
  26. "A most remarkable case". American Phrenological Journal and Repository of Science, Literature, and General Intelligence. 13 (4). p. 89, col. 3. April 1851.
  27. Burton, Warren (1842). Uncle Sam's recommendation of phrenology to his millions of friends in the United States: In a series of not very dull letters. New York: Harper and Brothers. p. 217. • Davidson, James Wood (July 1866). "How We Read Each Other. Phrenology". Scott's Monthly Magazine. 2 (2). Atlanta: J.J. Toon. pp. 557–62, 559. • "Phrenology for "Tim Bobbin"". Fibre & Fabric: A Record of American Textile Industries in the Cotton and Woolen Trade. XXIV (624). February 13, 1897. p. 302.
  28. Carlson, N. R. (1994). Physiology of Behavior. p. 341. ISBN 978-0-205-07264-4.
  29. Arts, Matheus; Michielsen, Philip (2012). Cutting the mind: origins of psychosurgery. Leuven: Acco. p. 40. ISBN 9789033486388.
  30. Van der Kloot, William G. (1974). Readings in Behavior. Ardent Media. p. 289. ISBN 978-0-03-084077-7.
  31. Sarbach, Louis N. (March 1952). "New Light on the Brain's Dark Mystery". The Rotarian. Rotary International. p. 25.
  32. Turner, Eric Anderson (1982). Surgery of the mind. Birmingham: Carmen Press. p. 13. ISBN 978-0-946179-00-8
  33. a b Damasio, Antonio R. (1994). Descartes' error: emotion, reason, and the human brain. Quill. ISBN 978-0-380-72647-9.
  34. Damasio, Antonio R.; Everitt, B. J.; Bishop, D. (October 29, 1996). "The Somatic Marker Hypothesis and the Possible Functions of the Prefrontal Cortex [and Discussion]". Philosophical Transactions: Biological Sciences. Executive and Cognitive Functions of the Prefrontal Cortex. 351 (1346): 1413–1420. doi:10.1098/rstb.1996.0125. JSTOR 3069187. PMID 8941953.
  35. Kotowicz, Z. (2007). "The strange case of Phineas Gage". History of the Human Sciences. 20 (1): 115–31. doi:10.1177/0952695106075178
  36. Kihlstrom, J. F. (2010). "Social neuroscience: The footprints of Phineas Gage". Social Cognition. 28 (6): 757–82. doi:10.1521/soco.2010.28.6.757. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Geral[editar | editar código-fonte]

Leitura especializada[editar | editar código-fonte]

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Phineas Gage
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.