Phuntsholing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Phuntsholing

ཕུན་ཚོགས་གླིང་

—  Cidade  —
Vista parcial de Phuntsholing
Vista parcial de Phuntsholing
Phuntsholing está localizado em: Butão
Phuntsholing
Localização de Phuntsholing no Butão
Coordenadas 26° 55' N 89° 23' 30" E
País  Butão
População (2005)
 - Total 20,537[1]
    • Densidade 3.029/km2 
Sítio www.tcc.gov.bt

Phuntsholing (em dzonga: ཕུན་ཚོགས་གླིང་) é uma cidade do sul do Butão, capital do distrito de Chukha, junto à fronteira Butão-Índia. É o único ponto de acesso ao Butão para cidadãos estrangeiros não-indianos. A cidade é sede do Banco Central do Butão.[2] [3]

Em 2005, Phuntsholing tinha uma população de 20 537 habitantes, sendo a segunda maior e mais populosa cidade do país, superada apenas pela capital do reino, Thimbu.[4] [1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 5 de abril de 1964, o primeiro-ministro reformista Jigme Palden Dorji foi assassinado em Phuntsholing por monarquistas, enquanto o rei estava doente na Suíça. A família Dorji foi posteriormente colocada sob estreita vigilância.[5] Pouco antes, em 1958, quando a primeira casa de andares foi construída para abrigar uma loja, o então primeiro-ministro, Jigme Dorji, informou aos residentes de Phuentsholing que casas de concreto poderiam ser construídas na região. O grupo de empresas Tashi passou a construir as primeiras casas de concreto, seguida por empresas tibetanas e indianas. Algumas das estruturas que existem até hoje são os edifícios que foram levantados pela empresa butanesa, para abrigar comércios como a loja Jatan Prasad Lal Chand Prasad e um salão de beleza perto de Zantdopelri Lhakhang. Após o anúncio, 18 lojas foram construídas ao redor da área de Zangdopelri. A área de Zangdopelri ganhou um terminal de ônibus, além de um mercado e várias chalés, fazendo com que Phuentsholing começasse a crescer.[6]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A fronteira entre Índia e Butão, em Phuntsholing, separa claramente dois povos e culturas muito diferentes. Jaigaon, do outro lado da fronteira, é maior, mais movimentado e barulhento, semelhante a muitas outras cidades da Bengala Ocidental e centros de comércio, embora com muitos compradores butaneses. Phuntsholing é singularmente mais urbano do que outras cidades do Butão, uma vez que é a capital financeira, industrial e tradicional do Butão. Tem sido um pouco afetada pela cultura vizinha, mas é claramente muito mais tranqüila e ordenada do que as cidades do país vizinho, a Índia.[7]

Referências

  1. a b Bhutan: largest cities and towns and statistics of their population (em inglês) World Gazetteer (7 de novembro de 2008).
  2. "The Constitution of the Kingdom of Bhutan" (PDF). Government of Bhutan. 2008-07-18. Consult. 2010-10-08. 
  3. Constituição do Burtão: Art. 14, §§ 2, 3, 5
  4. BECKMANN, Franz Von Benda et al. (2009). Keeping the stream of Justice Clear and Pure (em inglês) The Power of Law in Transnational World: Anthropological Enquiries. Visitado em 7 de outubro de 2015.
  5. Ram Rahul (1997). Royal Bhutan: a political history Vikas [S.l.] pp. 94–95. ISBN 81-259-0232-5. 
  6. LIPSEY, Rick (2007). Golfing on the roof of the world (em inglês) In pursuit Gross National Happiness. Visitado em 5 de outubro de 2015.
  7. ROAD DIRECTIONS:PHUENTSHOLING/JAIGAON TO THE RIVERWOOD FOREST RETREATS DOOARS (PDF) (em inglês) Wax Pol Hotels (2011). Visitado em 5 de outubro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]