Phuntsholing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Phuntsholing

ཕུན་ཚོགས་གླིང་

—  Cidade  —
Vista parcial de Phuntsholing
Vista parcial de Phuntsholing
Phuntsholing está localizado em: Butão
Phuntsholing
Localização de Phuntsholing no Butão
Coordenadas 26° 55' N 89° 23' 30" E
País  Butão
População (2005)
 - Total 20,537[1]
    • Densidade 3.029/km2 
Sítio www.tcc.gov.bt

Phuntsholing (em dzonga: ཕུན་ཚོགས་གླིང་) é uma cidade do sul do Butão, capital do distrito de Chukha, junto à fronteira Butão-Índia. É o único ponto de acesso ao Butão para cidadãos estrangeiros não-indianos. A cidade é sede do Banco Central do Butão.[2] [3]

Em 2005, Phuntsholing tinha uma população de 20 537 habitantes, sendo a segunda maior e mais populosa cidade do país, superada apenas pela capital do reino, Thimbu.[4] [1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 5 de abril de 1964, o primeiro-ministro reformista Jigme Palden Dorji foi assassinado em Phuntsholing por monarquistas, enquanto o rei estava doente na Suíça. A família Dorji foi posteriormente colocada sob estreita vigilância.[5] Pouco antes, em 1958, quando a primeira casa de andares foi construída para abrigar uma loja, o então primeiro-ministro, Jigme Dorji, informou aos residentes de Phuentsholing que casas de concreto poderiam ser construídas na região. O grupo de empresas Tashi passou a construir as primeiras casas de concreto, seguida por empresas tibetanas e indianas. Algumas das estruturas que existem até hoje são os edifícios que foram levantados pela empresa butanesa, para abrigar comércios como a loja Jatan Prasad Lal Chand Prasad e um salão de beleza perto de Zantdopelri Lhakhang. Após o anúncio, 18 lojas foram construídas ao redor da área de Zangdopelri. A área de Zangdopelri ganhou um terminal de ônibus, além de um mercado e várias chalés, fazendo com que Phuentsholing começasse a crescer.[6]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A fronteira entre Índia e Butão, em Phuntsholing, separa claramente dois povos e culturas muito diferentes. Jaigaon, do outro lado da fronteira, é maior, mais movimentado e barulhento, semelhante a muitas outras cidades da Bengala Ocidental e centros de comércio, embora com muitos compradores butaneses. Phuntsholing é singularmente mais urbano do que outras cidades do Butão, uma vez que é a capital financeira, industrial e tradicional do Butão. Tem sido um pouco afetada pela cultura vizinha, mas é claramente muito mais tranqüila e ordenada do que as cidades do país vizinho, a Índia.[7]

Referências

  1. a b «Bhutan: largest cities and towns and statistics of their population» (em inglês). World Gazetteer. 7 de novembro de 2008. 
  2. «The Constitution of the Kingdom of Bhutan» (PDF). Government of Bhutan. 2008-07-18. Consultado em 2010-10-08. 
  3. Constituição do Burtão: Art. 14, §§ 2, 3, 5
  4. BECKMANN, Franz Von Benda; et al. (2009). «Keeping the stream of Justice Clear and Pure» (em inglês). The Power of Law in Transnational World: Anthropological Enquiries. Consultado em 7 de outubro de 2015. 
  5. Ram Rahul (1997). Royal Bhutan: a political history Vikas [S.l.] pp. 94–95. ISBN 81-259-0232-5. 
  6. LIPSEY, Rick (2007). «Golfing on the roof of the world» (em inglês). In pursuit Gross National Happiness. Consultado em 5 de outubro de 2015. 
  7. «ROAD DIRECTIONS:PHUENTSHOLING/JAIGAON TO THE RIVERWOOD FOREST RETREATS DOOARS» (PDF) (em inglês). Wax Pol Hotels. 2011. Consultado em 5 de outubro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]