Phyllis Chesler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde outubro de 2012)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Phyllis Chesler
Nascimento 1 de outubro de 1940 (77 anos)
Nova Iorque, EUA
Nacionalidade Americana
Ocupação escritora, psicóloga, professora

Phyllis Chesler (1 de outubro de 1940) é uma escritora norte-americana, psicoterapeuta e professora emérita de psicologia e estudos femininos. Ela é conhecida como uma psicóloga feminista e é autora de 16 livros, incluindo o best-seller Women and Madness (1972). Chesler escreveu sobre tópicos como género, doenças mentais , divórcio e custódia de crianças, gravidez de aluguer, segunda vaga feminista, pornografia, prostituição, incesto e violência contra as mulheres. Suas obras foram traduzidas em muita línguas europeias, bem como para o hebraico, chinês, coreano e japonês.[1]

Em anos mais recentes, Chesler escreveu várias obras sobre temas como o anti-semitismo, o Islã, e os crimes de "honra". Chesler argumenta que muitos intelectuais ocidentais, incluindo esquerdistas e feministas, abandonaram os valores ocidentais em nome do relativismo multicultural, e que isso levou a uma aliança com os islamistas um aumento do anti-semitismo, e ao abandono das mulheres muçulmanas e minorias religiosas em países de maioria muçulmana.[2][3]

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Chesler era a mais velha de três filhos duma família judia ortodoxa da classe trabalhadora em Brooklyn, Nova York. Quando jovem, ela se juntou ao movimento juvenil socialista-sionista e anti-religioso, HaShomer Hatzair, e mais tarde o ainda mais radical movimento juvenil Sionista de esquerda. o Ein Harod. Apesar da discordância de seus pais, ela continuou a rebelar-se contra sua educação religiosa.[4]

Frequentou a New Utrecht High School onde foi editora do anuário e do magazine literário.Ganhou uma bolsa de estudos completa para Bard College, onde conheceu Ali, um homem muçulmano ocidentalizado do Afeganistão, filho de devotos pais muçulmanos. Casaram-se em uma cerimônia civil em 1961 no Estado de Nova York e se estabeleceram em Cabul, na grande e polígama casa do seu sogro. Esta experiência, segundo ela, foi a inspiração para se tornar uma feminista fervorosa. [5]

De acordo com Chesler, seus problemas começaram imediatamente na chegada ao Afeganistão. As autoridades a obrigaram a entregar seu passaporte americano, e ela acabou como uma autêntica prisioneira na casa de seus parentes. Chesler descreve como as esposas estrangeiras eram maltratadas.A embaixada dos Estados Unidos recusou-se a ajudá-la a deixar o país. Depois de vários meses, ela contraiu hepatite e ficou gravemente doente. Aí seu sogro tornou possível o seu retorno aos EUA com um visto temporário. [6]

Após seu regresso, ela completou seu último semestre e formou-se em Bard, iniciou um programa de doutorado, trabalhou em um laboratório de pesquisa cerebral para E. Roy John, publicou estudos na revista Science e recebeu uma bolsa de neurofisiologia no New York Medical College, do Flower Fifth Avenue Hospital. Posteriormente, em 1969, ela obteve um Doutorado . em psicologia na New School for Social Research e fez carreira como professora, autora e psicoterapeuta em prática privada. [7]

Chesler divorciou-se de seu primeiro marido e casou-se com um israelita, de quem também se divorciou mais tarde. Ela tem um filho. Ela descreve seu relacionamento, gravidez, parto e seu primeiro ano como mãe em "With Child: A Diary of Motherhood ". [8]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Women and Madness (1972, revisado em 2005)
  • Women, Money and Power (1976)
  • About Men (1979)
  • With Child: A Diary of Motherhood (1979)
  • Mothers on Trial: The Battle for Children and Custody (1986)
  • Sacred Bond: The Legacy of Baby M (1988)
  • Patriarchy: Notes of an Expert Witness (1994)
  • Feminist Foremothers in Women's Studies, Psychology, and Mental Health (1995)
  • Letters to a Young Feminist (1997)
  • Woman's Inhumanity to Woman (2002)
  • Women of the Wall: Claiming Sacred Ground at Judaism's Holy Site (2002)
  • The New Anti-Semitism. The Current Crisis and What We Must Do About It (2003)
  • The Death of Feminism: What's Next in the Struggle For Women's Freedom (2005)
  • Mothers on Trial: The Battle for Children and Custody (Edição de 25º Aniversário) (2011)
  • An American Bride in Kabul: A Memoir (2013)
  • Islamic Gender Apartheid: Exposing a Veiled War Against Women (2017)

Referências

  1. http://www.phyllis-chesler.com/cv.pdf
  2. «About Phyllis Chesler». Phyllis Chesler Organization. Consultado em 29 de Dezembro de 2017 
  3. Cohen, Tamara. «Phyllis Chesler». Jewish Women´s Archive. Consultado em 29 de Dezembro de 2017 
  4. Cohen, Tamara. «Phyllis Chesler». Jewish Women´s Archive. Consultado em 29 de Dezembro de 2017 
  5. Chesler, Phyllis (2006). «How Afghan Captivity Shaped My Feminism». Middle East Quartely 
  6. Chesler, Phyllis (21 de Setembro de 2013). «My life of hell in an Afghan harem». New York Post 
  7. «CURRICULUM VITAE PHYLLIS CHESLER, PH.D» (PDF). Phyllis Chesler Organization. Consultado em 29 de Dezembro de 2017 
  8. Chesler, Phyllis (1998). Phyllis Chesler, With Child: A Diary of Motherhood. Nova Iorque: Four Walls Eight Windows 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Phyllis Chesler
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.