Piaya cayana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para a antiga moeda brasileira, veja pataca.
Disambig grey.svg Nota: "Tincoã" redireciona a este artigo. Para o grupo musical de vozes masculinas brasileiro, veja Os Tincoãs.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaPiaya cayana
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Cuculiformes
Família: Cuculidae
Gênero: Piaya
Espécie: P. cayana
Nome binomial
Piaya cayana
Linnaeus, 1766

O Piaya cayana (também conhecido popularmente como alma-de-gato,[1] alma-de-caboclo,[2] alma-perdida, atibaçu, atingaú, atingaçu,[3] atiuaçu, chincoã, crocoió, maria-caraíba, meia-pataca, oraca, pataca, pato-pataca, piá, picuá, rabilonga,[2] rabo-de-escrivão,[2], rabo-de-palha, tinguaçu, urraca,[4] e tincoã, é uma ave cuculiforme da família Cuculidae, encontrada em matas e cerrados de todos os países da América que se localizam entre o México e a Argentina, incluindo o Brasil.

Alma-de-gato no Instituto Butantã.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Seu canto se assemelha a um gemido, especialmente o de um gato. Por isto, é conhecido como "alma-de-gato", "alma-perdida" e "alma-de-caboclo". Sua longa cauda se assemelha à pena utilizada pelos escrivães, daí seus nomes de "rabo-de-escrivão" e "rabilonga". "Chincoã" possui origem onomatopaica.[5] "Tinguaçu" vem do tupi timgwa'su, "nariz grande".[6]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Tais aves medem cerca de sessenta centímetros de comprimento, possuem plumagem ferrugínea nas partes superiores, peito acinzentado, ventre escuro, cauda longa, escura e com as pontas das retrizes claras, bico amarelo e íris vermelha.[carece de fontes?]

Percorre rápida e silenciosamente, em voos de curta distância, os galhos da floresta à procura de insetos, pequenos vertebrados e frutas.[carece de fontes?]

O ninho é construído com folhas, no formato de uma taça, escondido na vegetação densa. A fêmea deposita dois ovos brancos em cada postura.[carece de fontes?]

Subespécies[editar | editar código-fonte]

São reconhecidas catorze subespécies:[7]

  • Piaya cayana cayana (Linnaeus, 1766) - ocorre no vale do Orinoco na Venezuela, nas Guianas e no norte do Brasil;
  • Piaya cayana mehleri (Bonaparte, 1850) - ocorre no nordeste da Colômbia, na Venezuela (nas áreas costeira até o leste na península de Paría);
  • Piaya cayana mesura (Cabanis & Heine, 1863) - ocorre na Colômbia no leste da cordilheira dos Andes e no Equador;
  • Piaya cayana circe (Bonaparte, 1850) - ocorre no oeste da Venezuela, na região sul do lago de Maracaibo;
  • Piaya cayana insulana (Hellmayr, 1906) - ocorre na ilha de Trinidad;
  • Piaya cayana obscura (E. Snethlage, 1908) - ocorre no Brasil ao sul do rio Amazonas, na região entre os rios Juruá e Tapajós;
  • Piaya cayana hellmayri (Pinto, 1938) - ocorre no Brasil ao sul do rio Amazonas, na região de Santarém até o delta do rio Amazonas;
  • Piaya cayana pallescens (Cabanis & Heine, 1863) - ocorre no leste do Brasil, nos estados do Piauí, Pernambuco, Bahia e Goiás;
  • Piaya cayana cabanisi (Allen, 1893) - ocorre na região Centro-oeste do Brasil, nos estados de Mato Grosso e Goiás);
  • Piaya cayana macroura (Gambel, 1849) - ocorre no sudeste do Brasil até o Paraguai, Uruguai e nordeste da Argentina;
  • Piaya cayana mogenseni (J. L. Peters, 1926) - ocorre no sul da Bolívia e no noroeste da Argentina;
  • Piaya cayana mexicana (Swainson, 1827) - ocorre na costa do Oceano Pacífico no México, do estado de Sinaloa até o istmo de Tehuántepec;
  • Piaya cayana nigricrissa (Cabanis, 1862) - ocorre no oeste da Colômbia e do Equador e também na região central do Peru.;
  • Piaya cayana thermophila (P. L. Sclater, 1860) - ocorre no leste do México até o Panamá, no noroeste da Colômbia e nas ilhas costeiras.

Referências

  1. Nachum Dershowitz; Ephraim Nissan (2014). Language, Culture, Computation: Computational Linguistics and Linguistics: Essays Dedicated to Yaacov Choueka on the Occasion of His 75 Birthday. Springer. p. 594. ISBN 978-3-642-45327-4.
  2. a b c Julio Seabra Inglez Souza; Aristeu Mendes Peixoto; Francisco Ferraz de Toledo (1995). Enciclopédia agrícola brasileira. EdUSP. p. 146. ISBN 978-85-314-0129-9.
  3. Dicionário Houaiss Online. Instituto Antônio Houaiss in UOL, 2009. Acessado em 13 de maio de 2009.
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.88
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p. 396
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p. 1 678
  7. «alma-de-gato (Piaya cayana) | WikiAves - A Enciclopédia das Aves do Brasil». www.wikiaves.com.br. Consultado em 18 de setembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Piaya cayana
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Piaya cayana
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.