Picatrix

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Picatrix é o nome usado hoje, para um livro de 400 páginas de magia e astrologia originalmente escrito em árabe sob o título غاية الحكيم Ghāyat al-Ḥakīm, que a maioria dos estudiosos supõe ter sido escrito originalmente em meados do século XI, por exemplo, [1] embora um argumento para a composição na primeira metade do século X tem-se feito. [2] O título árabe é traduzido como O Objetivo do Sábio ou O objetivo do sensato. [3] o trabalho árabe foi traduzido para o espanhol e, em seguida, para o latim durante o século XIII, época em que obteve o título latino "Picatrix". O título do livro "Picatrix" também é usado às vezes para se referir ao autor do livro.

Picatrix é um trabalho composto que sintetiza trabalhos antigos em Magia (hermética) e magia [astrologia]. Uma das interpretações mais influentes sugere que ele deve ser considerado como um "manual de magia talismânica" [4] Outro pesquisador resume-o como "a exposição mais completa da magia celestial em árabe", indicando as fontes para o trabalho como textos árabes sobre Hermetismo, Sabeísmo, Ismailismo, astrologia, alquimia e a magia produzida no Oriente próximo no século IX e X".[5] Eugenio Garin declara: "Na realidade, a versão latina do Picatrix é tão essencial como o hermético Corpus Hermeticum ou os escritos de Albumasar para a compreensão de uma parte notável da produção do Renascimento, incluindo as artes figurativas" [6] Ele influenciou significativamente o esoterismo do Ocidente europeu; o esoterismo de Marsilio Ficino, no século XV, o de Thomas Campanella, no século XVII, etc. O manuscrito na Biblioteca Britânica passou por várias mãos: Simon Forman, Richard Napier, Elias Ashmole e William Lilly, entre outros.

De acordo com o prólogo da tradução latina, o Picatrix foi traduzido para o espanhol a partir do árabe por ordem de Alfonso X, de Castela e Leão, em algum momento entre os anos 1256 e 1258. [7] A versão latina foi produzida algum tempo depois, baseada na tradução dos manuscritos espanhóis. Foi atribuída a Maslama al-Majriti (um matemático andaluz-islâmico), mas muitos colocaram essa questão em xeque. Consequentemente, o autor é por vezes indicado como sendo o "Pseudo-Majriti".

As versões em espanhol e latina foram as únicos conhecidas para os estudiosos ocidentais Até Wilhelm Printz descobrir uma versão em árabe algo em torno de 1920. [8]

Conteúdo e fontes[editar | editar código-fonte]

O trabalho é dividido em seis livros, que exibem uma ausência marcante de exposição sistemática. Jean Seznec observou: "Picatrix prescreve tempos e lugares propícios e a atitude e gestos do suplicante; ele também indica que termos devem ser usados ​​para peticionar às estrelas". Como exemplo, Seznec então reproduz uma oração a Saturno, a partir do trabalho, observando que Fritz Saxl apontou que essa invocação exibe "o sotaque e até os próprios termos de uma oração astrológica grega a Cronos. Essa é uma indicação de que as fontes de "Picatrix" são em grande parte helenísticas.":

Ó Mestre do sublime nome e grande poder, supremo Mestre; Ó Mestre Saturno: Tu, o Frio, o Estéril, o Lúgubre, o Pernicioso; Tu, cuja vida é sincera e cuja palavra é certa; Tu, o Sábio e Solitário, o Impenetrável; Tu, cujas promessas são cumpridas; Tu que és fraco e cansado; Tu que cuida mais do que qualquer outro, que não conhece prazer nem alegria; Tu, o velho e esperto mestre de todos os artifícios, enganoso, sábio e judicioso; Tu que traz prosperidade ou ruína, e fazes homens felizes ou infelizes! Eu te conjuro, ó Pai Supremo, por Tua grande benevolência e Tua generosa recompensa, para fazer por mim o que eu peço [...] [9]

De acordo com Garin:

O ponto de partida da obra é a unidade da realidade dividida em graus, planos ou mundos simétricos e correspondentes: uma realidade estendida entre dois pólos: o original, Deus a fonte de toda existência, e o homem, o microcosmo que, com sua ciência (scientia) traz a dispersão de volta à sua origem, identificando e utilizando suas correspondências [10]

De acordo com o prólogo, o autor pesquisou mais de duzentos trabalhos na criação do ‘‘Picatrix. [11] No entanto, existem três influências significativas do Oriente Próximo: Jabir ibne Haiane, o Ikhwan al-Safa, e um texto chamado Nabataeanos (Agricultura Nabatéia). A influência de Jabir ibne Haiane vem na forma de um contexto cosmológico que remove práticas mágicas do contexto de influências diabólicas e reafirma rstas práticas como uma origem divina. O autor de "Picatrix" se serve da teoria neoplatônica da hipóstase que espelham o trabalho de Jabir. [12]

Autoria e significado do título[editar | editar código-fonte]

O historiador árabe, ibne Caldune, atribuiu autoria de Picatrix (Referindo-se à versão original em árabe, sob o título Gayat al-Hakim) a um matemático chamado al-Majriti, que morreu entre 1005 CE e 1008 CE (398 AH) [13] No entanto, De acordo com Eric John Holmyard, a mais antiga atribuição manuscrita da obra a Maslama al-Majriti foi feita pelo alquimista Aidamir al-Jildakī, que morreu pouco depois de 1360, enquanto ibne Caldune morreu cerca de 20 anos mais tarde (depois de 1360). No entanto, nenhuma biografia de al-Majriti o menciona como o autor deste trabalho. [14]

Atribuições mais recentes de autoria variam de "a versão árabe é anônima" a reiterações da velha afirmação de que o autor é "o célebre astrônomo e matemático Abu l-Qasim Maslama b. Ahmad Al-Majriti". [15] Um estudo recente em Studia Islamica sugere que a autoria deste trabalho deve ser atribuída a Maslama b. Qasim al-Qurtubi (falecido em 353/964), que de acordo com ibne Alfaradi era "um homem de encantos e talismãs". [16] Se esta sugestão estiver correta, colocaria a obra no contexto do sufismo e do batismo na Andaluzia . [17]

atribuições de autoria, mais recentes, redundam que a "versão árabe é anônima" às reiterações da velha afirmação de que o autor é "o célebre astrônomo e matemático Abu l-Qasim Maslama b. Ahmad Al-Majriti". [15] Um estudo recente em ‘Studia Islamica sugere que a autoria deste trabalho deve ser atribuído a Maslama ibne Alcácime Alcurtubi (morto em 353/964), que de acordo com ibne Alfaradi era "um homem de encantos e talismãs." [16] Se esta sugestão estiver correta, colocaria a obra no contexto de sufismo e do batismo de Andaluzia. [17]

O estranho título em latim às vezes é explicado como uma transliteração desleixada de um "Buqratis", mencionado várias vezes no segundo dos quatro livros da obra. [18] Outros sugeriram que o título (ou o nome do autor) é uma maneira de atribuir o trabalho a Hipócrates (através de uma transcrição do nome Burqratis ou Biqratis no texto árabe). [19] Onde aparece no original em árabe, onde o texto em latim traduz o nome Burqratis como "Picatrix", mas isso ainda não estabelece a identidade de Burqratis. Em última análise, ligando o nome, "Picatrix", com Hipócrates, [20] [21] caiu em desgraça porque o texto cita separadamente Hipócrates sob o nome de "Ypocras". [22]

Antecipação do método experimental[editar | editar código-fonte]

Martin Plessner sugere que um tradutor do Picatrix estabeleceu uma definição medieval de experiência científica alterando uma passagem na tradução hebraica do árabe original, estabelecendo uma base teórica para o método experimental: "a invenção de uma hipótese para explicar um certo processo natural, então o arranjo de condições sob as quais aquele processo pode ser intencionalmente realizado de acordo com a hipótese, e finalmente, a justificativa ou refutação da hipótese, dependendo do resultado do experimento".

Plessner observa que é geralmente aceito que a consciência de "a natureza específica do método experimental - como algo distinto do uso prático - é uma conquista dos séculos XVI e XVII". No entanto, como a passagem pelo tradutor da versão hebraica deixa claro, a base teórica fundamental para o método experimental foi aqui estabelecida antes de meados do século XIII.

A passagem original em árabe descreve como um homem que testemunhou um tratamento para a picada de um escorpião (beber uma poção de incenso que tinha recebido marcas de sinetes) passou a experimentar diferentes tipos de incenso, supondo que esta fosse a causa para a cura, mas depois descobriu que as imagens do sinete (selo) foram a causa da cura, independentemente da substância sobre a qual eles foram impressionados. O autor do "Picatrix" continua narrando como a explicação da eficácia das curas que lhe foram passadas pelas autoridades foi provada a ele por sua própria experiência.

O tradutor hebraico mudou a passagem em questão para incluir o seguinte:

E essa foi a razão que me incitou "...para me dedicar à magia astrológica." Além disso, esses segredos já eram conhecidos pela natureza e a experiência os aprovava. O homem que lida com a natureza não tem nada a fazer senão produzir uma razão do que a experiência trouxe.

Plessner também observa que "nem a psicologia árabe do estudo nem a definição hebraica do experimento são traduzidas para o latim "Picatrix". O tradutor de latim omite muitas passagens teóricas ao longo do trabalho." [23]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • غاية الحكيم Ghāyat al-Ḥakīm: An edition of the text in Arabic, editado por Hellmut Ritter (do Instituto Warburg)
  • Picatrix: Das Ziel des Weisen von Pseudo-Magriti, aus dem Arabischen ins Deutsche übersetzt von Hellmut Ritter und Martin Plessner [‘‘Picatrix: O Objetivo do Sábio por Pseudo-Magriti, traduzido do árabe para Alemão por Ritter e Plessner]. Londres: Warburg Institute, 1962 (= Estudos do Instituto Warburg 27).
  • David Pingree, "A versão latina do Ghayat al-hakim", Estudos do Instituto Warburg, Universidade de Londres (1986), ISBN 0-85481-069-2
  • Ouroboros Press publicou a primeira tradução em inglês disponível em dois volumes, Ouroborous Press (2002 Vol. 1 ASIN: B0006S6LAO) e (2008 Vol. 2) [1]
  • Freméric Fauquier, Brigitte Pérez-Jean, "Picatrix: Um Traje de Magie Medieval", Brepols Pub (2003), 388 p., ISBN 978-2-503-51068-2.
  • A Picatrix Completa: O Clássico Oculto da Magia Astrológica, Renaissance Astrology Press {2011}, 310 p., ISBN 1-257-76785-2, tradução para o inglês da edição crítica Latina do Pingree por John *Michael Greer e Christopher Warnock.Paola Carusi: Alquimia islamica e religione: a legitimazione difficile di una scienza della natura. Em: Oriente Moderno 19.3 (2000), pp. 461-502
  • Mirabel Fierro: Bāṭinism em al-Andalus. Maslama b. Qāsim al Qurṭubī (d.3353 / 964), autor do Rutbat al-Ḥakīm e Ghayat al-Ḥakīm (Picatrix). Em: Studia Islamica 84 (1996), pp. 87-112 [2]
  • Wolf-Dieter Müller-Jahncke: Picatrix. Em: Werner E. Gerabek, Bernhard D. Haage, Gundolf Keil, Wolfgang Wegner (Hrsg.): Enciclopédia história da medicina. Walter de Gruyter, Berlim e Nova Iorque 2005, ISBN 3-11-015714-4 , p 1161 f.
  • Henry Kahane / Renée Kahane / Angelina Pietrangeli: Picatrix e o talismã. Em: Filologia Romântica 19 (1965/66), pp. 574-593
  • Vittoria Perrone Compagni: Picatrix latinus: Conzioni filosofico-religiose e prassi magica. Em: Medioevo 1 (1975), pp. 237-337
  • David Pingree: Algumas das fontes do Ġāyat al-ḥakīm . Em: Jornal do Warburg e Courtauld Institute 43 (1980), pp. 1-15
  • David Pingree: Entre o Ghaya e Picatrix I: A versão espanhola. Em: Jornal do Warburg e Courtauld Institute 44 (1981), pp. 27-56
  • Martin Plessner: Uma Definição Medieval de Experiência Científica no Picatrix Hebraico. Em: Jornal do Warburg e Courtauld Institute 36 (1973), pp. 358-359
  • Hellmut Ritter: Picatrix, uma magia helenístico manual de árabe. Em: Fritz Saxl, (ed.) Apresentações da Biblioteca Warburg , Vol. 1: palestras 1921-1922 , Teubner, Leipzig / Berlim 1923, pp 94-124
  • Fuat Sezgin: história da escrita árabe , Volume IV: a alquimia, química, botânica, agricultura: até 430 H , Brill, Leiden 1971, pp 294-298 ( "Abu Maslama al-Maǧrīṭī")
  • Jean Seznec : A sobrevivência dos antigos deuses. A tradição mitológica do humanismo e da arte renascentista. Fink, Munique 1990
  • J. Thomann: O nome Picatrix: transcrição ou tradução . Em: Journal of the Warburg e Courtauld Institutos 53 (1990), pp 289-296
  • R. Ramon Guerrero: Textos de una obra en al-Farabi andalusí del siglo XI: "Gayat Al-Hakim" de Abu Maslama al-Mayrit , Na: Al-Qantara, 12 (1991) pp 3-17.

Suplemento[editar | editar código-fonte]

Ġāyat al-ḥakīm[editar | editar código-fonte]

  • Hellmut Ritter: Ġāyat al-ḥakīm wa aḥaqq al-natīātain bi-'l-taqdīm. Teubner, Leipzig / Berlin 1933 (= Estudos da Biblioteca Warburg, 12)

Traduções modernas do texto árabe[editar | editar código-fonte]

  • Hellmut Ritter / Martin Plessner: Picatrix: O objetivo dos Sábios de pseudo-Mağrīţī. Tradução do árabe. University of London, Londres de 1962 (= Estudos do Instituto Warburg, 27). Online: PDF, 47 MB
  • Marcelino Villegas: Picatrix: el fin del Sabio y el mejor de los medios para 2 avanzar. Edición Nacional, Madrid, 1982 (= Biblioteca de Visionarios, heterodoxos y marginados, série 2, 20) [tradução sem reivindicação científica]

Versões latina[editar | editar código-fonte]

  • David Pingree: Picatrix: a versão latina do Ghāyat al-Ḥakīm. Universidade de Londres, Londres 1986 (= Estudos do Instituto Warburg, 39)

Tradução moderna baseada nas versões latinas[editar | editar código-fonte]

  • Paolo Rossi A. (ed.), Davide Arecco / Ida Li Vigni / Stefano Zuffi: picatrix: Gayat Al-Hakim, "il fina del saggio" dello pseudo Maslama al-Magriti. Edizione Mimesis, Milão 1999
  • Béatrice Bakhouche / Frédéric Fauquier / Brigitte Pérez-Jean: Picatrix: um traço de magie médiévale . Brepols, Turnhout 2003

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Dozy, Holmyard, Samsó e Pingree; David Pingree. Algumas das origens do Ghayat Hakim, no Jornal dos Institutos Varburgo e Courtauld, Vol. 43, (1980), p. 2; Willy Hartner, "Notas sobre Picatrix", em "Isis", Vol. 56, n º 4, (Winter, 1965), pp. 438
  2. Sex Maribel Fierro ", Bāṭinism em Al-Andalus. Maslama b. Qasim al-Qurtubi (falecido em 353/964), Autor da Rutbat al Hakim e o Ghayat Hakim (Picatrix) "em: Studia islâmico, N ° 84, (1996), pp. 87-112.
  3. No entanto, o árabe traduzido como "objetivo" ("'ghaya" pl. "Ghayat") também sugere o sentido de limite máximo ou fronteira.
  4. Frances Yates, Giordano Bruno e a Tradição Hermética, Chicago em 1964; Frances Yates, A arte da memória, Chicago em 1966
  5. David Pingree, Algumas das Fontes do Ghayat Hakim, em Jornal de Warburg e Institutos Courtauld, Vol. 43, (1980), pp. 1-15
  6. Eugenio Garin, Astrologia no Renascimento: o zodíaco da vida, Routledge, 1983, p. 47.
  7. David Pingree, Entre o Ghaya e o Picatrix. I: A versão espanhola, no Jornal de Warburg e nos Institutos Courtauld, Vol. 44, (1981), p. 27.
  8. Willy Hartner, Notas sobre Picatrix, em Isis, Vol. 56, No. 4, (Inverno de 1965), pp. 438-440; o texto em árabe foi publicado pela primeira vez pela Biblioteca Warburg em 1927.
  9. Jean Seznec (Trans. Barbara F. Sessions), ‘‘The Survival of the Pagan Deuses: A Tradição Mitológica e seu Lugar no Humanismo e na Arte da Renascença, Princeton University Press, 1995 (reimpressão), p. 53
  10. Eugenio Garin, ‘‘Astrologia no Renascimento: o zodíaco da vida, Routledge, 1983, p. 49
  11. Posteriormente no texto, o autor especifica duzentos e cinquenta trabalhos. Bakhouche, ‘‘Picatrix, p 37, 200
  12. Pingree, David (Ed.) ‘‘Da versão Latina. do Ghayat al-Hakim Estudos da Warburg Institute Arquivado em 2005/03/13, no Wayback Machine., Universidade de Londres. 1986. p. 3; veja também, Bakhouche, "Picatrix", pp. 32-33
  13. Eugenio Garin, ‘‘Astrologia no Renascimento: o zodíaco da vida, Routledge, 1983, p. 47
  14. Maribel Fierro, Bāṭinism in Al-Andalus. Maslama b. Qāsim al-Qurtubee (353/964 morreu), Autor da Rutbat al Hakim e o Ghayat Hakim (Picatrix) em Studia islâmico, N ° 84, (1996), p. 93, 95
  15. H. Kahane et al. "Picatrix e os talismãs", em "Romance Philology", xix, 1966, p 575; E.J. Holmyard, 'Maslama al-Majriti eo Rutba' l-Hakim 'em' 'Isis', vi, 1924, p 294.
  16. Maribel Fierro, 'Bāṭinism em Al-Andalus. Maslama b. Qāsim al-Qurtubee (353/964 morreu), Autor da "Al-Hakim RUTBAT" e o "Ghayat Hakim (Picatrix)" 'em 'Studia islâmico, N ° 84, (1996), pp . 87-112
  17. Maribel Fierro, 'Bāṭinism em Al-Andalus. Maslama b. Qāsim al-Qurtubee (353/964 morreu), Autor da "Al-Hakim RUTBAT" e o "Ghayat Hakim (Picatrix)" 'em 'Studia islâmico, N ° 84, (1996), pp . 105-107
  18. Willy Hartner, "Notes on Picatrix", em "Isis", Vol. 56, No. 4, (Winter, 1965), pp. 438
  19. Bakhouche, Beatrice, Frederic Fauquier e Brigitte Perez-Jean (Tradutores), "Picatrix: Uma trama de magia medieval", Turnhout: Brepols p. 22 e 141.
  20. Ritter, Hellmut e Martin Plessner (tradutores), "Picatrix:" Das Ziel des Weisen von Pseudo-Magriti. "Londres: Warburg Institute, 1962. p.XXII.
  21. Veja também: Willy Hartner, 'Notes On Picatrix', em ‘‘Isis , vol. 56, No. 4, (Winter, 1965), pp. 438
  22. Bakhouche, "Picatrix", p . 22, 193, 332.
  23. Martin Plessner, "A Medieval Definição de experimento científico no "Picatrix" em hebraico: "Jornal dos Institutos de Warburg e Courtauld", vol. 36, (1973), pp. 358-359

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:
  • Alquimia