Picnic at Hanging Rock

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Picnic at Hanging Rock
Picnic em Hanging Rock (PT)
Picnic na Montanha Misteriosa (BR)
 Austrália
1975 •  cor •  110 min 
Direção Peter Weir
Roteiro Cliff Green
Elenco Rachel Roberts
Vivean Gray
Anne-Louise Lambert
Karen Robson
Jacki Weaver
Género suspense
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

Picnic at Hanging Rock (br: Picnic na Montanha Misteriosa) é um filme australiano de 1975, dirigido por Peter Weir.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A acção do filme decorre no ano de 1900, na Austrália meridional. Um grupo de alunas de um colégio victoriano é levado a fazer uma excursão, no dia de São Valentim, a um local chamado Hanging Rock, uma formação rochosa de origem vulcânica. Após um piquenique, um pequeno grupo de alunas, acompanhadas de uma professora, afasta-se das restantes e decide fazer uma incursão às zonas mais recônditas do penhasco. Só uma delas será encontrada mais tarde, mas de nada se recorda. Quanto às restantes, jamais voltariam a ser vistas.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O ambiente do filme[editar | editar código-fonte]

O prenúncio[editar | editar código-fonte]

Desde o início que o realizador Peter Weir consegue criar um clima de suspense e de prenúncio que algo de extraordinário irá acontecer naquilo que se pretendia que fosse um dia agradável e despreocupado para as alunas do rigoroso colégio dirigido por Mrs. Appleyard. Ainda no colégio, antes da partida, os contrastes criados pelos jogos de luz e a pela composição dos cenários apontam para uma ambiguidade, que vai estar presente ao longo de toda a obra, e que se reflecte também nas relações entre as personagens.

No decorrer do piquenique, num ambiente de aparente tranquilidade e bem-estar, os sintomas de algo sobrenatural repetem-se: o relinchar dos cavalos ao chegar ao local, um bando de aves fazendo barulho no céu, o som de uma flauta de Pã que mais parece um grito de angústia. Os relógios param ao meio-dia; as formigas devoram o bolo da merenda.

O desaparecimento[editar | editar código-fonte]

Chegadas ao cimo do rochedo, as três jovens, já descalças, tentam sentir a essência e o fascínio da natureza selvagem. A mesma natureza que irá devorar e esconder as jovens e a professora no seu seio. Assim, Peter Weir consegue transformar a natureza e toda a sua beleza num clima de angústia e inquietação.

A busca[editar | editar código-fonte]

Nunca mais se saberá o que foi feito de Miranda, Marion e Miss McGraw. Nenhuma hipótese será mesmo enunciada. Restará o medo daqueles que escaparam, na sua incapacidade de compreensão, na pressa que têm de esquecer. Aliás, não existe outra possibilidade senão esquecer. Há coisas que mais vale não tentar compreender.

O clima de mistério que atravessa todo o filme pode ser resumido a uma frase proferida por Miranda logo no início: "Aquilo que vemos e aquilo que parecemos não é mais do que um sonho dentro de outro sonho".


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LÍVIO, Tito (1979) - Piquenique em Hanging Rock. Panorâmica 14/16: 57-58.
  • MÉRIGEAU, Pascal (1977) - Fiche Cinématographique 77. Image et Son 10/1977: 212.