Pink Anderson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pink Anderson
Informação geral
Nome completo Pinkney Anderson
Nascimento 12 de fevereiro de 1900
Origem Laurens (Carolina do Sul), Estados Unidos
Data de morte 12 de outubro de 1974 (74 anos)
Gênero(s)
Instrumento(s)
Período em atividade Década de 30década de 60
Afiliação(ões)

Pink Anderson (Laurens (Carolina do Sul), 12 de fevereiro de 1900Spartanburg, 12 de outubro de 1974) foi um cantor e guitarrista de blues.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1914 juntou-se a Dr. Kerr da “Indian Remedy Company” para entreter as multidões (cantando, dançando e contando anedotas) enquanto Kerr tentava vender uma mistura com qualidades medicinais.

Em 1916, Anderson conhece Simmie Dooley em Spartanburg, com quem aprendeu a cantar o “blues”. Quando Anderson não viajava com Dr. Kerr, ele e Dooley tocavam em pequenos ajuntamentos em Spartanburg e arredores.

Após o afastamento de Dr. Kerr em 1945, Anderson ficou por Spartanburg afinando o seu talento musical com a guitarra e harmônica. Problemas de coração forçaram Anderson a retirar-se em 1957.

Anderson foi gravado pelo folclorista Paul Clayton na Virginia State Fair em maio de 1950. Ele gravou um álbum no início da década de 1960 e atuou em alguns locais ao vivo.[1] Também apareceu no filme The Bluesmen de 1963. Reduziu suas atividades no final da década de 1960 após um acidente vascular cerebral.[2] As tentativas do folclorista Peter B. Lowry de gravar Anderson em 1970 não foram bem-sucedidas, embora, aparentemente, ele ocasionalmente pudesse reunir algumas de suas habilidades passadas. Uma turnê final ocorreu no início da década de 1970 com a ajuda de Roy Book Binder, um de seus "alunos", levando-o para Boston e Nova York.

Ele morreu em outubro de 1974 de um ataque cardíaco, com a idade de 74 anos. Ele está enterrado no Lincoln Memorial Gardens, em Spartanburg.[3]

O filho de Anderson, conhecido como Little Pink Anderson (nascido em 13 de julho de 1954[4]), é um bluesman que vive em Vermillion, Dakota do Sul.[5]

Seu nome no Pink Floyd[editar | editar código-fonte]

Syd Barrett formou uma banda nos anos 60 chamada Pink Floyd, usando os primeiros nomes de Anderson e de Floyd Council. Barrett aparentemente possuía uma gravação de um dos LP’s de Anderson.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Canções[editar | editar código-fonte]

  • "Papa's About to Get Mad" / "Gonna Tip Out Tonight", Pink Anderson and Simmie Dooley (gravado em 14 de abril de 1928), Columbia 14336-D
  • "Every Day in the Week Blues" / "C.C. and O. Blues", Pink Anderson and Simmie Dooley (gravado em 14 de abril de 1928), Columbia 14400-D

Álbuns[editar | editar código-fonte]

  • American Street Songs, Rev. Gary Davis e Pink Anderson, Riverside RLP 12-611

Carolina street ballads: "John Henry", "Everyday in the Week", "The Ship Titanic", "Greasy Greens", "Wreck of the Old 97", "I've Got Mine", "He's in the Jailhouse Now", Pink Anderson, gravado em 29 de maio de 1950, por Paul Clayton

  • Carolina Bluesman, vol.1 (1961), Prestige/Bluesville BV 1038

"My Baby Left Me This Morning", "Baby, Please Don't Go", "Mama Where Did You Stay Last Night", "Big House Blues", "Meet Me in the Bottom", "Weeping Willow Blues", "Baby I'm Going Away", "Thousand Woman Blues", "I Had My Fun", "Every Day in the Week", "Try Some of That"

  • Carolina Medicine Show Hokum & Blues, Anderson e Baby Tate (1962), Folkways Records FS 3588

"You Don't Know My Mind", "That's No Way to Do", "Weeping Willow Blues", "Meet Me in the Bottom", "I Got a Woman 'Cross Town", "Greasy Greens", "Boweevil", "Chicken", "He's in the Jailhouse Now", "The Titanic", "The Boys of Your Uncle Sam", "Baby Tate", "See What You Done Done", gravado ao vivo em Spartanburg, 1961–1962, por Samuel Charters

  • Medicine Show Man, vol. 2 (1962), Prestige/Bluesville BV 1051 / OBCCD-587-2

"I Got Mine", "Greasy Greens", "I Got a Woman 'Way Cross Town", "Travelin' Man", "Ain't Nobody Home but Me", "That's No Way to Do", "In the Jailhouse Now", "South Forest Boogie", "Chicken", "I'm Going to Walk Through the Streets of..."

  • The Blues of Pink Anderson: Ballad & Folksinger, vol. 3 (1963), Prestige/Bluesville BV 1071 / OBCCD 577-1

"The Titanic", "Boweevil", "John Henry", "Betty and Dupree", "Sugar Babe", "The Wreck of the Old 97", "I Will Fly Away", "The Kaiser", "In the Evening"

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Unterberger, Richie. Pink Anderson: Biography. Allmusic.com.
  2. Russell, Tony (1997). The Blues: From Robert Johnson to Robert Cray. Dubai: Carlton Books. pp. 88–89. ISBN 1-85868-255-X 
  3. Dead Rock Stars website – acessado em fevereiro de 2008
  4. Bio on the CD Sittin' Here Singing the Blues.
  5. «National Music Museum Photo, National Music Museum Pictures, Stills, Alvin "Little Pink" Anderson, a Carolina bluesman now living in». Newshopper.sulekha.com. Consultado em 30 de dezembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]