Pirâmides chinesas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O monte que cobre o túmulo do Imperador Jing de Han[1] (r. 156-141 aC), localizado próximo a Xi'an

As pirâmides chinesas são antigos mausoléus e túmulos construídos para abrigar os restos mortais de vários dos primeiros imperadores da China e das suas famílias imperiais. Cerca de 38 delas estão localizadas entre cerca de 25 e 35 quilômetros a nordeste de Xi'an, nas planícies de Qin Chuan, na província de Shaanxi. A mais famosa é o Mausoléu de Qin Shihuang, a nordeste de Xi'an e 1,7 km a oeste de onde os Guerreiros de Terracota foram encontrados. As pirâmides chinesas também foram construídas durante as dinastias Han, Tang, Song e Xia Ocidental.[2][3]

As estruturas piramidais têm topos planos e, portanto, têm formatos mais similares aos pirâmides de Teotihuacan, a nordeste da Cidade do México, do que com as pirâmides de Gizé, no Egito. Embora conhecidas no Ocidente há pelo menos um século, a sua existência tem sido controversa por conta de publicidade sensacionalista e dos problemas da arqueologia chinesa no início do século XX.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Tomb of Empror Jing of Han» 
  2. Steven R. Talley (2009). National Geographic, ed. Secretos de la antigüedad: Las pirámides perdidas de China  Parâmetro desconhecido |mídia= ignorado (ajuda)
  3. Agência EFE, ed. (28 de maio de 2007). «Desertificação põe as pirâmides chinesas em perigo». Consultado em 7 de julho de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a China é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.