Piracaia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Município de Piracaia
"Cidade do peixe assado"
Cachoeira do Pião

Cachoeira do Pião
Bandeira de Piracaia
Brasão de Piracaia
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 16 de junho
Fundação 16 de Junho de 1817
Gentílico piracaiense
Lema Minhas pedras são predestinadas
Prefeito(a) Silvino Cintra (PSB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Piracaia
Localização de Piracaia em São Paulo
Piracaia está localizado em: Brasil
Piracaia
Localização de Piracaia no Brasil
23° 03' 14" S 46° 21' 28" O23° 03' 14" S 46° 21' 28" O
Unidade federativa São Paulo
Região
intermediária

Campinas IBGE/2017 [1]

Região
imediata

Bragança Paulista IBGE/2017

Municípios limítrofes Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Igaratá, São José dos Campos, Joanópolis, Nazaré Paulista,Vargem
Distância até a capital 89 km
Características geográficas
Área 384,729 km² [2]
População 27 140 hab. Estimativa IBGE/2018[3]
Densidade 70,54 hab./km²
Altitude 792 m
Clima tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,792 elevado PNUD/2000[4]
PIB R$ 323,912 39 mil Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2013[5]
PIB per capita R$ 12,827 20 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/2013[5]
Página oficial
Prefeitura Website oficial
Câmara Website oficial

Piracaia é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 23º03'14" sul e a uma longitude 46º21'29" oeste, estando a uma altitude de 792 metros. Sua população estimada em 2016 é de 26.841 habitantes. Seu nome é de origem tupi e significa "peixe assado", através da junção de pirá ("peixe") e kaîa ("assado")[6].

História[editar | editar código-fonte]

A cidade de Piracaia foi fundada em 24 de março de 1859, com o nome de Santo Antonio da Cachoeira, como um bairro de Nazaré Paulista, por dona Leonor de Oliveira Franco e seus filhos, que doaram um terreno para construção de uma capela em louvor a Santo Antônio. O local exato da fundação é a atual Praça Júlio Mesquita, onde foi erguida e inaugurada, em 16 de Junho de 1891, a atual Igreja Matriz de Santo Antônio da Cachoeira.

O bairro de Santo Antônio da Cachoeira foi elevado a condição de freguesia em 5 de março de 1836, através da Lei Provincial Número 44 do município de Atibaia.

A Lei Provincial Número 404, de 10 de junho de 1850, transferiu o distrito de Piracaia do município de Atibaia para o de Nazaré Paulista. Em 24 de março de 1859, através da Lei Provincial Número Doze, a freguesia foi elevada à categoria de vila, com o nome de Santo Antônio da Cachoeira, desmembrada de Nazaré Paulista. Sua instalação ocorreu em 31 de julho de 1859.

Elevada a categoria de cidade através da Lei Provincial Número 62, de 21 de março de 1885. Em 9 de Novembro de 1892, elevada a categoria de município. A denominação atual foi adotada em 20 de agosto de 1906, através da Lei Estadual Número 997.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localizada na Serra da Mantiqueira, possui muitas cachoeiras e montanhas.

O ponto turístico mais famoso é a Igreja Matriz de Santo Antônio da Cachoeira, cujo teto possui a pintura de todos os papas. É a segunda igreja do mundo a possuir tal acervo, sendo a primeira, a Basílica de São Paulo, em Roma, na Itália. Outro ponto turístico famoso é o Santo Cruzeiro, que é o maior do mundo[7].

  • Clima: tropical de altitude com temperatura média de 24 °C.
  • Relevo: Montanhoso e fortemente ondulado
  • Hidrografia: Banhada pelos rios Cachoeira e Atibainha.

Possui três barragens: barragem do Jaguari-Jacareí, barragem do Cachoeira e barragem do Atibainha.

Política[editar | editar código-fonte]

Para os anos de 2017 a 2020, possui como prefeito José Silvino Cintra e como vice-prefeito André Rogério.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Igreja matriz de Piracaia, localizada no centro da cidade.

Dados do Censo - 2010

População total: 25139

  • Urbana: 23 347
  • Rural: 1792
  • Homens: 12300
  • Mulheres: 12839

Densidade demográfica (hab./km²): 65,34

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 8,41

Expectativa de vida (anos): 80,20

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,23

Taxa de alfabetização: 94,35%*

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,792

  • IDH-M Renda: 0,722
  • IDH-M Longevidade: 0,801
  • IDH-M Educação: 0.854
  • Ranking no estado: 111º
  • Ranking no País: 742º

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[8], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[9], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[10] para suas operações de telefonia fixa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017. 
  2. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Estimativa Populacional 2018». Estimativa Populacional 2018. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 29 de agosto de 2018. Consultado em 20 de setembro de 2018. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  6. NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p. 261
  7. [1]
  8. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  9. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  10. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]